Início » Brasil » Anvisa concede aval temporário a pesquisas com mosquitos transgênicos
'AEDES DO BEM'

Anvisa concede aval temporário a pesquisas com mosquitos transgênicos

Depois de dois anos de avaliação, agência concede um ‘registro especial temporário’, mas ainda não se posiciona sobre uma eventual comercialização da tecnologia

Anvisa concede aval temporário a pesquisas com mosquitos transgênicos
Mosquito transmissor de doenças como dengue e zika vírus (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu conceder um “registro especial temporário”a pesquisas com mosquitos transgênicos até que seja concluída a elaboração de uma norma sobre o tema. Esta é a primeira iniciativa da agência para regular o uso desse tipo de tecnologia no país.

Leia mais: O medo infundado do mosquito transgênico

Desta forma, a empresa britânica Oxitec, que possui uma filial no estado de São Paulo, e que tem uma linhagem de Aedes aegypti geneticamente modificada, vai poder realizar pesquisas com a tecnologia para comprovar sua eficácia. Em 2014, a empresa tinha conseguido a aprovação inicial pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) para uso da tecnologia em larga escala, e consultou a Anvisa na tentativa de obter aval para a comercialização.

A análise da Anvisa demorou dois anos e ela já estava recebendo críticas sobre a demora da avaliação. A agência definiu que os mosqiuitos geneticamente modificados “são objeto de regulação sanitária, no que diz respeito à segurança sanitária de seu uso e em relação à sua eficácia”, mas ainda não se posicionou sobre uma eventual comercialização dessa tecnologia. Em nota, a Anvisa diz que, além da análise da CTNBio, “caberá aos órgãos específicos dos Ministérios o registro e a fiscalização comercial dos organismos geneticamente modificados”.

O objetivo de usar mosquitos geneticamente modificados de Aedes aegypti é reduzir a população de mosquitos silvestres e assim reduzir também as doenças por eles transmitidas, como a dengue e o zika vírus.

A medida deve abrir espaço para novas parcerias com prefeituras que queiram utilizar os transgênicos no combate ao mosquito silvestre, só que esta utilização ainda deve ocorrer em caráter de testes.

 

Fontes:
Folha de S.Paulo-Anvisa dará aval temporário a pesquisas com Aedes transgênico

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *