Início » Brasil » Bolsonaro abre mão de liderança ao se engajar em pautas duvidosas
AGENDA DE GOVERNO

Bolsonaro abre mão de liderança ao se engajar em pautas duvidosas

Fim da tomada de três pinos e afrouxamento das leis de trânsito são defendidos pelo presidente, enquanto desemprego sobe e economia vacila

Bolsonaro abre mão de liderança ao se engajar em pautas duvidosas
Governo perde protagonismo quando abraça pautas de alcance reduzido (Foto: Valter Campanato/ABr)

Jair Bolsonaro deveria “se preocupar com coisas mais importantes”, e seu engajamento em pautas carregadas de ranço ideológico faz do dia a dia do governo “um show de besteiras”.

Estas afirmações não foram feitas por Fernando Haddad, candidato derrotado do PT à Presidência, Marcelo Freixo, deputado federal pelo PSOL, ou Flávio Dino, governador comunista do Maranhão. São avaliações de Carlos Moisés, correligionário do presidente da República no PSL e governador de Santa Catrina eleito na onda conservadora, e do general da reserva do Exército e ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo de Bolsonaro, Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Os dois não tratavam de casos específicos, mas é fácil intuir do que estavam falando: recentemente, por exemplo, o presidente veio a público defender o fim da cobrança das taxas de visitação à ilha de Fernando de Noronha, contrariando a opinião de operadores do turismo e ambientalistas da região; também por determinação sua, os passaportes brasileiros substituíram os termos “genitor” por “pai” e “mãe”, com o intuito declarado de “combater a ideologia de gênero”.

Para a repórter Luciana Amaral, do UoL, o empenho de Bolsonaro em temas de importância duvidosa é tamanho que o faz merecer o apelido de “presidente de pequenas causas”.

E cita alguns outros casos: a interferência direta de Bolsonaro em um comercial do Banco do Brasil que, visando o público jovem, apresentava atores e atrizes descoladas; um projeto de lei por ele apresentado pessoalmente à Câmara que propõe o fim da multa para motoristas com crianças fora da cadeirinha; a preparação de uma norma para acabar com a obrigatoriedade da tomada de três pinos, tornada padrão no governo Lula por ser mais segura, de acordo com relatórios técnicos, à qual o presidente se refere como “tomada do PT”; e, entre tantos outros exemplos, as ofensas homofóbicas ao turismo LGBT: “O Brasil não pode ser um país do turismo gay”, disse o presidente à imprensa, e completou: “quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade”.

“Como o governo realiza pouco em políticas públicas e medidas para beneficiar a economia, precisa alimentar sua base eleitoral com outras entregas, muitas no terreno simbólico ou imaginário”, analisa o professor de Arquitetura da UFMG Roberto Andrés, em artigo publicado na revista Piauí, no mês de julho. “Essas entregas buscam propiciar um pequeno gozo via tela de celular e devem ser entremeadas por novos fantasmas a serem combatidos. Assim se obtém a sensação de que algo está sendo feito, mas que a tarefa é ainda muito maior”, conclui.

Para o economista Maílson de Nóbrega, ministro da Fazenda entre 1988 e 1990, ao “se ocupar cotidianamente de temas irrelevantes” Bolsonaro abre mão “do papel reservado ao chefe do governo no presidencialismo brasileiro”: liderar o jogo político.

Em artigo publicado no jornal Globo, o ex-ministro prossegue, avaliando que certas falas e anúncios do nosso governante se dariam pela fraqueza técnica da Casa Civil – que teve mais de 30% de seus funcionários demitidos para, segundo o ministro Onyx Lorenzoni, “despetizar” a pasta:

“Bolsonaro parece não dispor de filtros que o protejam de ações equivocadas, como as de atos flagrantemente inconstitucionais, rejeitados pelo Supremo Tribunal Federal e pelo Congresso”. Em tom de aviso, termina Nóbrega: “um governo minoritário [no congresso] e sem filtros eficazes é propenso a derrotas, ao fracasso na gestão e, no limite, à interrupção do mandato”.

Carlos Moisés (PSL), governador de Santa Catarina, concorda que o governo perde protagonismo quando abraça pautas de alcance reduzido – papel que caberia a vereadores e deputados, não ao líder do Executivo.

“As pautas de um estadista têm de ser aquelas que atendam à grande maioria das demandas por ações do Estado. Pauta de governo é pauta relevante”, disse, em entrevista ao Estado de S. Paulo.

Como exemplo, o governador catarinense tratou da defesa aguerrida que Bolsonaro faz do ensino residencial – o chamado “homeschooling“:

“É visível que esse não é um programa de governo para a Educação. Não sou contra homeschooling, mas não entendo que deva ser a bandeira de um chefe de Poder. O grande problema da educação brasileira não é essa pequena parcela que quer educar os filhos em casa, são as escolas sem laboratório, tecnologia e internet, com os telhados caindo, são as crianças em estado de vulnerabilidade que não conseguem chegar à aula, é a falta de transporte público e de estrutura rodoviária”, disse.

Antônio Delfim Netto, economista que foi chefe da Fazenda no período de que Bolsonaro mais sente saudades – a ditadura militar -, opina que o “voluntarismo [do Presidente] para implementar ideias duvidosas, sistematicamente rejeitadas por pesquisas empíricas bem conduzidas” tem, porém, um método.

Bolsonaro estaria jogando para sua base de apoio mais convicta – setores  reacionários da agroindústria, alas mais conservadoras das religiões neopetencostais, motoristas fartos de serem multados, antifeministas, etc – e buscando se fiar nela para pressionar um Congresso onde ele foi incapaz de formar maioria.

Evidentemente, como lembra Roberto Andrés em seu já citado artigo na Piauí, a estratégia do presidente terá um limite caso os aspectos mais concretos da vida da população – emprego, renda e serviços públicos – permaneçam tal como estão: “Em algum momento as pessoas podem começar a perceber que suas vidas não mudaram muito fora do WhatsApp”.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Rogério Freitas disse:

    Percebo em meu entorno o arrependimento de alguns dos eleitores desse frágil governo.
    Deviam ter se informado mais.

  2. Marcio Carvalho disse:

    Governo de um idiota que fez outros milhões de idiotas acreditarem em uma solução mágica oferecida por quem jamais demonstrou a menor capacidade na vida pública. Tudo está correndo conforme era esperado pela parcela lúcida da sociedade.
    Pior é ver que muitos estão arrependidos mas têm vergonha de admitir o equívoco, com argumentos cada vez mais frágeis para justificar seu mal fadado voto.

  3. Andrew Banana disse:

    Governar é mais que fake news

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *