Início » Brasil » Baixa popularidade de Dilma não beneficia oponentes
Eleições 2014

Baixa popularidade de Dilma não beneficia oponentes

Pesquisas mostram que adversários de Dilma não registraram aumento significativo na intenção de votos

Baixa popularidade de Dilma não beneficia oponentes
Apesar da queda de popularidade, presidente ainda é a favorita nas pesquisas (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Poucos meses atrás, o governo de Dilma Rousseff era apontado como um dos mais populares do mundo democrático. Com 63% de aprovação, a presidente seguia calmamente rumo à reeleição. Mas uma pesquisa do Ibope publicada este mês mostra que esse cenário mudou. Com a explosão dos protestos de rua, a confiança no governo de Dilma caiu para 42%. Mas, apesar disso, os oponentes de Dilma não têm muito a comemorar. Segundo uma pesquisa feita pelo Datafolha em junho, a queda de popularidade do governo não beneficiou os principais adversários da presidente em termos de intenção de voto.

De acordo com o Datafolha, a quantidade de eleitores que votarão em Aécio Neves (PSDB) subiu apenas 3% em junho. Principal candidato da oposição, Aécio está envolvido em rixas internas de seu partido, como a disputa com José Serra pela candidatura à presidência em 2014, além de acusações de cartel e irregularidades envolvendo o PSDB em São Paulo. Isso contribuiu para enfraquecer a imagem de Aécio. Eduardo Campos (PSB), atual governador de Pernambuco e ex-aliado do governo, teve um aumento ainda mais insignificante no mesmo período, passando de 6% para 7% .

A única beneficiada pelos protestos foi Marina Silva, que ainda luta para cumprir todas as formalidades exigidas para registrar seu novo partido, Rede de Sustentabilidade, em tempo para participar das eleições. Marina subiu de 16% para 23% das intenções de voto. De acordo com o Ibope, Dilma venceria Marina por uma estreita margem de vantagem caso disputassem o segundo turno das eleições. Porém, mesmo que entre na disputa, o partido de Marina terá muito pouco tempo de propaganda eleitoral.

Segundo o analista político Murillo de Aragão, a grande coalizão formada pelo governo Dilma ainda é o principal trunfo que mantém a presidente à frente nas pesquisas. “Os protestos dificultaram o governo da presidente, mas ela continua sendo a favorita nas pesquisas”, diz Aragão. Por enquanto, Dilma deve respirar aliviada porque, pelo menos por enquanto, os problemas de seus adversários ainda são muito maiores que os seus.

Fontes:
The Economist-Own goals

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. GENTIL LINS DE ARAUJO disse:

    PELAS PESQUISAS PODEMOS ENTENDER QUE O POVO PENSA: “RUIM COM ELA, PIOR SEM ELA”

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *