Início » Brasil » Abin barra nomes de indicados para ministérios
COLUNA ESPLANADA

Abin barra nomes de indicados para ministérios

Agência Brasileira de Inteligência tem barrado muitos nomes sugeridos por deputados e senadores, prova de que bons sujeitos não devem ser na praça

Abin barra nomes de indicados para ministérios
A revelação foi feita pelo ministro chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante (Foto: Wikimedia)

A despeito das reclamações da base governista sobre as indicações travadas para cargos nos ministérios, os políticos também não ajudam. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) tem barrado muitos nomes sugeridos pelos deputados e senadores – prova de que bons sujeitos não devem ser na praça. A revelação foi feita pelo ministro chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a seleto grupo de líderes que o visitou na última quarta-feira. Mercadante indicou outros dois fatores sobre o bloqueio das demandas: a prioridade para os cargos é de perfil técnico; e os próprios ministros barram indicações.

#Meritocracia

O perfil técnico foi imposição da presidente Dilma desde a ‘faxina’ realizada por ela nos ministérios em 2011 assim que assumiu. Por isso a base reclama não ter ingerência.

Cerne da crise

No atual cenário, a maioria dos ministros é da cota pessoal de Dilma, e não dos partidos. Daí ela repetir para os próximos que ‘a crise’ é uma invenção do Congresso Nacional.

‘Nós!?’

Mercadante instigou os políticos a cobrarem de ministros de seus partidos as nomeações. Um líder ficou pasmo: ‘Se o chefe da Casa Civil não tem esse poder, nós teremos?’

PDT no divã

Após a reunião no Planalto, sobre a possível troca do ministro do Trabalho, do PDT, para acalmar a bancada na Câmara, o presidente do partido, Carlos Lupi, reuniu-se com Manoel Dias. Mas entre os dois o papo foi outro. Dias está garantido no cargo, apesar de a bancada se debandar da base no Congresso. Maneco é da cota do próprio Lupi.

Sobrevida palaciana

Lupi e o ministro conversaram muito sobre a entrada dos irmãos Cid e Ciro Gomes no PDT, com filiação nesta segunda em Fortaleza. Ambos acreditam que a dupla, bem afinada com a presidente, tende a fortalecer a interlocução do partido com o Palácio.

Cartório high tech

Os cartoristas do País estão de olho num case. Após assumir o 1º Cartório de Notas e Ofícios de Brasília, o empresário McArthur Camargo mudou o nome para Cartório JK e promoveu revolução nos serviços. O atendimento é feito em até três minutos.

Sem fila

O cartório atende mais de mil clientes por dia e lançou um serviço vip para empresas associadas com mensalidade, e agendamento por site e telefone.

Varre & volta

A Fundação de Apoio ao Preso do Distrito Federal fechou parceria com o ICMBio, e não com o Ibama, para ceder detentos em semiaberto para cuidar dos parques na região.

Hum…aí tem!

Prefeitos e deputados estão preocupados com a CPI dos Fundos de Pensão. Chegou aos integrantes da Comissão que os alcaides temem que as investigações sobre operadores dos grandes fundos estatais se estendam aos municipais previdenciários.

Caso das pastinhas

Ano passado, a PF deflagrou uma operação em Brasília e prendeu ‘pastinhas’, lindas mulheres contratadas por empresários para seduzir prefeitos e convencê-los a aportar dinheiro dos funcionários das prefeituras em investimentos suspeitos – e em desvios.

Amor de filha

A presidente Dilma – reparem na agenda – há mais de dois anos não tem compromissos noturnos. Raramente aparece em público. É que dispensou a ajudante e ela mesma cuida da mãe, sua homônima, que requer cuidados médicos. Foi assim inclusive na campanha.

Para gringa ver

A redução do desmatamento na Amazônia foi muito comemorada pelos órgãos federais. Os dados, comprovados por entidades internacionais, saem às vésperas de o Brasil fechar o acordo para a COP21. Dia 20, a chanceler alemã Angela Merkel desembarca em Brasília e anuncia doação de 32 milhões de euros para preservação de florestas.

Já atravessou

A PF apura no Norte do País a suspeita de envolvimento das FARC da Colômbia no tráfico internacional de madeira com extração ilegal dentro do território brasileiro.

Conluio

Para os delegados na região, o combate ao crime ambiental é muito difícil porque o crime está intrínseco à comunidade: pelo menos 80% das comunidades dependem disso.

Ponto Final

Em suma, a Abin faz um grande serviço à nação ao barrar nomes ‘sujos’ indicados por políticos não muito convincentes.

 

Com Equipe DF, SP e Nordeste

________________________

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *