Início » Brasil » Avaliação positiva do governo Bolsonaro é de 35%, diz pesquisa Ibope
PEQUISA

Avaliação positiva do governo Bolsonaro é de 35%, diz pesquisa Ibope

Pesquisa aponta que a avaliação negativa do governo Bolsonaro subiu 16 pontos percentuais desde janeiro

Avaliação positiva do governo Bolsonaro é de 35%, diz pesquisa Ibope
O Ibope entrevistou duas mil pessoas, entre os dias 12 e 15 de abril (Foto: Valter Campanato/ABr)

A avaliação positiva do governo de Jair Bolsonaro subiu de 34% para 35%, entre março e abril deste ano. É o que aponta uma pesquisa do Ibope divulgada nesta quarta-feira, 24, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A avaliação positiva é referente aos entrevistados pelo Ibope que afirmaram considerar o governo Bolsonaro “Ótimo” ou “Bom”.

Em contrapartida, a avaliação negativa – aqueles que responderam considerar o governo Bolsonaro “Ruim” ou “Péssimo” – também subiu, de 24%, em março, para atuais 27%. Já os que consideram o governo “Regular” caíram 34% para 31% no período.

O Ibope entrevistou duas mil pessoas, entre os dias 12 e 15 de abril. A confiança do levantamento é de 95%. A margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Desde janeiro o percentual de pessoas que afirmaram em pesquisas considerar o governo Bolsonaro “Ótimo” ou “Bom” (ou seja, a avaliação positiva) já caiu 14 pontos percentuais, indo de 49%, em janeiro, para os 35% atuais.

No mesmo período, o percentual dos que consideram o governo “Ruim” ou “Péssimo” (a avaliação negativa), subiu 16 pontos, indo de 11%, em janeiro, para os atuais 27%.

Pior avaliação entre presidentes

Comparado com governos anteriores, Bolsonaro tem a pior avaliação entre presidentes eleitos em início de mandato.

De acordo com pesquisas da CNI, no primeiro trimestre do primeiro mandato, a avaliação positiva de Dilma Rousseff era de 56%. Lula registrou no período 51% de avaliação positiva, enquanto Fernando Henrique Cardoso registrou 41% e Fernando Collor, 45%.

De acordo com a CNI, a avaliação negativa é relacionada à atividade econômica, que não está em rápida ascensão como era esperado pelos eleitores do presidente.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *