Início » Brasil » Ataque no ar
COLUNA ESPLANADA

Ataque no ar

Gilmar Mendes não tem pressa em liberar para análise uma ação que questiona o controle de emissoras de rádio e TV por políticos

Ataque no ar
A Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 379 foi apresentada há seis anos pelo PSOL (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral e ministro do STF, Gilmar Mendes, engaveta e não tem pressa em liberar para análise do plenário da Suprema Corte uma ação do PSOL que questiona o controle de emissoras de rádio e TV por políticos. A chamada ADPF, Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 379, foi apresentada há seis anos pelo partido e sustenta que o comando de veículos de comunicações por políticos “viola preceitos fundamentais como a realização de eleições livres, o pluralismo político e o princípio da isonomia”. Hoje, mais de 50 parlamentares do Congresso têm participação declarada em emissoras de rádio e TV.

Editorial eleitoral

No bojo da questão, algo que ocorre há décadas: canais de TV e emissoras de rádio nas mãos de senadores e deputados, que direcionam editoriais contra seus adversários.

Deu em nada

Em outubro, a AGU, Grace Mendonça, requereu a Gilmar “medida cautelar” para barrar renovação de concessões de rádio e TV de parlamentares — muitos são sócios ocultos.

Replay

Em agosto, o então PGR Rodrigo Janot manifestou apoio à ação do PSOL. Disse que os parlamentares nas emissoras conferem “a políticos poder de influência indevida”.

O cotado

Um dos cotados para assumir o Ministério das Cidades, o deputado goiano Alexandre Baldy, se confirmado no cargo, irá engrossar a lista de ministros encrencados com a Justiça. É alvo de ação civil pública por improbidade administrativa e irregularidades à época que ocupou a secretaria da Indústria e Comércio do governo de Goiás.

Vaivém

Fidelidade partidária também não é o forte do parlamentar goiano: transitou pelo PSDB, Podemos e desembarcou no PP presidido pelo senador alvo da Lava Jato, Ciro Nogueira (PI). Até o fechamento da Coluna, ele continuava no PP.

Executiva de 1ª

O PMDB não tem constrangimento em manter na Executiva Nacional o ex-ministro Henrique Alves, preso há cinco meses; o ex-assessor de Temer Tadeu Filippelli (DF), que caiu em maio após ser preso por desvios de recursos públicos; além do deputado Lúcio Vieira (BA), encrencado no caso do bunker de R$ 51 milhões do irmão Geddel.

Parcelamento

O presidente Michel Temer deve fazer a reforma ministerial em duas vezes para evitar cisões com o PSDB e os exigentes partidos do ‘Centrão’. Parte ficará para 2018.

Previdenciômetro

O Palácio não tem os 308 votos para aprovar o remendo — e não reforma, mais — da Previdência. Temer tem 230, hoje. Acha que até dezembro consegue. Otimista, ele…

Porta-voz

Deputado federal mais votado em Minas, o petista Reginaldo Lopes aproveitou a semana fria em Brasília e percorreu os redutos entregando o que conseguiu de emenda parlamentar. No governo Dilma, ele bateu na trave para Ministro da Educação. Hoje é um dos pilares do governo de Fernando Pimentel na relação com o interior.

Gigi sobre rodas

Por falar em Gilmar Mendes, o Gigi Furioso, até hoje a ministra presidente do STF, Cármen Lúcia, não pautou a suspeição sobre ele pedida pelo então PGR Janot, diante da decisão do ministro na soltura (por duas vezes) de Jacob Barata Filho, seu conhecido. Jacob está na cadeia, e os advogados já preparam novo pedido ao STF.

Excomungado!

O deputado Luiz Couto (PT-PB), que é padre, tem perdido missas marcadas no interior da Paraíba e culpa o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Maia não o liberou a tempo de chegar ao que chama de “missão oficial”.

Sargóvia

Apadrinhado por José Sarney — a Coluna cantou a bola, eles se encontraram num escritório há meses –, o novo diretor da PF que toma posse amanhã já é apelidado de Fernando Sargóvia (Sarney + Segóvia, seu sobrenome). Olho nele.

Ponto Final

Há exatos 50 anos o Brasil perdia um dos seus maiores escritores, João Guimarães Rosa, autor de clássicos como Corpo de Baile, Sagarana e Grande sertão: veredas.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Markut disse:

    Sem surpresa, por mais que os “nossos representantes” queiram mascarar, o poder dos meios de comunicação, como instrumento de dominação,para a preservação do poder, se possivel, ad infinitum, ,é regra, não exceção, nesta bananolândia, em que a desinformação e o engodo,são instrumento usual,para o cultivo deste populismo predador, de que , nós, do terceiro mundo, não nos libertaremos,até que se consiga valorizar o precioso capital humano,tornado esclarecido e contestador,através da escolaridade básica competente , implantada, como dever de Estado , previsto constitucionalmente,mas sem conseguir despertar, para tanto, o necessário apetite gestor.
    Sinal de atraso , os nichos oligárquicos,ainda presentes e poderosos, espalhados , pelo Brasil afora, não nos permitirão galgar a condição de um país em desenvolvimento.
    Sintomaticamente, vale, tambem, para a América Latina, dada a sua origem comum de colonização ibérica, de forte cultura extrativista.
    O triste espetáculo que nos é oferecido, diariamente, pelos três poderes básicos da nação, não permite grandes esperanças, pelo menos, a curto prazo.

  2. Vitafer disse:

    Concordo com você Markut.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *