Início » Brasil » Bienal rejeita ordem de Crivella para recolher livro com cena gay
RIO DE JANEIRO

Bienal rejeita ordem de Crivella para recolher livro com cena gay

Após a recusa, na tarde desta sexta-feira, 6, prefeito enviou fiscais para supervisionar conteúdo das obras

Bienal rejeita ordem de Crivella para recolher livro com cena gay
Após a polêmica, livro se esgotou nesta sexta-feira, 6, em poucas horas (Foto: Twitter/Talita Victor)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A organização da Bienal do Livro do Rio de Janeiro rejeitou uma determinação do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, para recolhimento de um livro que traz a cena de um beijo gay. A solicitação havia sido feita na noite da última quinta-feira, 5.

Pelas redes sociais, Crivella publicou um vídeo revelando que foi pedido aos organizadores do evento o recolhimento ou o lacre de um livro de histórias em quadrinho (HQ) da Marvel – especializada em contos de super-heróis. A HQ mostra um casal gay de heróis e contém uma cena de beijo entre os dois.

“A Prefeitura do Rio de Janeiro determinou que os organizadores da Bienal, lá no Riocentro, recolhessem esse livro que você está vendo aí [Vingadores – A Cruzada das Crianças], que já foi denunciado inclusive na internet, que traz conteúdo sexual para menores. Livros assim precisam estar embalados em plástico preto lacrado e, do lado de fora, avisando o conteúdo. Portanto, a Prefeitura do Rio de Janeiro está protegendo os menores da nossa cidade”, afirmou Crivella.

Através de uma nota, a organização da Bienal do Livro afirmou que não recolheria e nem lacraria o livro apontado por Crivella. Os organizadores ainda esclareceram que, caso um consumidor adquira uma obra que não agrade, ele pode solicitar a troca do produto, conforme previsto no Código de Defesa do Consumidor.

“Este é um festival plural, onde todos são bem-vindos e estão representados. Inclusive, no próximo fim de semana, a Bienal do Livro terá três painéis para debater a literatura Trans e LGBTQA+”, afirmou a organização.

Na manhã desta sexta-feira, 6, todas as HQs de Vingadores – A Cruzada das Crianças foram vendidas em pouco mais de meia hora de evento. Segundo os organizadores, às 9h39 todos os pontos em que o livro era vendido já tinham esgotado o estoque.

Porém, à tarde, Crivella enviou fiscais da Secretaria de Ordem Pública do Rio de Janeiro para inspecionar os livros presentes no evento. Segundo a secretaria, o objetivo era identificar e lacrar livros “impróprios”, sem especificar quais produtos seriam esses.

“Se ele [o livro] não estiver seguindo as recomendações de estar lacrado e com a orientação quanto ao conteúdo, nós vamos apreender esse material”, afirmou o subsecretário de operações da prefeitura, coronel Wolney Dias.

Segundo a prefeitura, o objetivo era apenas cumprir o Estatuto da Infância e do Adolescente (ECA). No entanto, a presidente da Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente da OAB-RJ, Silvana Monte Moreira, destacou que a prefeitura não tem poder de busca e apreensão.

“Este poder é, estritamente, do Judiciário. Desde 2011, a família homoafetiva é reconhecida. Nós sabemos disso, foi amplamente divulgado. Em 2019, a homofobia tornou-se crime, equiparado ao racismo”, destacou em entrevista ao G1.

Na Câmara e nas mídias sociais

Na última quarta-feira, 4, o vereador do Rio de Janeiro Alexandre Isquierdo (DEM) já havia denunciado o livro no plenário da Câmara Municipal. O vereador compartilhou o seu pronunciamento pelas redes sociais, classificando a venda do livro como “um crime absurdo”.

“Gostaria da atenção dos senhores sobre um absurdo de um livro que está sendo vendido, comercializado, na Bienal do Livro, aqui no Rio de Janeiro. […] E aí o autor, que é assumidamente gay, coloca dois super-heróis se beijando e tendo relação homossexual. Não dá para admitir covardia contra as nossas crianças. Propagação, divulgação homossexual para as crianças e os pais estão comprando achando que é um livro infantil”, afirmou o vereador.

Em grupos do WhatsApp também foram feitas denúncias contra a HQ dos Vigadores e sobre o livro “As Gêmeas Marotas”. O texto diz que os produtos, que são aparentemente feitos para crianças, estariam ensinando práticas homossexuais e seriam encontrados na Bienal do Livro.

No entanto, segundo o portal e-farsas, especializado em desmistificar fake news, revelou que “As Gêmeas Marotas” não está sendo vendido na Bienal, enquanto “Vingadores – A Cruzada das Crianças” não é direcionado para o público infantil.

Pelas redes sociais, milhares de pessoas acusaram o prefeito Marcelo Crivella de censura. Alguns internautas chegaram a relembrar o episódio da queima de livros em fogueiras nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. O vereador Tarcísio Motta (Psol-RJ) reforçou as críticas sobre a censura, levantando a hashtag “#CensuraNuncaMais”.

“Mais convencido sobre o seu próprio poder que vilão da Marvel, [Crivella] achou que poderia censurar a Bienal na canetada. A organização segue firme. Em nota, afirmou que ‘dá voz a todos os públicos, sem distinção, como uma democracia deve ser’. E aproveitou para convidar para três painéis para debater a literatura Trans e LGBTQA+ no próximo fim de semana”, escreveu Motta.

Leia também: Insegurança obriga Feira do Livro a cancelar presença de Miriam Leitão

Fontes:
G1-Livro que Crivella mandou recolher se esgota na Bienal do Livro do Rio
O Globo-Crivella manda recolher HQ dos Vingadores com beijo gay; Bienal se recusa
Folha de São Paulo-Marcelo Crivella manda censurar HQ dos Vingadores na Bienal do Livro, no Rio

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Rogerio Faria disse:

    As vezes somos surpreendidos com ações como esta, o pseudomoralismo tupiniquim.
    Enquanto isso, no Rio, crianças vendem bugigangas nos sinais de trânsito, evasão escolar aumenta dramaticamente, jovens morrem vítimas de bala perdida, mulheres grávidas esperam atendimento nos hospitais municipais, CAPS e Clínicas da Família vivem na penúria…
    Isso é censura mesmo. O Nazismo começou assim a governar na Alemanha, queimando livros considerados “subversivos”.

  2. Fabiana disse:

    Livros com apelo sexual não devem conter no título e nem no design da capa algo que aluda a crianças! Os pais podem se confundir e comprar achando que o livro é para o público infantil quando está longe de o ser…

  3. ROBSON disse:

    EU APOIO O PREFEITO ,ESSE NEGOCIO DE TRAZER ESSA PUT**** PRA NOSSAS CRIANÇAS DEVE ACABAR .

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *