Início » Brasil » Black bloc: a salvação do governo
Protestos

Black bloc: a salvação do governo

Vândalos mascarados são mais uma ajuda para os governos do que para o povo

Black bloc: a salvação do governo
O saldo das manifestações de junho é a população amedrontada, manifestações pacíficas interditadas e projetos de leis ditatoriais (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os black blocs e mascarados em geral foram mais eficazes na salvação dos governos corruptos e incompetentes (que estavam apavorados em junho com a pressão do povo na rua) do que todas as forças policiais e militares do país.

Além de responsabilizar autores, patrocinadores e mentores do assassinato do cinegrafista Santiago Andrade, é preciso também responsabilizá-los por expulsar o povo da rua, pelo socorro aos governos que estavam acuados pelas manifestações pacíficas, que estavam sendo escorraçados pelas multidões.

O luto desses dias terríveis que vivemos não é somente por Santiago. É também pelos dois jovens pobres, Caio Silva de Souza e Fábio Raposo, que confessaram o assassinato, selando um destino terrível para suas vidas.

Temos motivos para suspeitar, porém, que os patrocinadores e mentores não sofrerão o castigo merecido. São políticos e governantes inescrupulosos, aparelhados no estado, com poder e dinheiro de sobra, acobertados protegidos pela moral de intelectuais sem cérebro, que preconizam a violência pela causa sagrada da revolução salvadora.

Estão agora empenhados em espalhar na sociedade o seu relativismo sórdido: “a política também mata”, “a imprensa burguesa exagera”, “a causa é justa”, “toda guerra tem mesmo seus mortos”, “vale tudo pela revolução”, “a culpa é da Bandeirantes que não deu um capacete para Santiago”.

Desqualificam o advogado que trouxe a acusação aos fomentadores e financiadores das manifestações violentas.

Criticam a atuação dos policiais que investigam o assassinato e a cobertura da imprensa.

Nenhum gesto ou palavra para cobrar investigações limpas sobre a denúncia do advogado, para que sejam confirmadas ou não.

Nenhuma autocrítica pelo fomento à violência. Nenhum arrependimento. Nada de vergonha e de desculpas à sociedade.

Ao contrário: insistem no mantra do ódio aos jornalistas e ao controle da mídia. Não é à toa: Donadon e os mensaleiros só estão na cadeia porque os seus crimes foram esfregados na cara da sociedade pela imprensa.

Além de mortos, mutilados e feridos, o saldo da violência política introduzida no Brasil desde junho é o seguinte: a população amedrontada, manifestações pacíficas interditadas, governantes salvos, deputados e senadores aliviados, endurecimento da repressão, projetos de lei ditatoriais para institucionalizar o controle político sobre a sociedade.

Desse jeito os iluminados salvadores do povo vão garantir também a Copa da Fifa sem protestos.

 

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Jorge Christian Rodrigues Cunha disse:

    Em 2 013, quando o Instituto Royal, em São Paulo, foi invadido por arruaceiros, os invasores tentaram se justificar se dizendo “ativistas”. Alegaram que os cães, “resgatados” na ação, sofriam maus tratos – mas p’ra isso existe Ministério Público. O que se viu foi um verdadeiro passeio pelo Código Penal: invasão, depredação, furto (de computadores, documentos e animais), formação de quadrilha, etc., etc. Chegamos a uma época em que tudo é justificado pelo ativismo. Se é ativismo, está certo. Na ocasião, a polícia não reprimiu os vândalos (por que eram de classe média?); os mesmos não foram levados ao tribunal nem à cadeia; as autoridades públicas ou não condenaram o fato, ou o fizeram timidamente. Esse espetáculo de impunidade não poderia ter outro resultado: atiçar a sanha de gangues que, se sentindo amparadas no que consideram politicamente correto, se permitem fazer tudo, até matar. Vamos ver se, com a morte desse trabalhador de imprensa, alguém acorda e faz alguma coisa.

  2. helo disse:

    Concordo com Tojal e com o leitor Rodrigues da Cunha. Segundo Demétrio Magnoli entre as razões da morte de Santiago está a transigência com a violência “justa”. Segundo ele a morte ocorreu porque demos mais ouvidos ao ministro Gilberto Carvalho, engajado em dar justificativas para o fenômeno, do que ao PM, espancado por vândalos em SP.
    O governo penso que perdeu nesse assunto. Perdeu também com seu programa Mais Médicos com a turma cubana que começa a protestar e migrar para Miami onde trabalharão como auxilares de enfermagem. Já imaginou se tivessem feito o revalida? Se houver transparência, fiscalização e cobertura dos heróis da imprensa, o PT terá que mudar o seu candidato em SP.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *