Início » Brasil » Burocracia dá lugar a criador de partido profissional
Sopa de letrinha

Burocracia dá lugar a criador de partido profissional

A arte de dominar a burocracia partidária vira terreno fértil para advogados em Brasília

Burocracia dá lugar a criador de partido profissional
Marina em encontro com liderança da Rede após o primeiro turno. Ex-senadora não recorreu à ajuda de profissionais para registrar legenda dentro do prazo (Foto: Agência Brasil)

Criar uma sigla partidária no Brasil não é tarefa para principiantes. Os pretensos donos de legendas precisam investir entre R$ 300 e R$ 400 mil na contratação de um especialista em registro partidário. O cálculo é do advogado Marcílio Duarte, profissional do ramo, que nos últimos 30 anos ajudou a fundar nada menos que sete legendas: PTR, PST, Prona, PTN, PGT, PSL e Solidariedade. Trabalha, agora, para viabilizar uma oitava, o Partido da Integração Social e Cidadania (PISC). Marina Silva o esnobou, tentou viabilizar a Rede sem recorrer a profissionais, e deu no que deu.

A lei eleitoral exige a coleta de 484 mil assinaturas de apoio ao futuro partido, portanto, o número de pessoas contratadas para a tarefa determina o tempo para concluir o recolhimento, explica Duarte. Cem pessoas conseguem em 80 dias. Dez indivíduos vão penar 800 dias, diz.

O esforço é compensado pela parcela do Orçamento da União oferecida pelo Fundo Partidário às legendas com registro. Em 2015, essa verba foi triplicada na comparação com 2014, chegando a R$ 867 milhões. O dinheiro público representa 90% do orçamento de 17 dos 32 partidos do país. Este ano, porém, novos partidos não terão mais acesso automático ao Fundo. Primeiro, terão de eleger representantes no Congresso.

O negócio de fabricar partidos evolui a todo vapor no país. Se as atuais mobilizações de assinaturas forem bem-sucedidas, o número de partidos no Brasil pode saltar de 32 para cerca de 50 nos próximos anos. Há quatro processos tramitando hoje no Tribunal Superior Eleitoral (TSE): o Partido Novo, o da Mulher Brasiliera (PMB), o Liberal (PL) e do Servidor Público e Privado. Além da Rede, também está na fila a refundação do Partido da Reedificação da Orden Nacional (Prona), que já tem 250 mil assinaturas.

.

Fontes:
O Globo - Blog do Moreno - Partidos existentes no Brasil podem saltar de 32 para cerca 50

1 Opinião

  1. Hugo Leonardo Filho disse:

    E por falar em letrinha, melhor manchete seria: “Burocracia dá lugar a profissional criador de partido.”

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *