Início » Brasil » Alto-comissário da ONU se diz preocupado com intervenção federal no Rio
SEGURANÇA PÚBLICA

Alto-comissário da ONU se diz preocupado com intervenção federal no Rio

'As Forças Armadas não são especializadas em segurança pública ou investigação', afirmou Zeid Ra'ad Al Hussein

Alto-comissário da ONU se diz preocupado com intervenção federal no Rio
Comandante do Exército disse que militares precisam de 'garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade' (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Em relatório divulgado nesta quarta-feira, 7, o alto-comissário da ONU para os direitos humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, demonstrou preocupação com a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

Leia também: Intervenção é a sétima tentativa de conter violência desde 2000

“Estou preocupado com a recente adoção de um decreto que confere às Forças Armadas autoridade para combater o crime no estado do Rio de Janeiro e coloca a polícia sob o comando do exército”, afirmou o alto-comissário da ONU.

Ainda de acordo com Zeid Ra’ad Al Hussein, “as Forças Armadas não são especializadas em segurança pública ou investigação. Deploro os pedidos de altos funcionários do exército por medidas que equivalem a uma anistia preventiva para qualquer grupo que possa cometer violações de direitos humanos”.

Não ficou claro a quais pedidos de “anistia preventiva” o alto-comissário se refere. Em uma reunião com o Conselho da República no mês passado, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, disse que os militares precisam de “garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade”.

Fontes:
G1 - ONU expressa preocupação com uso das forças armadas para combater o crime no RJ

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Valter Moura disse:

    Sr. Zeid Ra’ad Al Hussein, para estar preocupado com o Brasil imagino que a ONU INTEIRA E O Sr. nem dormem mais por ver a chacina na Síria. Tá escondendo o lixo em baixo do tapete né. Tenho uma pergunta a lhe fazer ´Sabe como resolver o problema no Rio de Janeiro?

  2. Markut disse:

    De fato, se houvesse um critério de prioridades das preocupações da ONU,o que acontece no Oriente Médio , sem dúvida, estaria na frente.
    A menos que a mortandade no Brasil se equipare.

  3. Carlos Valoir Simões disse:

    “Estou preocupado com a recente adoção de um decreto que confere às Forças Armadas autoridade para combater o crime no estado do Rio de Janeiro e coloca a polícia sob o comando do exército”, afirmou o alto-comissário da ONU.
    Não é o “decreto” sr, “alto-comissário” de meia-pataca é a CF/88. O decreto é apenas instrumento administrativo.
    Essa ONU inútil não consegue parar o genocídio na Síria, agora vem dar palpite no RJ.

  4. Allan Rosa disse:

    Sr.Valter Moura só no mês de janeiro deste ano a policia militar matou 157 “favelados”, todos de pele branca,caucasianos,aparência nórdica, olhos claros e nariz fino(ironia é pouca né).Brincadeiras á parte meu caro morre mais gente por dia no Rio do que na síria.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *