Início » Opinião » Artigos » Barril de pólvora
COLUNA ESPLANADA

Barril de pólvora

O abandono e a ingerência nas cadeias brasileiras foram constatados pelo Tribunal de Contas da União e 22 tribunais de contas regionais

Barril de pólvora
Mais de 60% dos presídios do Brasil 'enfrentaram nos últimos dois anos algum tipo de rebelião' (Foto: Pixabay)

Um ano depois de lançado com alarde pelo presidente Michel Temer e o então ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, o plano nacional de segurança se soma a outros fiascos do governo. As medidas foram apresentadas em meio à maior crise no sistema prisional após rebeliões e centenas de mortes em presídios do Amazonas, Roraima e Rio Grande do Norte. O abandono e a ingerência nas cadeias brasileiras foram constatados pelo pente-fino feito pelo Tribunal de Contas da União e 22 tribunais de contas regionais. A auditoria apontou “deficiências” em repasses do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), falta de informações confiáveis acerca dos detentos e “indicativos de falhas na fiscalização exercida pelo Ministério Público”.

Rebeliões

O raio-x do TCU e tribunais regionais também mostrou que mais de 60% dos presídios do Brasil “enfrentaram nos últimos dois anos algum tipo de rebelião” e “78% dos casos de rebelião se deram em presídios com excesso de lotação”.

Medo  

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffman (PR), chama de “inacreditável” o pedido do prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), para que o Exército e a Força Nacional reforcem a segurança no dia do julgamento do ex-presidente Lula: “É muito medo do povo”.

Despachos internos

O Planalto permanece com dificuldades em atualizar a agenda oficial do presidente Temer, criticado após encontros não divulgados com Joesley Batista, Gilmar Mendes e Raquel Dodge. Na terça-feira, por exemplo, constavam apenas “despachos internos”.

Delay

Quatro horas depois, no entanto, veio a atualização de que, pela manhã, o peemedebista se reunira com o núcleo duro do governo – Padilha, Moreira e Marun -, além dos ex-ministros do Trabalho, Ronaldo Nogueira, e da Indústria e Comércio, Marcos Pereira.

Cotado

Nos corredores do Planalto, ventila-se o nome do presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Guilherme Afif Domingos, para assumir o Ministério da Indústria e Comércio Exterior no lugar de Marcos Pereira, do PRB. Em troca, o partido indicaria o substituto de Afif para comandar o SEBRAE.

Ex de Dilma

Guilherme Afif tem boa relação com Temer e foi ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa no governo Dilma Rousseff.

Folga

A ministra Luislinda Valois, que causou polêmica ao comparar seu batente à frente da pasta de Direitos Humanos ao trabalho escravo, vai repousar: sem partido, ela vai tirar 15 dias de férias a partir do dia 7.

Frequência “laranja”

O Ministério Público está de olho no uso político e fraudes envolvendo rádios comunitárias. Processou a ex-prefeita de Monte das Gameleiras (RN), Edna Regia, e o irmão dela, Edson Ricardo, por fraude na criação de uma associação para abrir a emissora FM Gameleiras em nome de “laranjas”.

Repúdio

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos enviou carta ao presidente Michel Temer e à direção da Embraer em tom de “repúdio” a qualquer tipo de transação que represente a transferência de controle acionário da empresa para a norte-americana Boeing. A empresa emprega 12 mil pessoas em sua sede, em São José dos Campos. No Brasil, são 16 mil.

Afronta

“A venda para a Boeing será uma afronta”, diz o vice-presidente do Sindicato, Herbert Claros, ao anunciar o início de uma campanha de conscientização sobre “a importância de reestatização da Embraer”.

De volta

Coordenado pelo médico Francesco Mazzarone, o serviço de cirurgia plástica da Santa Casa de Misericórdia – fundado por Ivo Pitanguy -, será reaberto ao público dia 8, após recesso acadêmico.

Ponto Final

“Não há política séria de segurança sem discussão da alteração da lógica das unidades prisionais como masmorras medievais”

 Do deputado Glauber Braga (Psol-RJ)

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. carlos alberto martins disse:

    e viva a ditadura-democrática-carnavalesca,pelo visto os reis momos,continuam divertindo a nação tupiniquim.é,Rui Barbosa tinha razão.2018 é nada mais que uma cópia de 2017,de um lado os patifes políticos de sempre,do outro o povo rindo feliz da miséria que está passando.começou o québra devido o aumento das passagens de onibus.eta povo burro.porque não vão quebrar a assembleia legislativa,o congresso.e.o senado.não quebrem o transporte que voces tanto necessitam para ir trabalhar,afinal o coletivo não tem nenhuma culpa.

  2. Beraldo disse:

    Se o governo estabelecido pós impeachment juridicamente perfeito, fosse composto de políticos honestos fichas limpas, este julgamento do recurso do Lula no próximo dia 24, não estaria causando nenhum rebuliço.

    Ocorre que os caras são todos ladrões, a começar pelo próprio Temer.

    A propósito, notícia em telejornal matutino, acaba de informar que o governo pretende enviar ao congresso, uma PEC extinguindo o crime de responsabilidade fiscal, aquele mesmo que gerou o impeachment juridicamente perfeito.

    Tácito reconhecimento dos bandidos de plantão no Palácio do Planalto, de que foi perpetrado um golpe contra o PT no poder.

    Não custa relembrar, mesmo porque vale a pena ver de novo:

    “Isto tem de continuar…”

    “Rocha Loures é da minha estrita confiança…”

    O autor está impune e os delatores presos.

    k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k k

  3. Moura disse:

    A limitada e nervosinha presidente do PT confunde o cenário: não existe em Porto Alegre “medo do povo”, mas sim, receio das reações dos fanáticos integrantes fundamentalistas da “seita petista”, que vão tentar defender a qualquer custo, principalmente patrocinados pelo próprio partido, a figura messiânica, amoral e decadente da “pretensa divindade” (palavras do homem de confiança dele – Palocci), atualmente envolvida em várias denúncias de corrupção (incluindo processos na Justiça).

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *