Início » Brasil » Brasil começa 2013 com austeridade municipal
Tendências e Debates

Brasil começa 2013 com austeridade municipal

Enxugar, enxugar e enxugar foi o mote dado por muitos novos prefeitos empossados país afora. Parece até que a “troika” andou por aqui

Brasil começa 2013 com austeridade municipal
Reeleito, Eduardo Paes assinou sete decretos para reduzir gratificações (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Parece até que a “troika”, ou seja, a tríade formada por FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu e que é responsável pela profilaxia da austeridade ora vigente na Europa em crise, passou por aqui às vésperas da posse dos novos prefeitos das cidades brasileiras — alguns nem tão novos assim.

Na última terça-feira, 1º de janeiro de 2013, primeiro dia do ano no calendário gregoriano, prefeitos eleitos ou reeleitos, como Eduardo Paes, no Rio, ACM Neto, em Salvador ou Arthur Virgílio, em Manaus, assumiram suas funções para o próximo quadriênio falando em “apertar o cinto”, “corte de gastos” e que tais, coisas que não costumam constar no rol de promessas de maravilhas mil e investimentos sem fim nos serviços públicos que povoam as campanhas eleitoreiras, salvo quando a calculadora é usada para apontar os buracos orçamentários escondidos por trás de promessas similares dos adversários de urnas.

No Rio, o reeleito Paes — reeleito de forma retumbante, com 64,60% dos votos válidos — tomou posse anunciando um verdadeiro “pacote de austeridade” carioca, que visa economizar para a prefeitura até R$ 1,5 bilhão em um ano e meio.

Na ‘própria carne’, e no próprio bolso

No primeiro dia do seu novo mandato, e falando em “cortes da própria carne”, o prefeito do Rio assinou sete decretos visando reduzir despesas com gratificações e renegociações de contratos. Curiosamente, em plena sanha de cortes, Paes enviou um projeto de lei à Câmara do Rio propondo a criação de 50 vagas para cargos concursados de analista de gerenciamento de projetos da Secretaria da Casa Civil…

Em Salvador, sob gritos de “ACM voltou!” e falando em “remédio amargo” para se referir ao que pretende fazer em sua administração, Antônio Carlos Magalhães Neto assinou o termo de posse dizendo que o fisiologismo, uma das marcas registradas do vovô, “está proibido na prefeitura”, e com uma canetada só eliminou 20% dos cargos comissionados no município.

Em Manaus, o velho Arthur Virgílio reassumiu a prefeitura da capital amazonense 20 anos após deixar a chefia do executivo municipal. A primeira coisa que fez foi reduzir seu próprio salário, de R$ 24,2 mil para R$ 19 mil. Para rebater as acusações de demagogia, Virgílio afirmou que o objetivo do seu ato foi evitar o chamado “efeito cascata” sobre todos os cargos de confiança do município.

Em cidade mineira, governo começa com ‘carroçada’

Enxugar, enxugar e enxugar também foi o mote dado pelos prefeitos empossados nesta semana em capitais como Florianópolis, Curitiba, Campo Grande e Recife, onde o novo prefeito, Geraldo Julio, funcionário público de carreira, extinguiu 632 cargos comissionados e duas pastas municipais, ainda que, ao mesmo tempo, tenha criado duas coordenadorias com status de secretaria…

Mas nem só de austeridade foi o primeiro dia das administrações municipais Brasil afora. Na maior cidade do Brasil, São Paulo, o prefeito eleito e empossado Fernando Haddad deu largada ao seu governo com um discurso bem, digamos, petista, o do combate à miséria, e já com uma crise de gabinete: Ricardo Teixeira, escolhido para chefiar a secretaria paulistana do Verde e Meio Ambiente, ameaçou nem assumir a pasta por causa da decisão de Haddad de passar a inspeção veicular na cidade de anual para bianual.

Mas o ato inaugural mais animado de um novo prefeito brasileiro no último 1º de janeiro parece ter sido mesmo na cidade de Porteirinha, em Minas Gerais, onde o jovem Silvanei Batista, de apenas 34 anos de idade, promoveu uma “carroçada”, sim, com 170 carroças e charretes, para se dirigir à sua própria cerimônia de posse. Seria para economizar no combustível e sinalizar com um governo ecologicamente correto?

 

Caro leitor,

O que você achou dos primeiros atos dos prefeitos brasileiros empossados no dia 1º de janeiro de 2013?

Há demagogia demais e indícios de boa gestão de menos? Os prefeitos dão mostras de que vão atacar os reais problemas dos municípios?

E na sua cidade? Algum primeiro decreto ou primeiro projeto de lei do novo prefeito lhe chamou a atenção?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

14 Opiniões

  1. Markut disse:

    Em todos, cada um à sua maneira, até com carroçadas,não há nenhuma condição de, a priori, acreditar no que eles dizem , ou prometem.
    Enquanto não tivermos um eleitorado mais consciente, capaz de monitorar os atos dos seus escolhidos, através de uma sociedade civil organizada,nada deverá mudar, isto é, continuará imperando a demagogia, a irresponsabilidade e os atos de supostos planejamentos, que não serão senão o que sempre foram: correr atrás do prejuizo, com mais ou menos teatralidade.
    Gostaria, prazerosamente, de dar a mão à palmatória, caso esteja enganado.

  2. Aguinaldo disse:

    Nenhum prefeito é perfeito, porque todos nós temos defeitos…Mas, um alcaide maleável, sabe dar um jeito: ser honesto em primeiro plano; Não fazer nada debaixo do pano; Deve visitar um rua da cidade cada vez por ano; (cidade menor que cem mil) conversar, perguntar se o lixeiro tem passado normal; o que a rua mais necessita; dar explicações sobre os planos de campanha não efetivados; evitar conversar maltratando os munícipes com ofensas de língua de trapos e principalmente aprender engolir sapos; saber entender que até o melhor de todos não conseguiu unanimidade e, independente de tudo que foi dito deve amar como se fosse a maior conquista de sua existência a cidade que dirige, agindo assim poderá não ser amado, sim reconhecido como administrador a ser respeitado.

  3. GENTIL LINS DE ARAUJO disse:

    MUITOS POLÍTICOS PROFISSIONAIS/RAPOSAS VELHAS, ESTÃO TENTADO PASSAR A IMAGEM DE BONS POLÍTICOS, INCLUSIVE COM ÉTICA. MAS O QUE SE QUESTIONA DELES É O QUE VIZERAM EM PROL DO IDOSO/APOSENTADO ? QUEM VEM SENDO MASSACRADO POR MUITOS GORVERNO ANTES DO PT. SERÁ QUE TODOS SÃO FARINHA DO MESMO SACO.
    INFELISMENTE NOS LEVA A AQCREDITAR NESTA ÚLTIMA ALTERNATIVA.
    PEÇO A DEUS QUE ILUME A TODOS, INDEPENDENT3E DE PARTIDOS.

  4. MADALENA disse:

    BOA SORTE A TODOS OS PREFEITOS ELEITOS SEJA DE QUE PARTIDO FOREM..QUE GOVERNEM PELO MELHOR E JUNTO COM O POVO..E O POVO JUNTO COM O GOVERNO.
    ABRAÇOS
    MADALENA

  5. Amaro Pereira Filho disse:

    O que você achou dos primeiros atos dos prefeitos brasileiros empossados no dia 1º de janeiro de 2013?
    R-Só balelas para dá impacto e chamar a atenção que o novo Prefeito está sendo empossado…Nada de importante.

    Há demagogia demais e indícios de boa gestão de menos?
    R-Pura demagogia…o importante é governar com ética e transparência.

    Os prefeitos dão mostras de que vão atacar os reais problemas dos municípios?
    R-O primeiro ato de um Prefeito ético seria de colocar as contas da prefeitura num site da NET…Dos salários pagos até as concorrências públicas.

    E na sua cidade? Algum primeiro decreto ou primeiro projeto de lei do novo prefeito lhe chamou a atenção?
    R-Por enquanto nada de importante. Posso deixar algumas sugestões parf Mesquia-RJ:
    a) Colocar na NET as contas da Prefeitura
    b)Começar o ano letivo fazendo um exame biomédico nos estudantes (inclusive com exames de vista,sangue, fezes e urina, para acompanhar a saúde dos nossos jovens…os que tiverem problemas serão encaminhados a rede municipal ou estadual de saúde).
    c)Normalizar a coleta de lixo…uma vergonha deixada pelo antigo prefeito Sr. Artur Messias do PT).
    d) Modernizar os postos de saúde do município com computadores, modificar o sistema de marcação de consultas priorizando a marcação da 2ª consulta para os doentes de medicação continua(diabéticos,hipertensos etc).
    e)Refazer as tarifas de passagens municipais, já que tem trajetos de poucos km que são cobrados na ín
    tegra.
    f)Criar um plano de cargos e salários para incentivar o servidor do município.

    …e muitas outras.

    Não pretendo ser secretário.

    Abraços.

  6. Djalma Gomes disse:

    Pra falar a verdade, estou muito otimista quanto ao futuro deste País, e não o digo agora, disse-o assim que findaram as eleções para para prefeito, Brasil afora. Acredito que o perfil do político brasileiro está mudando para melhor, a maioria dos prefeitos são jovens e tem ideologia saudável, sabem o que é certo e o que é errado e respeitam isso. Falando da Bahia, mas precisamente de Salvador, tenho certeza de que a austeridade e o cuidado com a coisa pública vai funcionar 100% às mil maravilhas. É uma questão ideológica que move o Prefeito ACM Neto e não o fato de construir riquezas à moda dos políticos carreiristas que infelizmente ainda infestam as Câmaras Federal, Estadual e Municipal. Mas é esse perfil que está mudando e é nisso que acredito. O Brasil vai mudar, sim senhor!

  7. MILTON PIERONI JUNIOR disse:

    EM PRIMEIRO LUGAR, DESEJO ‘S U C E S S O ‘- como também tenho certeza, desde que cada macaco no seu galho, ou seja – profissionais qualificados, capacitados na função assumida. Pois o prefeito não tem tanto obrigação, quanto conhecimentos técnicos na área dos secretariados. E para que consiga obter sucesso sem duvida alguma é poder contar com gente que entende do assunto na área em que irá atuar. Masssss…., para que isto aconteça, o fato principal – NÃO TER O RABO PRESO COM NINGUÉM. – DESEJO BOA SORTE A TODOS OS PREFEITOS –

  8. Áureo Ramos de Souza disse:

    Aqui em Recife o prefeito que será administrado pelo governador Eduardo Campos já começou com a proposta do Hospital da Mulher e os médicos onde ele vai buscar? Os hospitais, as UPAs e PSFs não tem médicos. Não sei para que querer criar se o melhor seria aprimorar os existentes, aumentar os salários dos médicos.

  9. Alcebiades Abel Filho disse:

    Esta palavra, “austeridade”, me asssusta, é sempre um indicativo que vai sobrar para a população. Geralmente as dem issões são feitas em cargos comissionados de prefeitos anteriores, passando a impressão que esta enchugando a máquina. É a velha demagogia de todo prefeito ou governador que toma posse. Logo a seguir coloca nos lugares vagos pessoas de sua confiança. A austeridade é em cima da educação e da saúde e logo a seguir vem as obras para abrir espaço para as empresas que financiaram a campanha política. Portanto, ESTE FILME JÁ VI…

  10. Maria disse:

    O novo prefeito de Lajedo, Rossini Blésmany (PSD), decretou estado de emergência no município. Ao chegar para o primeiro dia de trabalho na prefeitura, o prefeito se deparou com inúmeros problemas, a começar pelo prédio sede do Poder Executivo. Toda a fiação da central telefônica e os cabos de internet estavam cortados, e as placas – mãe destruídas o que provocou um caos no atendimento ao público. Além disso, as fechaduras das portas foram arrancadas propositadamente. Até o desconto da previdência DE 3 MESES CONSECUTIVOS (10.000.000 de reais) de contribuição dos funcionários, o ex- prefeito não repassou para o órgão. Entendemos que vai muito difícil para todos nós esse primeiro ano de governo.

  11. Zé da Silva disse:

    Quando estados e municípios eliminarem a terceirização de mão de obra no serviço público, concursarem profissionais da área da saúde, conservação e limpeza, tecnicos de manutenção, vigilancia e etc…, Quando montarem suas frotas de veículos e acabarem com o vício das licitações, acreditarei que estaremos evoluindo.
    Não existe TCE nem TCU que seja capaz de precisar quanto de dinheiro vai pelo ralo das terceirizações e de quanto seria a economia se essa prática viciosa acabasse. É claro que existem muitas situações que o processo licitatório é necessário, no entanto necessita de rígido controle para evitar super faturamento e fiscalizar a entrega do produto licitado.
    Essa mina parece ser infinita, que os digam os cacheiras da vida e bandos.

  12. helo disse:

    Penso que São Paulo não teve sorte. Provavelmente outras cidades também não. Ainda bem que as vezes não temos que pensar neles, distraídos com as boas coisas da vida. Dá até preguiça falar sobre eles. O grande mal é que as prefeituras, dependentes da União, são obrigadas a serem amigas do rei ou serão esquecidas.

  13. Mauricio Fernandez disse:

    Um elevadíssimo número de prefeitos em seus pronunciamentos no ato de posse jogaram um balde dágua fria em suas próprias promessas de campanha. Tudo em nome do bem estar do povo. O pior é que a maioria desses ou sabe muito de corrupção ou nada de administração pública.

  14. Aloisio disse:

    Montado o Circo, agora começa o espetáculo.
    Todas as plateias chorarão(de rir ou de raiva) por 4 anos.
    Quem viver verá.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *