Início » Brasil » Brasil registra recorde de violência em 2016
VIOLÊNCIA

Brasil registra recorde de violência em 2016

Levantamento aponta índices alarmantes de violência em 2016, com um salto no número de assassinatos no país

Brasil registra recorde de violência em 2016
Números negativos no Brasil chamam a atenção (Foto: Flickr/Daniele)

O ano de 2016 não foi nada fácil para o povo brasileiro. Um estudo realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública registou números alarmantes nos indicativos de violência, mostrando um aumento de 2015 para 2016. Apenas se tratando de assassinatos, foram registradas 61.619 mortes em todo país – 7 pessoas mortas por hora -, um recorde na história do Brasil.

A taxa de homicídio ficou em 29,9 para cada 100 mil habitantes, registrando um aumento de 3,8% em relação a 2015. Sergipe foi o estado com o maior número de assassinatos, sendo 64 para cada 100 mil habitantes. Enquanto isso, Rio Grande do Norte e Alagoas também tiveram números elevadíssimos, com taxa de homicídio em 56,9 e 55,9 para cada 100 mil habitantes, respectivamente.

Mesmo com esse alto número de assassinatos, estima-se que os governos gastaram 2,6% a menos com a segurança pública: R$ 81 milhões. Nos gastos do governo federal, essa redução foi de 10,3%.

Em termos de homicídios policiais, os números cresceram 25,8% se comparado a 2015, sendo 4.224 mortos em ações e intervenções policiais, tanto civil, quanto militar. Mais de 99% das vítimas são homens, sendo que 81,8% está entre a faixa etária de 12 a 29 anos, enquanto 76,2% são negras.

Em contrapartida, 2016 também registrou um crescimento no número de policiais mortos, quando 437 agentes civis e militares foram assassinados, um aumento de 17,5% em relação a 2015. Desse total, 56% dos policias mortos eram negros, com 32,7% dos casos sendo de agentes entre 40 e 49 anos de idade.

Já os latrocínios – roubo seguido de morte – cresceram em 50% se comparados a 2010, totalizando 2.703 casos. Os estados de Goiás, Amapá e Pará registraram a maioria dos incidentes, com 2,8 mortes para cada 100 mil habitantes.

Se tratando de crimes contra mulheres, os casos de estupro cresceram 3,5% em todo o Brasil, registrando 49.497 casos ao longo de 2016. Em casos de homicídio, uma mulher morreu a cada duas horas no país em 2016, somando 4.657 mortes, mas apenas 533 casos sendo classificados como feminicídios.

Mais de 1 milhão de carros foram furtados ou roubados entre 2015 e 2016, fazendo com que o crime ocorresse cerca de uma vez por minuto ao longo de todo o período.

Por outro lado, o número de armamentos apreendidos em todo o Brasil diminuiu em 12,6%, com 112.708 armas sendo recolhidas ao longo de todo o ano passado.

Os gastos com a Força Nacional também chamam a atenção, passando de R$184 milhões para R$319 milhões em 2016, com um aumento de 292% de profissionais sendo mobilizados. No entanto, os gastos com o Fundo Nacional de Segurança Pública e com o Fundo Nacional Antidrogas diminuíram em 30,8% e 63,4%, respectivamente.

Por fim, o estudo mostrou ainda que dos 24.628 adolescentes cumprindo medidas socioeducativas, em 2014, 44,4% eram devido a casos de roubos, enquanto 24,2% foram autuados por tráfico. Além disso, 40% das escolas não possuem sistema de segurança policial para evitar violência a sua volta, e 70% dos educadores presenciaram algum tipo de agressão verbal ou física entre estudantes.

Fontes:
G1 - Brasil registra o maior número de assassinatos da história em 2016; 7 pessoas foram mortas por hora no país

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Áureo Ramos de Souza disse:

    No meu entender é que o governo só toma iniciativa quando a coisa fica preta.Se as providências fossem domadas diuturnamente acredito que isso não aconteceria. Exemplo: Rocinha, só vinheram tomar providências quando os traficantes já dominavam toda a favela. E o nascimento da favela também o governo tem culpa pois quando se começa uma favela deixam ir crescendo e depois querem expulsar quem já se encontra lá a mais de anos.Quanto a armamentos os policiais deixam a desejar em compração aos policiais.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *