Início » Brasil » Brasil pode questionar tarifas dos EUA sobre o aço
ECONOMIA

Brasil pode questionar tarifas dos EUA sobre o aço

Presidente americano defende a medida e diz que ‘guerras comerciais são boas’

Brasil pode questionar tarifas dos EUA sobre o aço
Após reclamações de outros países sobre a proposta, Trump escreveu no Twitter que guerras comerciais são boas (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Brasil pode questionar as tarifas que os Estados Unidos pretendem colocar em suas importações de aço e alumínio. Segundo o ministério do Desenvolvimento, Comércio Exterior e Serviços, o governo brasileiro espera chegar a um acordo, mas caso isso não aconteça, o Brasil pode questionar a medida em foros globais.

Na última quinta-feira, 1, os Estados Unidos anunciaram uma tarifa de até 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio. Após reclamações de outros países sobre a proposta, Trump escreveu no Twitter que guerras comerciais são boas. “Quando um país (EUA) está perdendo bilhões de dólares no comércio com virtualmente todos os países com os quais faz negócios, guerras comerciais são boas, e fáceis de ganhar. Por exemplo, quando estamos abaixo de US$ 100 bilhões com um certo país e eles ficam fofos, não negocie mais – nós ganhamos muito. É fácil!”, escreveu o presidente.

Trump alega que as tarifas são uma forma de proteger os setores da siderurgia e alumínio do país, que segundo ele, estaria sofrendo competição desleal de outros países nos últimos anos.

Embora o principal alvo das tarifas seja a maior produtora mundial de aço e alumínio, a China, o Brasil pode ser duramente atingido com essa medida, já que é o segundo maior exportador de aço para os EUA, perdendo apenas para o Canadá. No ano passado, o Brasil exportou 4,8 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos para os EUA.

A China, por sua vez, só representa 2% das importações do aço dos Estados Unidos. No entanto, a expansão de sua indústria ajudou a produzir um excesso de oferta global de aço, o que reduziu os preços. Nesta sexta-feira, 2, a China pediu ao governo dos Estados Unidos para “respeitar as regras” do comércio internacional.

A chefe de comércio da União Europeia, por sua vez, disse que pode retaliar a medida caso as tarifas de Trump sejam aplicadas à Europa.

 

Fontes:
DW-Brasil pode contestar tarifa de Trump sobre aço
G1-Trump afirma que 'guerras comerciais são boas e fáceis de ganhar'; China e Europa reagem

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *