Início » Brasil » A segunda morte de Abelardo
Coluna Esplanada

A segunda morte de Abelardo

Abelardo foi acusado de roubar dinheiro da Caixa, preso pelo Exército e espancado até a morte. Família quer um novo laudo sobre a morte do ex-bancário

A segunda morte de Abelardo
Ninguém mais fala na Comissão Nacional da Verdade e seu relatório (Reprodução/Agência Brasil)

A família de Abelardo Rausch de Alcântara, tido como subversivo nos arquivos militares do regime, vai apelar à Justiça Federal para um novo laudo relatando a verdadeira causa da morte do ex-bancário da Caixa, em 12 de fevereiro de 1970 sob custódia da Polícia do Exército, em Brasília. Com autorização da Justiça, legistas da Comissão Nacional da Verdade anunciaram que seria feita a exumação ano passado, mas a CNV entregou o relatório à presidente Dilma e nada foi realizado.

Esforço estudantil

O mais curioso dessa história é que a CNV assumiu o caso após minuciosa pesquisa de 18 meses de estudante de jornalismo da Católica de Taguatinga (DF), Jussara Santos.

Mexeu no baú

Diante do desdém de pesquisadores, historiadores e do próprio Governo, Jussara investigou a fundo, fez dezenas de entrevistas, ouviu a família, e descobriu a verdade.

Memória

Abelardo foi acusado de roubar dinheiro da agência. Preso pela Polícia do Exército, espancado até a morte. O dinheiro apareceu depois no banco, e a Caixa nunca explicou

Justiça, ainda que tardia

‘Não temos esperanças que façam alguma coisa para mudar a história inventada sobre meu pai. Só queríamos resgatar a dignidade dele, comprovando que ele não era um subversivo como afirmaram. Nossa paz só poderia ser alcançada por meio de uma nova certidão, com a exumação’, diz Adriano Magno, o filho mais velho de Abelardo.

Velório oficial

Ninguém mais fala na Comissão Nacional da Verdade e seu relatório – ex-subversivos, nem entidades de direitos humanos, tampouco militares ou Governo. É como se a CNV se tornasse mais um fantasma do passado enterrado no túmulo da Anistia.

Esqueletos falam

Na última terça (31) foram lembrados os 51 anos do golpe, ou revolução, depende do ponto de vista dos dois lados – militantes x militares. Mas surgem resquícios incômodos à História. O caso Abelardo é apenas um deles.

Vem bomba aí?

Demóstenes Torres tem repetido a aliados em Goiás que o agora inimigo senador Ronaldo Caiado (DEM) vai perder o mandato. A conferir.

AeroPoder

O helicóptero que caiu e matou o filho do governador Alckmin e outros quatro é de José Seripieri, dono da Qualicorp Saúde e amigo de Lula – que já voara no aparelho.

No sapatinho

Alvo da Operação Porto Seguro, que quase derrubou o padrinho do cargo, José Weber Holanda, o ex-AGU adjunto de Luís Adams, está ‘escondido’ dos holofotes na Escola da Advocacia Geral da União.

2016 começou

O Recife pode ter duas mulheres candidatando-se à Prefeitura ano que vem: Isabela de Roldão (PDT) e Priscila Krause (DEM). Mesmo parte da aliança de mentirinha com o PSB de Geraldo Julio, os partidos estão assanhados e não debatem em outra coisa.

Aval total

Ex-presidente da Agência Reguladora de Pernambuco, Roldão Joaquim vem a ser pai de Isabela. É Secretário-Geral do PDT, tem linha direta com Carlos Lupi, e carta branca da legenda e do presidente da ALEPE, Guilherme Uchoa (PDT), para articular.

Passado explica

Já Priscila Krause elegeu-se com voto de opinião e vem de família de políticos, tais como o ex-ministro da Fazenda, Gustavo Krause e não engoliu a aliança que Mendonça Filho fez com o PSB para ganhar um secretariado.

Alerta no saldo

A Caixa está em alerta com a alta inadimplência dos correspondentes bancários Brasil adentro. Enquanto outro cenário já passou de alerta para problema: os lotéricos devem mais de R$ 700 milhões, levantamento de 2014 do Boletim de Notícias Lotéricas.

Ponto Final

A tentativa de reaproximação da presidente Dilma com o PMDB via José Sarney está sendo chamada de ‘Sábado de Aleluia’: só acontecerá por milagre.

Com Equipe DF, SP e Nordeste

2 Opiniões

  1. Áureo Ramos de Souza disse:

    João Goulart depois de muitos anos morto filhos solicitaram exumação e fiseram novo laudo e quanto a Abelardo ninguém deu bola, também era um simples funcionário da caixa e o dinheiro estava lá.

  2. Roberto1776 disse:

    Afinal, Abelardo era ladrão e não era subversivo?
    Ou era subversivo e não era ladrão?
    Ou era ladrão e subversivo?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *