Início » Brasil » Aumento na taxa de desemprego é preocupante, diz IBGE
Mercado de trabalho

Aumento na taxa de desemprego é preocupante, diz IBGE

Dados mostram que taxa de desemprego e demissões aumentaram nos últimos meses

Aumento na taxa de desemprego é preocupante, diz IBGE
Queda na criação de empregos está ligada à baixa atividade econômica (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Dados divulgados pelo IBGE nesta quarta-feira, 24, revelam um cenário preocupante para o mercado de trabalho.

Segundo o coordenador de trabalho e rendimento do órgão, Cimar Azeredo, a Pesquisa Mensal de Empregos (PME) mostra uma desaceleração na geração de empregos. “Os resultados apresentam estabilidade. É frustrante observar a perda no ritmo de avanço do mercado de trabalho. O cenário hoje não é favorável. A PME nos indica que a geração de emprego vem sendo suficiente para manter o emprego, não para ofertar mais oportunidades”, disse Azeredo.

A pesquisa indica ainda que o desemprego e as demissões aumentaram nos últimos meses. Nas seis principais regiões metropolitanas do país, o desemprego atingiu a margem de 6%, maior taxa desde abril de 2012. Na avaliação de Azeredo, a desaceleração na criação de novos empregos está ligada à baixa atividade econômica, que impede a criação de novos postos de trabalho.

A indústria foi o setor que mais demitiu entre maio e junho, deixando 120 mil trabalhadores desempregados. São Paulo foi a cidade mais atingida, com um total de 63 mil demissões.

Para Azeredo, os números registrados pela PME preocupam, já que neste período esperava-se um aumento na taxa de ocupação da indústria. “É um período em que se esperaria recuperação na ocupação da indústria. O contingente de ocupados na indústria caiu num período em que isso não era esperado”, disse o coordenador.

Fontes:
Valor-Cenário para mercado de trabalho é preocupante, afirma IBGE
Estadão-Desemprego tem leve alta e chega a 6% em junho, maior taxa desde abril de 2012

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *