Início » Brasil » Atividade sobre profissões gera polêmica em escola do RS
'SE NADA DER CERTO'

Atividade sobre profissões gera polêmica em escola do RS

Com tema 'Se nada der certo', alunos se vestem de garis, ambulantes e hippies em alusão a atividades que fariam caso não fossem aprovados no vestibular

Atividade sobre profissões gera polêmica em escola do RS
Ação desenvolvida por alunos tem causado muita polêmica nas redes sociais (Fonte: Reprodução/BombôRS)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Uma atividade sobre profissões desenvolvida por alunos do Ensino Médio de um colégio de Nova Hamburgo, no Rio Grande do Sul, gerou muita polêmica na internet. Os estudantes se vestiram de garis, vendedores ambulantes, agricultores, entregadores de jornal e hippies em uma alusão a atividades que fariam caso não passassem no vestibular.

A ação, intitulada “Se nada der certo”, aconteceu na Instituição Evangélica de Nova Hamburgo no último dia 17 de maio e tem sido muito criticada nas redes sociais. Uma pedagoga diz que se trata de um “deboche”, e uma vendedora se sentiu “indignada”: “Segundo essa proposta, sou uma aluna que não deu certo. Pois virei vendedora (tem meninas ali ‘fantasiadas’ de vendedora)”, afirmou Gabriela Baccin.

O colégio pediu desculpas pelo “mal entendido”, ressaltando que a atividade não teve a intenção de discriminar profissões, e sim “promover momentos de integração e descontração entre os formandos do Ensino Médio”.

“O objetivo principal dessa atividade foi trabalhar o cenário de não aprovação no vestibular, de forma alguma foi fazer referência ao ‘não dar certo na vida'”, afirmou a instituição em nota.

Em 2015, uma escola de Porto Alegre desenvolveu uma atividade parecida e também foi alvo de críticas. Na ocasião, alunos do Colégio Marista Champagnat se vestiram de vendedores, garis e hippies durante uma ação com o mesmo título: “Se nada der certo”. Em declaração ao Portal G1, a instituição afirmou que “a temática não era apropriada, por isso não ocorreram outros episódios anos seguintes. Temas como esse, que confrontam valores e profissões, não são condizentes com a nossa proposta pedagógica, que tem como premissa o respeito às pessoas. Lamentavelmente, a atividade aconteceu e, por isso, pedimos nossas sinceras desculpas”.

Fontes:
G1 - Atividade com alunos vestidos de vendedores e garis em caso de não aprovação no vestibular causa polêmica

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Natanael Ferraz disse:

    A patrulha do politicamente correto é implacável. Aquelas “profissões” que se sentem diminuídas, é porque já aceitaram o estigma da desvalorização. É problema de baixa auto-estima.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *