Início » Brasil » Brasil quer adiar ascensão da Venezuela à presidência do Mercosul
TROCA DE COMANDO

Brasil quer adiar ascensão da Venezuela à presidência do Mercosul

A iminente chegada da Venezuela à presidência do bloco, prevista para o próximo dia 12 deste mês, gera impasse entre membros. Brasil propõe adiar a medida

Brasil quer adiar ascensão da Venezuela à presidência do Mercosul
Serra viajou para Montevidéu para propor o adiamento (Foto: EBC)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A iminente chegada da Venezuela à presidência do Mercosul está gerando uma crise entre os membros do bloco.

No próximo dia 12 deste mês, o Uruguai passará o comando para o país de Nicolás Maduro por seis meses. Apesar de estar prevista na regra de rotatividade do Mercosul, a transferência está sendo contestada por vários membros do bloco.

Leia mais: Venezuela deve assumir a presidência do Mercosul em junho 

Paraguai e Argentina rejeitam abertamente a medida, enquanto o Brasil optou por uma decisão mais pragmática e pediu o adiamento da transferência para agosto. “Pedimos mais tempo para o Uruguai”, disse Serra, na última terça-feira, 5, após se reunir em Montevidéu com o presidente uruguaio Tabaré Vázquez, e o ministro das Relações Exteriores do país, Rodolfo Nin Novoa. A reunião contou com a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

O pedido do Brasil deixa o governo uruguaio em uma situação embaraçosa. Isso porque o Uruguai já havia anunciado que a transferência ocorreria daqui a uma semana. Além disso, na última segunda-feira, 4, Novoa havia afirmado a jornais locais que o governo uruguaio rejeita a adoção de qualquer medida contrária à Venezuela, pois o Uruguai considera que não houve interrupção da ordem democrática no país que justifique a suspensão da transferência.

Fernando Henrique disse entender a posição do Uruguai em defender o respeito às regras, mas disse que o adiamento não fere o regimento do bloco. “Não estamos pedindo para não respeitar as regras, mas que se possa discutir, mais adiante, se a Venezuela fez a lição de casa para ingressar no Mercosul”. Segundo o ex-presidente, a medida não é exclusiva da Venezuela, mas se aplica a todos os países em processo para ingressar no bloco.

A proposta de adiamento do Brasil desagradou o governo de Caracas. A ministra das Relações Exteriores venezuelana usou sua conta no Twitter para contestar o pedido de Serra. “A República Bolivariana da Venezuela rechaça as insolentes e amorais declarações do chanceler interino do Brasil”.

Fontes:
El País-Presidência da Venezuela no Mercosul aprofunda a crise do bloco

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *