Início » Brasil » Búfalos são usados em rondas policiais na ilha de Marajó
Patrulha inusitada

Búfalos são usados em rondas policiais na ilha de Marajó

Patrulha com búfalos cria um cenário inusitado que ajuda a polícia local a se livrar do estigma da violência

Búfalos são usados em rondas policiais na ilha de Marajó
A ilha de Marajó tem o maior rebanho de búfalos do Brasil (Foto: Flickr)

Quem visita a ilha de Marajó, no Pará, presencia um inusitado método de patrulha policial. Agentes da polícia local fazem a ronda na ilha montados não em cavalos ou motos, mas em búfalos.

Com cerca de 450 mil cabeças, a população de búfalos em Marajó supera até a humana, de cerca de 250 mil. A forma como o animal chegou à ilha ainda é desconhecida. Uma lenda local diz que eles chegaram no século XIX, quando um navio asiático que carregava búfalos afundou perto da Guiana Francesa, obrigando os animais a nadar até a ilha.

A ideia de usar o animal em patrulhas policiais surgiu da naturalidade com que eles interagem com os habitantes. O exótico animal de pelo escuro, grandes chifres e cerca de meia tonelada está em quase todos os lugares. Ele é usado para catar lixo, para auxiliar na agricultura e também como alimento.

“A importância do búfalo para Marajó nos fez pensar ‘Por que não usá-los para patrulhamento?’”, disse o major Francisco Nóbrega ao jornal New York Times. Apesar da aparência ameaçadora, o búfalo é um animal dócil e calmo. Seus cascos grandes e fortes permitem que os agentes passem com facilidade pelas partes pantanosas de Marajó. Além disso, eles são bem resistentes ao calor da ilha, que fica na linha do Equador.

A patrulha com búfalo também cria um cenário diferente que ajuda a polícia local a se livrar do estigma da violência. “Estar montado no búfalo torna mais fácil a abordagem, o que facilita o trabalho”, diz o agente Claudio Vitelli, que diariamente faz rondas montado no animal.

Fontes:
The New York Times-To Soften Image, Brazilian Police Ride In Atop Horned Beasts

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *