Início » Brasil » Baixo custo da energia nos EUA afeta indústrias brasileiras
Gás de xisto americano

Baixo custo da energia nos EUA afeta indústrias brasileiras

Gás de xisto dos EUA passa a custar 20% do gás natural brasileiro e afeta a competitividade das indústrias brasileiras

Baixo custo da energia nos EUA afeta indústrias brasileiras
Grandes multinacionais paralisaram investimentos de bilhões de dólares no Brasil (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A exploração do gás de xisto nos Estados Unidos vem fazendo as indústrias brasileiras perderem bilhões de dólares em investimentos.

Leia mais: Obama apoia aumento das exportações de gás nos EUA

Leia mais: Independência energética dos EUA é uma ideia ingênua, diz ministro saudita

Atualmente, o gás de xisto americano custa 20% do gás natural brasileiro. A forte concorrência vem fazendo empresas de cerâmica, vidro, petroquímica e química perderem competitividade no mercado. “Uma fatia importante do setor está com forno desligado. Estamos perdendo competitividade. O risco é a produção nacional ser substituída pela importada”, diz Antonio Carlos Kieling, superintendente da Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos (Anfacer).

O setor químico e petroquímico também sentem os efeitos da perda de competitividade. Algumas empresas do setor decidiram paralisar planos de investimento de bilhões de dólares no país. A multinacional de vidros AGC, por exemplo, vem dando preferência às suas unidades localizadas nos Estados Unidos, Emirados Árabes, Arábia Saudita e Egito. “Com certeza, o preço do gás tornou a decisão de investir no Brasil muito mais difícil”, diz Davide Cappellino, CEO da empresa.

Nos últimos cinco anos, os Estados Unidos promoveram uma revolução energética ao investir na técnica de fraturamento terrestre em formações de xisto. A disseminação da técnica fez o país passar de grande importador de gás para potencial exportador em um curto período de tempo. Hoje, o preço do gás brasileiro está cinco vezes mais caro que o americano.

Fontes:
Estadão-Energia barata nos EUA já afeta indústrias no Brasil

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Carlos U. Pozzobon disse:

    A descoberto do poço de Urucu, no centro da amazônio nos anos 80, com reservas trilhonárias de gás, abriu a perspectiva para o Brasil ter gás natural barato e abundante para alguns séculos. Mas não tinha escoamento. Um gasoduto deveria ser construído, porém o poço foi abandonado e o gás ficou queimando por vinte anos até a Bolívia desapropriar as instalações da Petrobrás. Naquele momento, a obra foi retomada, mas não sei o que está sendo feito com este gás. O maior erro do governo foi deixar a política do gás com a Petrobrás.

  2. Daniel disse:

    Esta técnica de Fraturamento é uma loucura. Ninguém parece saber ao certo os danos inerentes a mesma.
    Será que vale a pena? Há relatos de contaminação do subsolo causada por esta técnica, além de outros tantos problemas.
    Na minha opinião, deveríamos investir muito mais em pesquisas e outras fontes de energia.

  3. Sandro \l B disse:

    A Petrobras já está falida, iremos ver isso mais adiante

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *