Início » Brasil » Bolsonaro confirma Tereza Cristina para Ministério da Agricultura
PRÓXIMO GOVERNO

Bolsonaro confirma Tereza Cristina para Ministério da Agricultura

Deputada, que é presidente da bancada ruralista, promete frear a 'indústria da multa' no campo e agilizar a concessão de licenças ambientais

Bolsonaro confirma Tereza Cristina para Ministério da Agricultura
Tereza Cristina foi indicada para o posto por integrantes da bancada ruralista (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) confirmou na última quarta-feira, 7, a indicação da deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), de 64 anos, para o Ministério da Agricultura.

O nome de Tereza, que será a primeira mulher ministra da equipe de Jair Bolsonaro, foi sugerido por um grupo de 20 integrantes da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), conhecida como bancada ruralista, que se reuniu com o presidente eleito em Brasília nesta semana.

Em suas redes sociais, Jair Bolsonaro anunciou também que o Ministério da Agricultura não será fundido com o Ministério do Meio Ambiente, conforme havia informado anteriormente.

A deputada Tereza Cristina é atualmente presidente da FPA. Ela é engenheira agrônoma e empresária. Tereza também já foi secretária de Desenvolvimento Agrário da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo de Mato Grosso do Sul.

Em seu primeiro mandato como deputada, Tereza foi neste ano uma das principais defensoras do Projeto de Lei 6.299, que flexibiliza as regras para fiscalização e aplicação de agrotóxicos no Brasil.

Além de Tereza Cristina, Jair Bolsonaro também já confirmou os nomes de Onyx Lorenzoni, para Casa Civil; Paulo Guedes, para Economia; Sergio Moro, para Justiça; Marcos Pontes, para Ciência e Tecnologia; e o general Augusto Heleno, para o Gabinete de Segurança Institucional.

Primeiros passos

Após ser apontada como futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina vai se encontrar com Jair Bolsonaro nesta quinta-feira, 8, para conversar sobre o “tamanho” do ministério. Ademais, vai buscar saber se a pasta agregará a pesca e agricultura familiar. Além disso, a futura ministra ainda se encontrará com o atual chefe do Ministério da Agricultura, Blairo Maggi, para ser informada sobre a área.

“Hoje a agricultura e a agropecuária brasileiras são o nosso motor. É o carro-chefe da nossa economia, então temos de ver o que mais está faltando para que este motor seja mais acionado porque capacidade de produção, nossos produtores têm”, explicou, segundo noticiou a Agência Brasil.

“Indústria da multa”

Tereza Cristina mostrou que seguirá a mesma linha ideológica do presidente eleito ao afirmar que vai trabalhar pela redução da “indústria da multa”. No último dia 25 de outubro, na Festa de Peão de Barretos, Bolsonaro prometeu atacar a “indústria da multa”, afirmando que fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) aplicam multas “sem critério”.

“Não pode continuar acontecendo isso. Todos nós queremos preservar o meio ambiente, mas não aceitamos esse tipo de multa que visa perseguir as pessoas que produzem no Brasil. Multagem nas estradas, pode ter certeza, isso vai mudar. Não vai estar nas mãos de políticos mais não, ok?”, afirmou Bolsonaro, segundo noticiou o G1.

Em 2012, Bolsonaro ganhou as principais manchetes do país ao ser multado, em R$ 10 mil, por pesca ilegal na Estação Ecológica de Tamoios, protegida por lei, na região de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. No ano seguinte, o então deputado federal apresentou um projeto de lei para desarmar fiscais do Ibama e do ICMBio. A proposta foi vista como uma tentativa de retaliação às entidades.

Propostas

Para Tereza Cristina, o Brasil precisa “ter normas claras, ter um ambiente de negócios mais favorável” para receber empreendimentos maiores. Para isso, a futura ministra explicou que alguns processos precisam ser modernizados, tornando as licenças mais ágeis.

Ao ser questionada sobre propostas para enquadrar ocupações de propriedades como ações terroristas, Tereza Cristina não se posicionou, lembrando que já há leis sobre o tema, mas afirmando que ainda precisará ser conversado com o futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Parceria com ministérios

Ao abordar as políticas exteriores, Tereza Cristina admitiu já ter recebido ligações de empresários brasileiros preocupados com o possível impacto que a mudança da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, em Israel, pode ter no mercado de carne.

Os países árabes, que se portaram contrários a mudança da embaixada, são importantes parceiros comerciais brasileiros, principalmente no campo da proteína animal. Por isso, a futura ministra destacou a importância do Ministério das Relações Exteriores, que ainda não teve um responsável definido, para a futura da pasta da Agricultura.

Assim como o de Relações Exteriores, Tereza Cristina espera ter um bom relacionamento com o Ministério do Meio Ambiente, que também ainda não teve um nome de gestão definido. A futura ministra afirmou que a decisão do responsável pela pasta caberá a Jair Bolsonaro, mas admitiu sugerir nomes, caso seja consultada.

 

Leia também: Moro aceita convite para ser ministro de Bolsonaro
Leia também: Quem são os ministros de Bolsonaro

Fontes:
EBC - Tereza Cristina é confirmada para o Ministério da Agricultura

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *