Início » Brasil » Aliados declaram apoio ao plebiscito
Reforma política

Aliados declaram apoio ao plebiscito

Senado organizará as perguntas para a votação. Calheiros confirma possibilidade de novas regras já valerem em 2014

Aliados declaram apoio ao plebiscito
Base aliada se reuniu nesta quinta-feira com Dilma e confirmou unidade em prol da proposta da presidente (Reprodução/Internet)

A base aliada do governo declarou apoio ao plebiscito para a reforma política, após reunião de seis horas com a presidente Dilma nesta quinta-feira, 27, no Palácio do Planalto. Pela manhã, Dilma conversou com lideranças de dez partidos da base no Congresso, à tarde com líderes do Senado e à noite com os da Câmara.

Leia também: Histórico das consultas populares realizadas no Brasil

Leia também: Dilma desiste de Constituinte e mantém plebiscito

Arlindo Chinaglia, líder do governo na Câmara, afirmou que aliados apóiam a realização do plebiscito, mas não confirmou que novas regras já valerão em 2014. “Todos nós valorizamos sem exceção a importância de uma consulta popular, e quando confrontada a ideia de um plebiscito e a ideia de um referendo, por unanimidade, nós fechamos unidade em torno de um plebiscito”, confirmou Chinaglia.

A oposição defende referendo, uma consulta popular após o ato já ter sido aprovado para confirmar rejeição ou aprovação do mesmo. O plebiscito, porém, proposto pela presidente no início da semana, é a consulta popular antes da concepção do ato. Após a reunião, líderes do PMDB, PT, PSB e PR confirmaram apoio à proposta.

O Senado organizará as perguntas para a votação sobre a reforma política. Segundo Renan Calheiros, com o plebiscito, as regras poderão já valer em 2014. “Se o resultado do plebiscito mandar excepcionalizar a regra constitucional, isso pode ser feito por proposta de emenda à Constituição. É evidente que se o plebiscito disser que a reforma pode ser feita sem levar em consideração o prazo constitucional, isso vai ser feito”, confirmou o presidente do Senado.

Fontes:
G1 - Após 6 horas de reunião com Dilma, base diz que apoiará plebiscito

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

9 Opiniões

  1. Samuel disse:

    A verdadeira reforma política só seria efetiva sem a participação dos atuais políticos, demagogos e corruptos, pois, acredito eu, que a insatisfação popular e o caos instalado no país é resultado dos desmandos, negligência e omissão perpetuados ao longo dos anos. Louvável seria se as manifestações em curso promovessem a completa dissolução do Congresso Nacional e a sua substituição por pessoas que prestaram algum serviço de relevância à sociedade.

  2. Mauricio Fernandez disse:

    O plebiscito que realmente querem e como querem e será, não passa de golpe. Podem esperar!

  3. olbe disse:

    Tudo o que partir de RENAN CALHORDA não merece ser visto. Primeiro ele deve ser preso e DEVOLVER O DINHEIRO QUE O POVO PAGOU PARA SUA AMANTE!!!!

  4. Sálvio Pessoa disse:

    A presidente, o vice-presidente, os ministros, seus assessores, todos estão completamente perdidos, tão perdidos quanto aqueles que estão protestando nas ruas, ou os policiais que fiscalizam os protestos ou os que assistem aos protestos nas ruas ou pela TV. Mal a presidente anunciou as medidas que tinha em mente para resolver os problemas, já começaram as discordâncias, os desentendimentos e os desacordos, cada setor querendo puxar a brasa para a sua sardinha. O presidente e os integrantes do Congresso Nacional, o presidente e os integrantes do Supremo Tribunal Federal os senadores, deputados federais e estaduais, prefeitos, governadores e vereadores estão todos perdidos, tanto quanto os empresários e seus funcionários, os jornalistas, seus leitores, ouvintes e telespectadores, os juízes, promotores, advogados, médicos, engenheiros, os analfabetos e doutores, os estudantes, os professores, os funcionários públicos, as donas de casa, os pais de família, os bandidos, os padres, as freiras, as virgens, as prostitutas, os pastores, os crentes, os descrentes e o povo em geral. E não é só no Brasil, mas em todas as nações do mundo, sem exceções. Formam todos um bando de tolos, pretensiosos e arrogantes que fingem saber das coisas, fingem compreender o problema e conhecer a solução, fingem estar tranquilos e seguros de si, mas que, na realidade, estão apavorados, de nada sabem, nada entendem e têm suas próprias vidas pessoais confusas, insolúveis e angustiadas. Ninguém sabe o que fazer e qualquer coisa que façam, dará errado e trará novos e insolúveis problemas. Não há plebiscitos, pactos nem constituintes que deem jeito na situação, não há protestos, copa do mundo, das confederações, carnaval ou olimpíada, reuniões, conferências, pacifismo nem vandalismo que resolvam, porque o problema não depende disso, não depende de discursos, de teorias, de dinheiro, nem de leis, nem de polícia, de ideologias partidárias, de filosofias, de religiões, nem de fiscalização, punição, prisão, nada disso. Eu sei do que depende, mas não direi, porque já foi dito milhares de vezes, no passado e até no presente, e de nada adiantou, ninguém ouviu e, se ouviu, não deu a menor importância. Resta-me apenas contemplar, impotente, com o coração cheio de uma inútil compaixão e com o coração dilacerado, a derrocada final da raça humana, esmagada pelo peso da sua própria estupidez. A situação vai piorar cada vez mais. Quanto mais soluções arquitetarem, mais problemas terão. Quem viver verá. É o fim do caminho, aproxima-se, a cada dia, a tragédia mais do que anunciada à qual ninguém jamais deu ouvidos. Que Deus tenha piedade das nossas pobres almas.

  5. Carlos U. Pozzobon disse:

    O problema não é o plebiscito em si. A questão toda está na enrolação. O plebiscito sobre as armas era uma pergunta negativa, algo surrealista. Essa gente não tem moral para propor plebiscito. Até porque o povo votaria favoravelmente a dissolução do atual Congresso. Com esse tipo de autoridade, não haverá as mudanças no modelo político que o país precisa. E tais mudanças implicam em discussões longas e controvertidas, no debate intenso sobre temas lapidares da organização e atuação política no país. Não se faz no afogadilho.
    http://reformaprofunda.blogspot.com.br/

  6. Joaquim Caldas disse:

    Plebiscito? O maior golpe comunista sobre o povo brasileiro? Eles vão simular as perguntas e o resultado será dado com fraude nas urnas eletrônicas,sairá de jeito que eles querem? Aguardem!

  7. Mauricio Fernandez disse:

    O plebiscito vai abrir a caixa preta do Ministério de Minas e Energia onde Serra Pelada, uma das maiores jazidas de ouro e outros metais preciosos do mundo com o apoio dos poderes da república passa para as mãos de um grupelho? O plebiscito vai abrir a caixa preta da Petrobrás? O plebiscito vai abrir a caixa preta das licitações? O plebiscito vai abrir centenas de caixas pretas que esperam serem abertas estancando o ralo da corrupção? Acho que esse plebiscito proposto é só para tapar a boca do pessoal dos protestos que gritavam por vinte centavos. Não é plebiscito, é golpe!!! Ouçam bem, é golpe!!!

  8. carlos alberto martins disse:

    Aposto que num BRASIL com os politicos que decoraram a cartilha do LULA com ensinamentos do Não sabia de nada tenho ,certeza absoluta que de que virá mais um monte de besteiras de DILMA e seus cúmplices.Porque ela não põe na cadeia seus Politcos corruptos?Porque como a maior autoridade consagrada na urnas após fazer mil promessas durante a sua campanha diz não saber de nada?Ao que tudo indica,vai acabar tudo em piza.Porque éla não pede ao STJ,STF e policia federal investigação profunda sobre cada politico e aplique imediatamente a punição?A resposta é simples:Ela própria faz parte do bando.

  9. Áureo Ramos de Souza disse:

    Quem deve dá as regras ao plebiscito, referendo ou MP é o Supremo Tribunal Federal dirigido por Joaquim Barbosa que entende de lei e da constituição. Senadores, Ministros e Deputado Federal só sabem roubar.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *