Início » Brasil » Após críticas, Eduardo Bolsonaro volta atrás sobre AI-5
POLÊMICA

Após críticas, Eduardo Bolsonaro volta atrás sobre AI-5

Deputado afirmou que 'talvez tenha sido infeliz' em sua declaração sobre 'um novo AI-5'

Após críticas, Eduardo Bolsonaro volta atrás sobre AI-5
Declaração de Eduardo Bolsonaro sobre 'um novo AI-5' gerou muita polêmica (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Após afirmar que se a esquerda “radicalizar” no país, a resposta pode ser “via um novo AI-5”, o deputado Eduardo Bolsonaro voltou atrás e disse nesta quinta-feira, 31, em entrevista à TV Bandeirantes que “talvez tenha sido infeliz” em sua declaração anterior.

O deputado ressaltou durante a entrevista que “não existe qualquer possibilidade” de um novo Ato Institucional 5, ao contrário do que havia sugerido anteriormente. Posteriormente, em um vídeo publicado em uma rede social, Eduardo afirmou que não se sente constrangido em pedir desculpas “a qualquer tipo de pessoa que tenha se sentido ofendida ou imaginado o retorno do AI-5”.

O AI-5 foi assinado durante o regime militar, no ano de 1968. Trata-se de uma das principais medidas de repressão adotadas durante o regime, determinando, por exemplo, o fechamento do Congresso e a perseguição a jornalistas e militantes.

A declaração de Eduardo Bolsonaro sobre um “novo AI-5” gerou muita polêmica. Políticos e entidades da sociedade civil repudiaram a fala do filho do presidente Jair Bolsonaro.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que “a Carta de 88 abomina, criminaliza e tem instrumentos para punir quaisquer grupos ou cidadãos que atentem contra seus princípios – e atos institucionais atentam contra os princípios e os fundamentos de nossa Constituição. O Brasil é uma democracia. Manifestações como a do senhor Eduardo Bolsonaro são repugnantes, do ponto de vista democrático, e têm de ser repelidas como toda a indignação possível pelas instituições brasileiras. A apologia reiterada a instrumentos da ditadura é passível de punição pelas ferramentas que detêm as instituições democráticas brasileiras. Ninguém está imune a isso. O Brasil jamais regressará aos anos de chumbo”.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que “é um absurdo ver um agente político, fruto do sistema democrático, fazer qualquer tipo de incitação antidemocrática. E é inadmissível esse afronta à Constituição. Não há espaço para que se fale em retrocesso autoritário. O fortalecimento das instituições é a prova irrefutável de que o Brasil é, hoje, uma democracia forte e que exige respeito”.

A Ordem dos Advogados do Brasil também se manifestou após a declaração de Eduardo Bolsonaro, ressaltando que “é gravíssima a manifestação do deputado, que é líder do partido do presidente da República. É uma afronta à Constituição, ao Estado democrático de direito e um flerte inaceitável com exemplos fascistas e com um passado de arbítrio, censura à imprensa, tortura e falta de liberdade”.

Fontes:
G1 - Eduardo Bolsonaro diz que 'talvez tenha sido infeliz' e que não há 'qualquer possibilidade' de volta do AI-5
G1 - Entidades e políticos repudiam fala de Eduardo Bolsonaro sobre possibilidade de novo AI-5

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Áureo Ramos de Souza disse:

    Se não tem capacidade para o uso da palavra, pega seu baninhos e sai. Não ver que prejudicam seu pai garotões.

  2. Rogerio de Oliveira Faria disse:

    Casse logo o mandato deste filhotinho de fascista.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *