Início » Brasil » Bolsonaro fala em moeda única entre Brasil e Argentina
EM VISITA À ARGENTINA

Bolsonaro fala em moeda única entre Brasil e Argentina

Banco Central diz que não há estudos para a criação da moeda. Oposição é contra a unificação, mas líder do Cidadania lembra que Lula era favorável

Bolsonaro fala em moeda única entre Brasil e Argentina
Bolsonaro, o chanceler Ernesto Araújo e o ministro Paulo Guedes em Buenos Aires (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)

O presidente Jair Bolsonaro disse na última quinta-feira, 6, que é favor de estudos para uma eventual adoção de uma moeda única entre Brasil e Argentina. A moeda seria chamada de “peso-real”

A proposta, discutida em uma reunião em Buenos Aires, capital da Argentina, prevê ainda a possibilidade de expandir a moeda única para o Mercosul.

“O Paulo Guedes [ministro da economia] nada mais fez do que dar um primeiro passo para o sonho de uma moeda única na região do Mercosul. O peso-real. Como aconteceu o euro lá atrás, pode acontecer o peso-real aqui. Pode acontecer. É o primeiro passo”, anunciou Bolsonaro.

Bolsonaro disse mais uma vez que seu forte não é economia, porém ressaltou que acredita no conhecimento e patriotismo do ministro da Economia. Guedes, por sua vez, disse que para a moeda única ser implementada será preciso ajustes fiscais dos países envolvidos e que é preciso aceitar riscos.

Posicionamento gera repercussões

Na madrugada desta sexta-feira, 7, o Banco Central do Brasil afirmou, através de uma nota, que não há estudos para unificar as moedas brasileira e argentina.

Segundo o comunicado da entidade, “há tão somente, como é natural na relação entre parceiros, diálogos sobre estabilidade macroeconômica, bem como debates acerca de redução de riscos e vulnerabilidades e fortalecimento institucional”.

Já o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se posicionou contrário a uma possível unificação das moedas. O parlamentar citou uma provável desvalorização do real brasileiro e o retorno da inflação para justificar o seu posicionamento. “Espero que não”, escreveu nas redes sociais.

Enquanto isso, a oposição ao governo Bolsonaro também se posicionou contra a possibilidade da criação da moeda. O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) relembrou as críticas de Bolsonaro ao Mercosul para afirmar que Bolsonaro “projeta nos outros a própria estupidez”.

“O mesmo sujeito que tem feito de tudo para destruir o Mercosul – unicamente por motivos ideológicos – agora fala que Brasil e Argentina podem ter moeda comum, o ‘peso real’”, escreveu o parlamentar. Já a deputada Maria do Rosário (PT-RS) afirma que Bolsonaro “mente” sobre a possibilidade da criação da moeda, explicando que “nem a Argentina quer, nem o Brasil pode”.

O deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ), por sua vez, lembrou a atual situação brasileira, citando a situação do desemprego no país, para classificar a proposta sobre o “peso real” como uma “bobagem”. O parlamentar, no entanto, relembra que os problemas econômicos brasileiros não são de agora, mas diz que “o presidente não tem ideia do que fazer pra começar a resolvê-los”.

Por outro lado, o líder do Cidadania na Câmara dos Deputados, o parlamentar Daniel Coelho (PE), relembrou, citando uma matéria do portal G1 de 2008, que o ex-presidente Lula já havia falado sobre a possibilidade de uma moeda única para o Mercosul. “Quem combatia até ontem a integração econômica do Mercosul, agora apoia. Quem apoiava, agora critica. Ridículo é pouco para o comportamento de alguns”, concluiu o parlamentar.

Fontes:
Uol-Bolsonaro quer estudos sobre moeda única entre Brasil e Argentina

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Almanakut Brasil disse:

    O nome da moeda deveria ser Américoca.

    Coca já uma moeda forte da América do Sul.

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    Isso não tem sentido pois se acontecer a união o dólar chegará a R$ 6.00. ´Deixa a argentina pra lá com mais de 50% de inflação.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *