Início » Brasil » As amigas do Bancão
coluna esplanada

As amigas do Bancão

Recursos do BNDES são aplicados indevidamente em fundo de investimento que permite não só o pagamento dos empréstimos, mas lucros

As amigas do Bancão
Assessoria do Banco diz que 'a demanda não ficou clara', quando questionada (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um caso que faria do Ministério Público Federal um herói nacional, se for a fundo nessa mata repleta de armadilhas com o dinheiro popular.

As trilhas sinuosas desembocariam neste cenário: as grandes empresas amigas e financiadoras do governo engendraram triangulação para ganhar dinheiro do BNDES sem precisar se endividar com o bancão. Em suma, o financiamento vira doação.

Leandro Mazzini é escritor e colunista do Opinião e Notícia

Essas empresas pegam o empréstimo com o BNDES à vista – com valor bem superior ao que vão usar numa aquisição – e aplicam o restante em LTN (Letras do Tesouro Nacional). Como é um título de renda fixa e retorno garantido mensal, as empresas usam o lucro para pagar as parcelas do empréstimo ao… BNDES.

Um caso recente: um conglomerado tupiniquim conseguiu US$ 300 milhões do bancão para comprar uma empresa na Argentina, que lhe custou US$ 100 milhões. Com os US$ 200 milhões restantes, a firma brasileira aplicou em LTN, cuja alta rentabilidade tem garantido não apenas honrar as parcelas do empréstimo, como também enche de bônus os bolsos de seus executivos.

A Coluna procurou a assessoria do BNDES com as seguintes questões:

O BNDES, ao conceder um financiamento vultoso, para empresa nacional adquirir outra, deve acompanhar a transação, mesmo quando não sócio? O BNDES tem ciência de casos de aplicação de verba direta de financiamento adquirido por uma empresa em LTN?

A assessoria se resumiu a responder que não ficou clara a demanda. Talvez o MP, numa visita aos papéis do bancão, possa explicar melhor.

Mr. Palocci

Os próprios petistas da cúpula do partido estão intrigados. Há alguns meses Antonio Palocci mora em Londres, e suas atividades são um mistério, vem esporadicamente ao Brasil. A única certeza é de que, de lá, tem falado muito ao telefone com o ex-presidente Lula.

Palocci foi ministro da Fazenda de Lula, até cair por mandar violar o sigilo bancário de um caseiro de Brasília; e ministro da Casa Civil da presidente Dilma Rousseff, até cair, novamente, da última vez por uma compra de apartamento em São Paulo não condizente com seus ganhos (R$ 6 milhões, vale lembrar, custam apenas o sinal para o tipo de imóvel que escolheu).

O recente histórico de biografia de Palocci o inseriu no grupo da estirpe de José Roberto Arruda, o ex-governador de Brasília. É a turma do poder que não se regenera. Tal como Palocci, Arruda teve duas chances de cravar seu nome no Poder nacional, sem manchar a imagem. Em vão. Quando senador, afirmou da tribuna que não havia lido a lista do painel violado na votação que cassou Luiz Estêvão. Pego na mentira, renunciou. Numa reviravolta política e eleitoral, foi alçado a governador de Brasília em 2007. Vida nova, nova chance.. que nada. Foi filmado com dinheiro de caixa 2 e depois tentou coagir testemunha de operação policial. Sucumbiu novamente.

Ponto Final

‘A inflação no Brasil permanece na meta (…) Buscamos a convergência
para a meta inflacionária’

Presidente Dilma Rousseff, em Davos, no Fórum Econômico Mundial.

Charge de Aliedo


Cachacinha na receita

Dona Maria Torinha é querida por todos os moradores da pequena Medina (MG),  cravada no Vale do Jequitinhonha, em Minas. Conhecida também por se deleitar com doses de cachaças nos bares, mas moderadamente. Certa vez ela marcou consulta com o médico dr. Walter Tanure Filho, então prefeito, que alternava sua agenda entre o gabinete municipal e o consultório. Em certo momento da consulta, após verificar que ela reclamava de dores de cabeça, o médico indagou sobre seus hábitos:
– Dona Torinha, a senhora bebe uma cachacinha..?
Ela sorriu encabulada e mandou na lata:
– Óia, eu num ia pedir não, mas já que o senhor está oferecendo, eu quero sim..

______________________________

Com Maurício Nogueira, Luana Lopes e Equipe DF e SP

 

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. Sérgio Augusto Kniphoff disse:

    Interessantíssimo! Uma denúncia destas nem mesmo deve ser lida pelo Ministério Público! Nada……nada….e tudo continua na mesma nesta republiqueta tupiniquim!!! E nós….e nós…. dê-lhe pagar impostos!!! Somos mesmo é idiotas governados por PTralhas!!!!

  2. Miguel Meira disse:

    Leandro Mazzini, só lamento que você não diga mais pois tenho a certeza que o seu conhecimento, tanto sobre o BNDES como sobre o famigerado e escroque Pallocci, é muito maior.

  3. Sandro LB disse:

    Ministério Público
    hora de trabalhar e urgente

  4. helo disse:

    O começo e o fim do artigo poderiam resultar numa história assim: Um amigo e empresário vai ao BNDES onde lhe é perguntado:”O Sr. veio aqui porque quer um empréstimo?”. “Já que o Sr. está oferecendo, quero sim”.

  5. Seneval Alves Bastos disse:

    Prezados

    Estamos diante de uma onda de saques aos cofres públicos sem precedentes e a sociedade assiste a esta barbaridade sem se manifestar. Vemos claramente que o problema do Brasil não é um problema econômico e sim administrativo.Todos os setores da sociedade são mal administrados e agora com este governo piorou. Sou empresário e luto por um empréstimo junto ao BNDES há tempos. Para que o banco me empreste um valor qualquer é necessário empenhar os meus bens, ou seja, tenho que dar como garantia o apartamento , o carro, além da apresentação de um avalista.Este não é um país sério…saques aos cofres públicos para alimentar os lobos.

  6. Evandro Correia disse:

    Seneval: qualquer banco, em qualquer país do mundo, exige garantias. É da natureza deles.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *