Início » Brasil » Brasil tem mais de 5 mil refugiados reconhecidos pelo governo
RELATÓRIO

Brasil tem mais de 5 mil refugiados reconhecidos pelo governo

Dados são de relatório do Ministério da Justiça. Mais da metade dos refugiados no Brasil vive em São Paulo

Brasil tem mais de 5 mil refugiados reconhecidos pelo governo
Nos últimos sete anos, o Brasil registrou, ao todo, 126.102 solicitações de refúgio (Foto: Pixabay)

Segundo um novo relatório do Ministério da Justiça divulgado na última quarta-feira, 11, um total de 5.134 refugiados reconhecidos pelo governo vivem no Brasil atualmente. Desses, mais da metade vivem em São Paulo (52%) e 35% da população de refugiados no país é representada por sírios.

Ao longo dos anos, o território brasileiro já abrigou 10.145 pessoas em posição de refugiados. Apenas 587 pessoas foram reconhecidas pelo governo e receberam refúgio em 2017. Destes, 53% eram da Síria (310), 18% da República Democrática do Congo (106), 9% da Palestina (50), 4% do Paquistão (24) e 3% do Egito (16).

Dos 587 refugiados reconhecidos em 2017, 71% são do sexo masculino e 29% são do sexo feminino. Se analisado por faixa etária, 44% têm entre 30 e 59 anos, 33% entre 18 e 29 anos e 14% até 12 anos.

Caso a análise seja feita sobre o total de 5.134 refugiados que vivem no Brasil, 70% deles são do sexo masculino e 30% do sexo feminino. São Paulo é o estado que mais abriga refugiados, com 52% deles vivendo na região. Em seguida aparecem Rio de Janeiro (17%), Paraná (8%) e Rio Grande do Sul (6%). Apesar de Roraima não estar entre os primeiros estados da lista, a região conta com um grande número de venezuelanos que não foram reconhecidos oficialmente como refugiados.

Segundo Luiz Pontel de Souza, secretário nacional de Justiça e presidente do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), o Brasil estuda novas possibilidades para facilitar a regularização da situação dos imigrantes venezuelanos. “A autorização de residência para pessoas de países que fazem fronteira com o Brasil é uma alternativa mais rápida e simples aos venezuelanos que querem morar no nosso país”, explica Souza.

Solicitações

Nos últimos sete anos, o Brasil registrou, ao todo, 126.102 solicitações de refúgio, com 33.866 pessoas tendo feito o pedido apenas em 2017. Das solicitações registradas em 2017, 17.865 foram feitas por venezuelanos, 2.373 por cubanos, 2.362 por haitianos e 2.062 por angolanos. Os estados que mais receberam pedidos de refúgio foram Roraima (15.955), São Paulo (9.591) e Amazonas (2.864).

Caso Venezuela e Haiti sejam desconsiderados, o ano de 2017 recebeu um recorde em pedidos de refúgio: 13.639, número muito acima dos 6.287 registrados em 2016. Em 2015, o total foi de 13.383, e em 2014, foi de 11.405.

Se forem observados os povos com o maior número de solicitações em trâmite, os venezuelanos representam 33%, seguidos por haitianos (14%), senegaleses (13%), sírios e angolanos (7% cada).

Apesar do alto número de solicitações de refúgio por venezuelanos nos últimos três anos – foram 822 em 2015, 3.375 em 2016 e 17.865 em 2017 -, poucas pessoas originárias da Venezuela foram reconhecidas como refugiados nos últimos 10 anos. Os sírios foram o povo que mais recebeu o reconhecimento (2.771), seguido pelas pessoas da República Democrática do Congo (953), da Colômbia (316), da Palestina (295) e do Paquistão (250).

Refugiados no mundo

Segundo um relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), de 2016. 65,6 milhões de pessoas foram obrigadas a deixar seus países de origem por algum tipo de conflito. Ao todo, 22,5 milhões foram reconhecidos como refugiados em algum país, enquanto 2,8 milhões ainda estão aguardando a solicitação ser aceita.

Ao todo, 55% dos refugiados do mundo inteiro são originários da Síria (5,5 milhões), Afeganistão (2,5 milhões) e Sudão do Sul (1,4 milhões). Já a Turquia é o país que mais abriga refugiados no mundo (2,9 milhões), seguido por Paquistão (1,4 milhões) e Líbano (1 milhão).

De acordo com os dados do relatório da Acnur, o continente americano abriga 692.700 pessoas em condições de refúgio.

 

Leia também: Por que  migrantes climáticos não tem status de refugiados?

Fontes:
Ministério da Justiça-De 10,1 mil refugiados, apenas 5,1 mil continuam no Brasil

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. q1z\''q disse:

    não sou contra refugiados quando o motivo ser de ordem climática,ou catástrofes como abalos sísmicos etc.refugiados como os que estamos recebendo é sem dúvida alguma uma prova de que o povo da nação em questão,são covardes.deveriam ficar em suas origens e lutar para por ordem em tudo o que estiver errado.eles não tem o amor e respeito pela nação que os adotar.se no Brasil a situação dos mesmos não lhes der o que querem,irão escolher outro lugar como vitima para se refugiarem.atualmente temos problemas de ordem interna com as quais nos preocupam e,nem mesmo assim estamos invadindo nossos vizinhos.o respeito ao nosso solo deve ser preservado.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *