Início » Brasil » Bailarinos negros dão piruetas em cima do racismo
TENDÊNCIAS E DEBATES

Bailarinos negros dão piruetas em cima do racismo

Paulo Melgaço, Bethânia Gomes e Ingrid Silva contam um pouco ao O&N sobre a presença do negro no balé clássico

Bailarinos negros dão piruetas em cima do racismo
A bailarina brasileira Ingrid Silva é solista do Dance Theatre of Harlem de Nova York (Foto: Omar Z. Robles)

No fim do mês passado, Misty Copeland ganhou fama ao ser promovida no American Ballet Theatre, uma das principais companhias de balé clássico dos EUA. Ela foi a primeira negra a alcançar o mais alto posto na companhia, o de primeira bailarina. Aqui no Brasil, apesar da escola de balé do Theatro Municipal ter começado em 1927, apenas em 2002 um bailarino negro pode fazer o papel principal em “Giselle”, quando Bruno Rocha dançou com Ana Botafogo. Mas afinal de contas, a presença do negro no balé clássico ainda é rara?

paulo2

Paulo Melgaço, professor da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa (Foto: Arquivo Pessoal)

Aqui no Brasil, em 1945, a bailarina Consuelo Rios não foi sequer aceita para fazer a audição para entrar na companhia por ser negra. Em 1948, Mercedes Baptista foi considerada a primeira negra a ingressar no corpo de baile (posto mais baixo na hierarquia do balé) do Theatro Municipal, mas ela não chegou a dançar balés clássicos, apenas nacionais. “A Mercedes vinha da escola [do Theatro Municipal] e a Consuelo fez como aluna de fora [de outra escola]. Como a escola de dança tinha uma aluna negra lá dentro, o Theatro Municipal não poderia impedir que ela fizesse prova. No caso da Consuelo, disseram para ela que as inscrições já estavam fechadas e aí ela não pôde fazer”, explica o professor Paulo Melgaço da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, a escola do Theatro Municipal.

Se Mercedes buscou novos caminhos para dança — ela é considerada a principal precursora da dança afro-brasileira –, Consuelo teve um importante papel na escola do Municipal.  Ela seguiu os conselhos de sua professora Anna Volkova, que disse: “não dê armas para seus inimigos. Se você não chegar a ser uma boa bailarina, será uma ótima professora”, segundo o livro “Mercedes Baptista – A Criação da Identidade Negra na Dança”, do próprio Paulo Melgaço. Consuelo começou a estudar e se tornou uma das principais professoras de balé clássico. “Ela foi professora de gerações de primeiras bailarinas e de bailarinas do Municipal e do exterior”, conta.

Ser negro no Brasil e nos EUA

Aos olhos de muitos brasileiros, Misty Copeland seria considerada apenas morena, mas nos Estados Unidos, não. O professor explica que há uma diferença básica entre ser negro no Brasil e nos Estados Unidos. Enquanto aqui no Brasil, o negro é associado a características físicas, como cor da pele e tipo de cabelo, nos Estados Unidos, ser negro é mais uma questão de descendência. “Nós temos bailarinas negras no Theatro Municipal, mas eu não sei até que ponto elas se consideram negras ou são consideradas negras”, afirma.

Bethânia Gomes, que já foi bailarina da companhia Dance Theatre of Harlem (DTH) de Nova York e que agora vai dar um curso lá, ressalta que a “febre Misty” traz consigo uma bagagem de muitas outras bailarinas negras que foram abrindo as portas para que Misty chegasse onde chegou. “Misty não é um fenômeno e sim o resultado de uma longa jornada, não só dela, mas de muitas de nós.”

Melgaço explica que o racismo existe no Brasil, e que não é uma questão exclusiva do balé. “Quantos negros foram protagonistas da novela das 21h? Quantos negros foram presidentes do Brasil? (…) E se a gente pensar específico em termos de balé, você vai chegar à conclusão de que o balé clássico ainda vive o modelo europeu.” Ou seja, com bailarinas que tem o biotipo europeu. “A situação do bailarino negro no Brasil não é nem um pouco diferente da de qualquer profissional ou estudante negro no país. Ele sempre passa por preconceito sim, mas seu talento pode sucumbir ao preconceito por um tempo. Sinto o mesmo em relação ao bailarino clássico negro no exterior. A questão é que o balé é uma arte elitista e se diz de origem totalmente europeia. Tenho as minhas dúvidas quanto a isso para ser sincera”, diz Bethânia.

O Brasil oferece poucas oportunidades para os talentos nacionais, segundo Melgaço. “Nós estamos ‘perdendo’ uma série de talentos para o exterior, porque o exterior oferece mais oportunidades de trabalho dentro do balé clássico… Isso de uma forma geral.” Neste aspecto, Bethânia tem uma opinião semelhante. “As oportunidades para os bailarinos negros sempre foram melhores no exterior. Não há muitas oportunidades no Brasil para os bailarinos em geral… Imagina para os negros. Eu e minha geração fomos quase todos para fora do país. Esta nova geração prova que nada mudou”, afirma.

O modelo como as diferenças raciais foram construídas no Brasil acabou sendo naturalizado, então os brasileiros acabaram por não questionar isso, ao contrário dos americanos, segundo explica o professor. “Tanto que Arthur Mitchell, que foi o primeiro negro a ter uma grande oportunidade [no balé] nos EUA, precisou fundar sua própria companhia de balé clássico.”

Brasileiras em Nova York

Bethania Gomes 2

Bethânia Gomes, bailarina brasileira que vai ministrar um curso no DTH (Foto: Nadya Jacobs)

E foi justamente nesta companhia que Bethânia Gomes teve sua oportunidade. Ela começou a dançar balé aos nove anos por conta de problemas ortopédicos, mas não gostava, e se sentia acuada por ser a única menina negra na turma. Mas tudo mudou quando sua mãe, que era ativista do movimento negro, mostrou uma revista americana com fotos dos bailarinos do DTH. Desde então ela quis ser bailarina da companhia. Aos 13, ela entrou para a escola de dança do Theatro Municipal, no mesmo ano em que a companhia do DTH foi ao Brasil. Uma de suas professoras a levou pra fazer uma master class com a companhia e foi quando conheceu pessoalmente Arthur Mitchell. Ela teve uma breve passagem no balé do Municipal, onde, segundo ela, passou pela primeira e mais árdua experiência de racismo. No ano seguinte, foi viajar durante duas semanas para os EUA com um grupo de colegas e com uma de suas professoras, mas acabou ficando por lá. Foi atrás da DTH, fez uma audição para a escola e passou. Um ano e meio depois, ela e a companhia dançaram para Nelson Mandela durante uma turnê pela África do Sul. Ela inclusive chegou a ser primeira bailarina da DTH. “Hoje estou retornando aos EUA depois de oito anos no Brasil em diferentes projetos de dança, incluindo o que fiz na comunidade Chapéu Mangueira – Babilônia, e é o segundo ano que estou dando aula no programa de verão do DTH. Acho que realizei muitos sonhos. Mas muitos estão por vir. Sou um cisne negro feliz.”

ingriddundergroundnyc

Ingrid Silva, bailarina brasileira que é solista do DTH (Foto: Underground NYC)

Outra bailarina negra brasileira que está tendo sua oportunidade no DTH é Ingrid Silva, também ex-aluna da escola do Theatro Municipal.  Hoje, aos 26 anos, ela é solista do DTH, mas seu contato com o balé é de longa data. A antiga moradora de Benfica deu seus primeiros passos no balé no projeto de Thereza Aguilar, Dançando Para Não Dançar (DPND), na comunidade da Mangueira, aos oito anos. Depois, ela conseguiu ingressar na Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, e no Centro de Movimento Deborah Colker com bolsas de estudo, além de fazer estágio no Grupo Corpo por meio do projeto DPND. Na época, umas das solistas do DTH veio dar aula no projeto e conversou com Thereza sobre a possibilidade de Ingrid fazer uma audição em Nova York para a escola da companhia. Em 2007, Thereza a acompanhou até Nova York para audição, e Ingrid conseguiu uma bolsa para o curso.

Em 2008, ela foi para os Estados Unidos sozinha e ficou na escola por três meses, depois entrou na companhia jovem e agora está na grande companhia. Para Ingrid, foi um grande desafio ir para Nova York sem a família e sem falar inglês, além de ter dificuldades para se acostumar com o clima.

“Não acredito que o racismo possa interferir no mundo da dança. O balé não tem etnia, a dança é pra todos!”, diz Ingrid. Bethânia, por sua vez, deixa sua mensagem para os bailarinos negros iniciantes: “antes de mais nada, acreditem em vocês mesmos como seres humanos, que estão ali pra fazer o que amam, porque, como dizem, o amor não tem cor. Que tenham humildade no coração, mas não baixem a cabeça. E que vejam o racismo como um desafio, e não algo que os derrotem. E que façam muitas piruetas em cima do racismo. Até ele sumir”.

Caro leitor,

O que o Brasil pode fazer para ficar com seus talentos do balé clássico? E como acabar com a discriminação nos grandes palcos?

4 Opiniões

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    Respondendo às duas perguntas colocadas ao leitor:
    O que o Brasil pode fazer para ficar com seus talentos do balé clássico?
    Francamente, nada! No Brasil, balé é uma expressão cultural da elite, e não do povo em geral. Além disso, no caso do balé clássico, as peças encenadas ainda são aquelas mesmas de sempre da tradição europeia (“Gisele”, “O Lago dos Cisnes”, etc) e aí é como a escalação de elenco para uma peça teatral ou um filme: não se escolhe um artista de certa etnia para o papel de uma personagem de outra etnia (a não ser que a produção do espetáculo queira ‘causar’…!). De resto, sejamos objetivos e francos: com todo o respeito aos artistas negros da dança no Brasil, mas nosso país tem problemas muitíssimo mais graves a resolver do que dar oportunidades aos negros no balé clássico…! Desculpem-me a rudeza do comentário, mas é o que penso!

    E como acabar com a discriminação nos grandes palcos?
    A discriminação racial nos palcos é apenas a continuidade da atitude hipócrita da sociedade brasileira, que arrota ‘igualdade racial’ mas que, no fundo, ainda tem os mesmos valores do tempo da escravidão, de “Casa Grande e Senzala”. Estamos acostumados a ver as pessoas negras como ocupantes dos estratos sociais inferiores e, desse pensamento, muitos não saem (ou nem querem sair!). A discriminação racial só acabará quando houver total igualdade de oportunidades para todos os estratos sociais, ou seja, educação pública de qualidade, proporcionando assim melhores condições profissionais e mais cultura em geral! Aí sim, as ‘barreiras étnicas’ irão, pouco a pouco, se desfazendo, até que não haja mais qualquer estranheza em ver-se negros (ou índios, ou qualquer outra etnia em situação de prejuízo social hoje) desempenhando qualquer atividade, hoje ‘restrita’ à elite.

  2. Joaquim Caldas disse:

    O orgasmo não tem cor,raça ou religião.E é para todos.

  3. Ludwig Von Drake disse:

    As dificuldades que os negros passam, tem raízes milenares e históricas que não podem ser rotuladas de racismo, que é uma construção teórica do século passado, e não tem nada a ver com o ballet.

  4. Áureo Ramos de Souza disse:

    Eu gostaria de saber o porque deste racismo. Também gostaria que algum branco respondesse qual a diferença entre o Branco e o Negro, o que um tem o outro tem e existe negros e negras muito mais bonitos que muitos brancos. As vezes o negro pode não ser bonito mas tem uma inteligência de dá inveja exemplo Joaquim Barbosa.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *