Início » Brasil » Avanço chinês já é visto como ameaça à hegemonia global dos EUA
POTÊNCIA EM ASCENSÃO

Avanço chinês já é visto como ameaça à hegemonia global dos EUA

Os ideais de democracia e economia liberal dos EUA pareciam destinados a se espalhar pelo globo. Mas a ascensão da China está mudando este cenário

Avanço chinês já é visto como ameaça à hegemonia global dos EUA
Presidente chinês, Xi Jinping, já anunciou um 'protagonismo inaudito de Pequim' (Foto: scmp)

Superada a Guerra Fria após o colapso da União Soviética, do fim dos anos 1980 em diante os Estados Unidos da América regeu solitário o concerto das nações.

A Europa cada vez mais se isola de conflitos e questões externas ao continente, de resto acompanhando o entendimento dos EUA nas questões mais fundamentais; o antigo “terceiro mundo”, sem mais ter no horizonte a opção socialista, se viu obrigado a integrar-se ao fluxo mundial de capitais, tornando-se “países em desenvolvimento”. E, assim, os ideais da democracia e economia liberais defendidos pelos EUA pareciam enfim destinados a se espalhar pelo globo.

A situação, contudo, está rapidamente mudando. A ascensão da China como o maior PIB do planeta, sua bem sucedida abertura à globalização, os portentosos investimentos em tecnologia e a vasta rede de influência montada pelo gigante asiático já são vistas por especialistas em relações internacionais e por autoridades dos EUA como sérias ameaças à hegemonia estadunidense e ao modelo de governo e de vida que os nossos vizinhos do norte ambicionam difundir.

“A China adora um vácuo”, escreveu, em texto publicado recentemente na Folha de S.Paulo, o doutor em ciência política pela universidade de Stanford Ian Bremmer. Na avaliação do articulista, há muito a China avança posições no palco mundial.

Recentemente, o país foi estratégico ao se aproveitar da pretensa neutralidade frente a conflitos armados buscada por Obama em seu segundo mandato no comando da Casa Branca. Tem mediado, entre outros, o embate latente entre as Coreias do Sul e do Norte, alcançando êxitos pontuais.

Trump, por sua vez, embora ostente um discurso duro contra os chineses que beira à xenofobia, foi também conveniente para Pequim: perseguidor de uma política isolacionista internacionalmente, e economicamente protecionista, o republicano tem deixado de lado velhos aliados dos EUA, abrindo espaço para a atuação chinesa, por exemplo, na América Latina e na Ásia.

Além disso, a abordagem da China ao se aproximar dos países em desenvolvimento é diversa da estadunidense. Enquanto os americanos costumam fazer exigências em troca de empréstimos e investimentos (no Brasil, por exemplo, a meta de superávit primário foi uma imposição do Fundo Monetário Internacional), os chineses não têm o hábito de interferir em políticas internas de seus parceiros.

Assim, conclui Bremmer, se o sistema chinês tem “poucos atrativos” para norte-americanos e europeus, para quase todos os outros países coloca-se como “uma alternativa plausível”, sobretudo para nações com menor tradição democrática.

Yánis Varoufákis, economista, membro do partido de renovação grega Syriza e que foi ministro das Finanças do país em 2015, é outro que enxerga a ampliação do poder econômico e político de Pequim. Ele, contudo, vai mais longe: o próprio Estados Unidos já é dependente dos chineses no plano econômico.

“O governo chinês aumentou os investimentos nacionais sem precedentes a fim de preencher a lacuna criada pela contração de gastos nos EUA e na Europa”, escreveu, em artigo publicado no site Outras Palavras.

Para o ex-ministro, os chineses são, desde a crise dos capitais de 2008, o principal avalizador do sistema capitalista mundial ao lado dos EUA. “De maneira resumida, a China entrou em cena para reequilibrar as contas do Ocidente quando os EUA já não podiam mais”.

Poderio chinês e investimentos no Brasil

Nem Trump nem Kim Jong-un: para especialistas ouvidos pelo jornal New York Times, a principal liderança mundial em 2017 foi Xi Jinping, o poderoso mandatário chinês.

Em seu tradicional discurso anual à cúpula do Partido Comunista, Xi evitou seu costumeiro tom discreto e afirmou que nas próximas décadas o mundo assistirá a um “protagonismo inaudito de Pequim”.

Entre as estratégias para tanto, o governo chinês tem investido pesado em projetos de infraestrutura. Um exemplo é a iniciativa “Um cinturão, uma estrada”, que pretende criar um canal de comércio marítimo no oceano Índico integrando 68 países. Somente neste projeto, a China gasta algo em torno de US$ 150 bilhões por ano.

Tamanhos investimentos, aliados a uma política externa cada vez mais incisiva, tem deixado acuados os diplomatas estadunidenses. Em um documento divulgado pela administração Trump, os EUA afirmaram que a China está “decidida a tornar as economias menos livres e menos justas, aumentar seu Exército, controlar a informação e reprimir suas sociedades para expandir sua influência”, acrescenta.

Seja como for, a luta por poder entre EUA e China tem trazido dividendos para o Brasil. País estratégico para os orientais em sua penetração na América Latina, os chineses já investiram mais de US$ 117 bilhões no Brasil recentemente, de acordo com o jornal Valor Econômico.

Os principais setores visados pelos chineses são o de energia, mineração e agronegócio.

E, novamente aproveitando-se do “vácuo” no setor de construção civil, desarticulado pela operação Lava Jato, a China já se prepara para gerir, entre outros, a construção da linha 6 do metrô de São Paulo – obra que era levada a cabo pela Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Lutero Renato disse:

    Este PIB da China e uma piada.Se não fossem as empresas principalmente americanas se estabelecerem la com impostos baixos e mao de obra barata, o povo chinês ainda estaria comendo arroz sem sal (se ainda existisse arroz). E não só americanas, mas do mundo inteiro, inclusive do Brasil.

  2. Francisco Taborda disse:

    Interessante!
    Quem viver verá a China ser a responsável por uma crise financeira de dimensões galácticas. A crise de 1929 vai parecer brincadeira de jardim da infância. O sistema financeiro-fiscal da China, simplesmente, não fica em pé. Não se sabe até quando o centralismo comunista será capaz de esconder a realidade e postergar o desastre. Não que a gastança republicana e “trumpiana” do EEUU mostre um caminho melhor.
    Sem dúvida, estamos vivendo um momento de esquema de Ponzi na maior parte das economias do globo. Isto não vai terminar bem.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *