Início » Brasil » ‘Se não chover, São Paulo vai ter que tirar água do lodo’, diz presidente da ANA
Crise hídrica

‘Se não chover, São Paulo vai ter que tirar água do lodo’, diz presidente da ANA

Presidente da Agência Nacional das Águas diz que a 2ª cota do volume morto da Cantareira garante água até março de 2015. Depois, ‘não haverá alternativa a não ser ir no lodo captar água’

‘Se não chover, São Paulo vai ter que tirar água do lodo’, diz presidente da ANA
Andreu disse que Sabesp deveria ter adotado medidas de contenção quando ainda havia água nos reservatórios (Reprodução/Veja)

O presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, afirmou que, se não chover em São Paulo nos próximos dias, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) “terá de tirar água de lodo” para abastecer a cidade.

A declaração foi dada nesta terça-feira, 21, durante um discurso na Assembleia Legislativa de São Paulo. Andreu alertou que a segunda cota do volume morto da Cantareira garantirá água até março de 2015. Depois, não será possível retirar uma terceira cota da reserva.

“Eu acredito que tecnicamente será inviável. Do ponto de vista ambiental, essa água terá problemas. Se a crise se acentuar, é bom que a população saiba que não haverá alternativa a não ser ir no lodo captar água”.

Em seu discurso, Andreu criticou o governo do estado de São Paulo, que, segundo ele, não ouviu as orientações da agência ainda no início da crise hídrica. Por conta dos desentendimentos com governo do estado, a ANA decidiu deixar o gerenciamento da crise. No momento, o sistema da Cantareira opera com apenas 3,3% da capacidade.

Andreu disse que as medidas paliativas deveriam ter sido adotadas quando ainda havia água nos reservatórios. Para ele, a vazão deveria ter sido controlada desde o início da crise, o que não foi feito. “Agora, a quantidade de água que nós temos nos reservatórios é tão pequena que qualquer problema que a gente venha a ter no futuro, a Sabesp não terá controle sobre o sistema de distribuição de água. Portanto, as medidas restritivas devem ser feitas quando você tem condição de atuar e não quando perde o controle absoluto”.

Fontes:
Folha-Se não chover, Sabesp vai tirar água de lodo, diz presidente da ANA

2 Opiniões

  1. helo disse:

    Lirio acerta, a falta d’água, a falta de luz, é culpa da Dilma, o descaso com o desmatamento, a falta de investimento no setor elétrico. A falta de rumo e seriedade com a Petrobrás, e com os produtores de etanol, com a transposição do rio São Francisco.

  2. Lirio disse:

    E no próximo mês faltará água no Rio…Vão culpar quem, o Aécio?O governo de São Paulo?Por que não dar o nome aos verdadeiros bois?O vilão da mudança do clima á a devastação desenfreada da Amazônia, que no governo Dilma só fez crescer.Além do aparelhamento das agências reguladoras como a ANA, em que a indicação de diretores obedeceu a critérios politicos sem a menor competência…
    “Em setembro de 2014, o desmatamento na Amazônia chegou a 402 km², um aumento de 290% em relação aos 103 km² registrado no mesmo período do ano passado. Os dados fazem parte de um relatório do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).”
    Chuvas que recarregam reservatórios da região Sudeste são oriundas da Amazônia. Árvores são ‘toque final’ da máquina biológica que produz chuvas.
    Quanto maior o desmatamento, menos umidade e, portanto, menos chuva. E sem chuva, os reservatórios ficam vazios e as torneiras, secas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *