Início » Brasil » Brasil recorre aos EUA para cumprir exigência da Lei dos Caminhoneiros
EXAMES TOXICOLÓGICOS

Brasil recorre aos EUA para cumprir exigência da Lei dos Caminhoneiros

Fios de cabelo de motoristas serão enviados aos EUA para exames toxicológicos a um custo anual de R$ 960 milhões

Brasil recorre aos EUA para cumprir exigência da Lei dos Caminhoneiros
Mais de 13 milhões de motoristas profissionais passarão por testes toxicológicos (Foto: Wikipedia)

A partir de janeiro de 2016 fios de cabelos de motoristas profissionais serão enviados aos Estados Unidos para análise. A medida é uma exigência legal da Lei dos Caminhoneiros, aprovada pelo Congresso e sancionada pela presidente Dilma Rousseff em março de 2015. Está previsto que 2,4 milhões de exames toxicológicos sejam realizados nos EUA.

A decisão aprovada fará com que condutores das categorias C, D e E – incluindo caminhoneiros e condutores de ônibus – passem por um exame toxicológico de larga escala quando forem obter ou renovar a carteira de habilitação e, a partir de março, em qualquer admissão ou demissão. As três categorias abrangem mais de 13 milhões de motoristas profissionais no país (um terço é autônomo).

O procedimento identificará se o motorista fez uso de drogas como maconha, cocaína e anfetaminas nos últimos 90 dias antes da análise dos fios de cabelo, tendo um prazo maior que exames de urina, sangue ou saliva, que identificam a presença dessas substâncias apenas em um período de no máximo cinco dias após seu consumo. A estimativa do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) é que cada exame custe em torno de R$ 400, o que representa um custo de R$ 960 milhões por ano aos cofres do país.

O custo elevado se deve ao fato de que não há laboratórios brasileiros que realizem os procedimentos nessa escala e que tenham a certificação exigida, emitida pelo Colégio Americano de Patologia. O presidente do Contran e diretor do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), Alberto Angerami, critica o alto custo dos exames. “Não estamos em situação tão boa no país para mandar dinheiro aos Estados Unidos”, afirmou. “Gostaria que houvesse muitos laboratórios brasileiros oferecendo esse procedimento”, completou.

No entanto, o presidente da Associação Brasileira de Laboratórios Toxicológicos, Marcello Santos, acredita que em 2017 as empresas nacionais de exames laboratoriais terão unidades para realizar os procedimentos, o que diminuirá o custo de R$ 400 para R$ 250. “O mercado se ajusta. Aconteceu a mesma coisa com o teste de DNA nos anos 1990, quando eram feitos no exterior”, afirma Santos.

Fontes:
Folha de S. Paulo-Teste de droga terá de enviar fio de cabelo de motorista aos EUA

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. lene angeli disse:

    Segurança na estrada.

  2. ney disse:

    Que Absurdo é esse? Quem deveria ser monitorado era o governo nos três poderes, e não um trabalhador que literalmente da a vida por este Brasil da elite.

  3. Roberto1776 disse:

    Que se use esta montanha de dinheiro para financiar os laboratórios brasileiros. Mandar todo esse dinheiro para os EUA não faz o mínimo sentido. Passamos 100 anos sem este teste e não podemos passar mais um ano? Aí tem mutreta petista, sem a menor dúvida.

  4. Rogério Luders disse:

    Sou caminhoneiro .Sera que somente nos circulamos nas rodovias e causamos acidentes? Quantos colegas ja devem ter morrido nas estradas por imprudencia de veiculos de passeio que nem param e como não aparece um segundo veiculo simplesmente se diz que o caminhoneiro estava drogado ou bebado ou deve ter dormido. Ai outra pergunta porque exame somente para motoristas profissionais e não para quem vai tirar a primeira cnh?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *