Início » Brasil » Brasil registra dois casos de transmissão interna da febre chikungunya
saúde

Brasil registra dois casos de transmissão interna da febre chikungunya

A doença pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti (dengue) e Aedes albopictus. Os sintomas são semelhantes aos da dengue, mas as dores são mais fortes

Brasil registra dois casos de transmissão interna da febre chikungunya
Mosquito Aedes aegypti é o transmissor da febre chikungunya, assim como a dengue (Reprodução/Abril)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Ministério da Saúde confirmou nesta terça-feira, 16, os dois primeiros casos de transmissão interna da febre chikungunya, no Oiapoque, no Amapá. No país, mais 37 pessoas estão infectadas, tendo adquirido o vírus no exterior.

“Geralmente, a entrada da doença é pelo Rio de Janeiro, nossa maior entrada tropical de turistas. Mas queremos deixar claro que onde há mosquito da dengue, pode haver contaminação pelo chikungunya”, explicou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa.

Antes a doença estava restrita à África e à Ásia, com casos isolados pelo mundo, sendo que em dezembro de 2013 houve um surto nas Antilhas, chegando às Américas. Os sintomas da doença são semelhantes aos da dengue, mas as dores são mais fortes, principalmente nas articulações. A taxa de mortalidade, porém, associada à doença é pequena.

Ela pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti (dengue) e Aedes albopictus, principalmente encontrado em áreas rurais. Com isso, a prevenção é o controle do vetor transmissor, ou seja, é preciso que a população tome os mesmos cuidados indicados para a dengue, como evitar o acúmulo de água limpa em recipientes.

Fontes:
G1 - Brasil registra primeiros casos de transmissão interna de chikungunya

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *