Início » Brasil » Anvisa veta vacina contra abortos recorrentes
SAÚDE

Anvisa veta vacina contra abortos recorrentes

A Anvisa vetou uma vacina que previne abortos consecutivos, ofertada há mais de 20 anos

Anvisa veta vacina contra abortos recorrentes
Muitos abortos acontecem porque o corpo da mulher interpreta a gravidez como doença (Foto: Pixabay)

A vacina, que é feita a partir do sangue paterno, custa cerca de R$ 3 mil e é prescrita no país há mais de 20 anos para mulheres que sofrem abortos recorrentes — ou seja, perda de três ou mais gestações até a 20° semana –, por fatores imunológicos.

Mas, a partir de agora, a vacina só pode ser usada em projetos de pesquisa que forem aprovados por comitês de ética. O uso da vacina em clínicas é considerado “infração sanitária”, sujeito a multas e fechamento da clínica.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) não recomendou o uso da vacina por falta de embasamento científico. O diretor da Anvisa, Jarbas Barbosa, diz que a pessoa que recebe a vacina corre o mesmo risco de transmissão de doença infecciosa do que numa transfusão de sangue.

No entanto, alguns profissionais são contra a proibição e usam várias pesquisas favoráveis ao imunizante em seu discurso. Muitas pacientes que fizeram o uso da vacina também dizem que o sucesso da gravidez foi graças à vacina.

Muitos abortos acontecem porque o corpo da mulher interpreta a gravidez como doença. Portanto, a imunização era feita com os glóbulos brancos do pai do bebê, para que o corpo da mulher não mais rejeitasse as proteínas paternas do embrião.

Alguns médicos que defendem a vacina pretendem mudar o posicionamento do CFM e o veto da Anvisa a partir de novos estudos.

Fontes:
Folha de S.Paulo-Vacina para abortos recorrentes usada há 20 anos no país é proibida

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *