Início » Brasil » Bolsonaro pede fim de embates entre olavistas e militares
CRISE ENTRE ALAS

Bolsonaro pede fim de embates entre olavistas e militares

Pedido, no entanto, foi ofuscado pela ascensão de novo presidente da Apex, que pode aprofundar a crise entre as alas militar e olavista na agência

Bolsonaro pede fim de embates entre olavistas e militares
Bolsonaro elogiou Olavo e disse esperar que as desavenças sejam 'uma página virada' por ambas as partes (Foto: Foto: Alan Santos/PR)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, tentou na manhã desta terça-feira, 7, arrefecer os ânimos entre a ala militar do governo e a ala composta por seguidores do filósofo Olavo de Carvalho – popularmente chamados de olavistas ou olavetes.

Em uma postagem em sua conta oficial no Twitter, Bolsonaro elogiou Olavo, afirmou que o trabalho do filósofo contribuiu muito para sua chegada ao poder e disse esperar que as desavenças entre ambas as partes – militares e olavistas – sejam uma página virada.

No entanto, o pedido do presidente foi ofuscado por um novo capítulo do embate, tendo como front a Agência de Promoção à Exportação (Apex). Na última segunda-feira, 6, Sérgio Segóvia assumiu como novo presidente da Apex, indicado pela ala militar, para substituir Mario Vivalva, que deixou o posto em abril.

Em seu primeiro dia no cargo, Segóvia demitiu dois diretores da agência: Márcio Coimbra (diretor de Gestão Corporativa) e Letícia Catelani (da diretoria de Negócios, que integra a ala olavista). Ambos eram ligados ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, também um integrante da ala olavista, que chegou ao Itamaraty por indicação do filósofo.

Coimbra já havia pedido demissão na última sexta-feira, 3. Já Catelani afirmou que sua saída é fruto de pressão dentro do governo pela manutenção de contratos espúrios, além de ameaças e difamações.

A ex-diretora recebeu apoio nas redes sociais e a hashtag #SomosTodosLeticia se tornou um dos assuntos mais comentados da manhã.

Tanto Coimbra como Catelani são apontados como pivôs de crises internas na Apex, que levaram a agência a ter três diretores em apenas cinco meses de novo governo. Indicados para a Apex por Ernesto Araújo, eles contavam também com o apoio do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A primeira crise envolveu Alecxandro Carreiro. Alçado ao posto em 2 de janeiro, Carrero ficou apenas dez dias no cargo. Ele foi demitido após uma discussão com Catelani e em meio a críticas referentes à sua falta de capacidade para a função que desempenhava. Formado em publicidade, Carrero não tinha fluência em inglês – uma exigência para o cargo – nem experiência anterior na área de comércio exterior.

Carrero foi substituído por Mario Vivalva, que assumiu o posto em 10 de janeiro e foi demitido em 10 de abril. A demissão ocorreu em meio a uma manobra perpetrada por Ernesto Araújo para esvaziar os poderes de Vivalva dentro da agência e transferir suas atribuições a Coimbra e Catelani.

Na manobra, Araújo alterou o estatuto do órgão, retirando poderes da presidência da Apex e repassando-os a Coimbra e Catelani. A alteração foi feita de forma silenciosa, no dia 15 de março, tendo o próprio Vivalva descoberto a mudança depois, através da imprensa.

Ao tomar conhecimento da manobra, Vivalva classificou a ação do ministro como uma jogada ardilosa e de má fé, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

“O documento foi feito na calada da noite, e faltou lealdade ao ministro. O mais grave foi o fato de que as mudanças foram feitas sem o presidente da Apex saber e que elas foram escondidas em documento guardado em cartório, o que demonstra jogada ardilosa e de má-fé”, disse o ex-diretor, que também chamou Catelani e Coimbra de “despreparados, inexperientes, inconsequentes e irresponsáveis”.

Um dia após as declarações, ele foi demitido do cargo. Segundo noticiou a Folha, após a saída de Vivalva, cresceu a pressão da ala militar pela demissão de Catelani e Coimbra, este último, diante da pressão, anunciou sua saída do cargo.

Na segunda-feira, ao assumir o cargo, Sérgio Segóvia, que é contra-almirante na Marinha e atuou em diversas áreas do órgão, usou a nota da Apex sobre sua ascensão ao posto para afastar boatos que afirmavam que ele não tinha experiência em comércio exterior e fluência na língua inglesa – boatos que, segundo apurou o Estado de S. Paulo – foram espalhados por integrantes da própria Apex.

“Na área de comércio exterior, [Segóvia] foi responsável pelos processos de logística e de aquisição internacional, quando encarregado do grupo de recebimento de navio no estrangeiro. É fluente nos idiomas inglês e espanhol. […] A chegada do novo presidente implicará em algumas mudanças na Agência, já iniciadas hoje, com a decisão de Segóvia de destituir de suas funções os senhores Marcio Coimbra, diretor de Gestão Corporativa, e Letícia Catelani, diretora de Negócios. Em breve serão informados os nomes dos novos ocupantes dos referidos cargos, cuja indicação estará sob responsabilidade do Conselho Deliberativo Administrativo”, diz a nota.

Resta saber se a saída de Coimbra e Catelani encerrará a disputa interna na Apex, de forma a permitir a atuação da agência. Principal responsável por promover produtos brasileiros no exterior, a Apex também busca atrair investimento estrangeiro para alguns setores da economia nacional. Durante a gestão de Michel Temer, ela passou por uma reformulação, passando a se reportar diretamente ao Itamaraty.

Também resta saber se o pedido do presidente Jair Bolsonaro surtirá algum efeito nas alas militar e olavista, uma vez que o próprio presidente participou do acirramento de tensão ao compartilhar no Twitter uma postagem alinhada com os ataques contra o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto Santos Cruz, que se tornou alvo por defender o uso disciplinado das redes sociais.

Ao que tudo indica, o embate ameaça continuar. Nesta terça-feira, o general Eduardo Villas Bôas, que já havia saído em defesa de Santos Cruz, tornou a criticar Olavo de Carvalho, em uma entrevista dada ao Estadão. Nela, o general diz que Olavo “está prestando um desserviço ao país”. “Em um momento em que precisamos de convergências, ele está estimulando desavenças. […] Às vezes, ele me dá a impressão de ser uma pessoa doente, que se arvora com mandato para querer tutelar o país”, disse Villas Bôas.

Já Olavo de Carvalho negou, em suas contas no Twitter e no Facebook, haver uma crise entre olavistas e militares e disparou críticas à imprensa. Porém, em seguida, tornou a atacar a ala militar.

Os ataques têm como alvo em especial, Santos Cruz, a quem Olavo chamou no Twitter de “última esperança dos petistas” e acusou de querer dar mais dinheiro para ONGs de esquerda.

Nesta tarde, Bolsonaro participou de um almoço com militares no Quartel-General do Exército, em Brasília. Segundo interlocutores ouvidos pelo jornalista Valdo Cruz, da GloboNews, os militares queriam ouvir pessoalmente de Bolsonaro a posição do presidente em relação aos ataques de Olavo.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. DINARTE DA COSTA PASSOS disse:

    Este Olavo será o calcanhar de Aquiles deste famigerado Governo que nem começou e já aparece milhares de reclamação contra ele.

    São uns tremendo incompetentes! Ganharam no tapetão e, não são capazes de se fixaram no Poder. Estou caindo com o próprio peso de suas incompetências.

    Soltem o LULA, peçam desculpa a ele pelas maldades que fizeram, coloquem em Brasília e verão como se governa este País. Ele já mostrou que sabe fazer

  2. Eduardo Ramos Bastos Bastos disse:

    Eu acho que ambas as parte tem que sentar e conversar deixar essas desavenças e se unitem so tem adultos um lado nosso presidente do outra as forças armadas e o filósofo poxa so pessoas de alto nível e também inteligentes pelo amor de Deus. EDUARDO

  3. carlos alberto martins disse:

    SR Presidente:avise seus ministros para trabalharem ao invés de ficarem fazendo intrigas e fofócas.deixem isso para as novélas de baixo nivel na TV e jornalecos que querem aparecer.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *