Início » Brasil » Cabral no governo Dilma
Coluna Esplanada

Cabral no governo Dilma

Governador do Rio deve ser nomeado ministro de Dilma Rousseff na virada de 2013 para 2014

Cabral no governo Dilma
Convite partiu da própria presidente, há quatro meses (Fonte: Reprodução/O Globo)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O governador do Rio, Sérgio Cabral, deve ser nomeado ministro de Dilma Rousseff na virada de 2013 para 2014, quando pretende deixar o governo para o vice, Luiz Fernando Pezão. O convite partiu da própria presidente, há quatro meses, durante agenda oficial no Rio. Dilma estava na base aérea do Galeão e chamou o governador dentro do carro para conversar. Ficaram sós por uma hora. Ela disse que o quer no governo assim que ele decidir. E que dará total apoio a Pezão, seu candidato à sucessão.

Tá explicado

O convite oficial de Dilma explica a peregrinação de agradecimento que Cabral fez com Eduardo Paes na segunda-feira, quando a visitaram em Brasília e Lula em São Paulo.

Qualquer um

Dilma não indicou ainda em qual ministério alojar o governador. Se não em Minas e Energia, outras opções são Transportes ou Cidades. Cabral sonha com visibilidade.

Só festa

Na reunião de segunda no Planalto, Dilma não tocou no assunto. Um membro da comitiva resumiu o encontro: ‘Só foi festa’. Com Lula, avaliaram cenário nacional.

Caravaggio Express

O Planalto acertou em sediar a exposição de Caravaggio, mas errou num item. São apenas 15 minutos por grupo. Para se ter uma ideia da importância do pintor, 12 telas do italiano foram expostas em 2010 no Museo Quirinale, em Roma, aberto 24 horas no verão. Demorou-se até 4h30 numa fila na madrugada de uma segunda para entrar.

Bodas & susto

O presidente do Congresso, José Sarney, adiou para depois do 2º turno das eleições a visita à Basílica do Pai Eterno, em Trindade (GO), onde vai ganhar missa pelos 60 anos de união com dona Marli. Ela levou um tombo ontem e está internada.

Remédio$

O deputado Reguffe (PDT-DF) denuncia o que classifica de ‘corrupção de prioridades’ na pauta do Planalto. Reclama de isenções seguidas de IPI para linha automotiva enquanto está parado seu projeto que isenta os remédios de impostos em 35,7%.

Ficha Limpa

Apesar do sumiço da UNE, um grupo de manifestantes de Catalão (GO), com apitos e vassouras, protestou em frente ao STF cobrando a aplicação da Ficha Limpa.

Acarajé eleitoral

Em Salvador, PRB, PSOL e PMDB conversam com Pelegrino (PT), que disputa o 2º turno contra ACM Neto (DEM). Mas em Feira de Santana, o PMDB está com o DEM.

No bolso

O deputado Afonso Florence (PT-BA) reclama do jogo mole dos colegas. Não consegue avançar com relatório sobre o fim dos 14º e 15º salários da classe. ‘Mesmo que haja explicação, não se justifica’, frisa. Após relatório, tudo depende do colégio de líderes.

Fronteira free

Presidente da Câmara, Marco Maia (PT) está todo alegre. Presidente Dilma sancionou a lei que propôs sobre instalação de free shops nas cidades das fronteiras. Inicialmente, serão liberadas em 28 cidades – 10 na fronteira do Rio Grande com Uruguai.

Bola de Cristal

Até um site criado pelo sindicato de engenheiros, gente que entende bem do assunto, duvida das obras prontas 100% para a Copa. No www.portal2014.org.br , divulgam os nomes dos responsáveis em cada estádio ‘pelo sucesso (ou fracasso) do evento’.

Livres, livres

Os mensaleiros e seus advogados estão confiantes de que, apesar da condenação no STF e linchamento público, vão passar longe da porta da cadeia. Dependendo do tempo de pena, o juiz pode punir com… serviços comunitários.

Câmara Cult

Vem aí o Centro Cultural da Câmara dos Deputados, com salões, cinema e teatro. Estuda-se um decreto pela Presidência da Casa, com sede construída em futuro anexo.

Leandro Mazzini é jornalista e escritor

Tom & Jerry

Quando pensavam que tudo ia acalmar, eis a peça que o STF prega-se: Joaquim Barbosa presidente e Ricardo Lewandowski de vice. Audiência total na TV Justiça.

Ponto Final

Dica para os pais de presente para amanhã: carinho e educação. Lembrem-se de que Sadam, Kadafi, Osama, Hitler e Mussolini já foram crianças.

Com Marcos Seabra e Vinícius Tavares

www.colunaesplanada.com.br
contato@colunaesplanada.com.br
Twitter @colunaesplanada

* É proibida a reprodução total ou parcial da coluna sem a prévia autorização do editor da Esplanada

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Arnaldo Ribeiro disse:

    “Quem nunca teve uma namoradinha que teve que abortar” – O desgovernador Sérgio Cabral quando fala de improviso revela que é um Fora da Le

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    É por isso que acontece um verdadeiro pandemônio nos ministérios brasileiro, um senhor é indicado e será que o mesmo conhece daquela pasta, se ele tem capacidade de dirigir o citado ministério ou é só porque ele é aliado sacode ele lá e P Q P para os brasileiros.

  3. Antonio Ribeiro Guimarães disse:

    Enquanto não se completar a transição do estado de exceção para o democrático pleno,que é preciso termos
    um judiciário defensor dos direitos de fatos, em seus julgamentos imparciais;transparentes, para aparar os
    atritos políticos ou, não;( e não,pelo direito jurídico mal intencionado dos eleitos com os seus elegentes,,atritantes),
    que exigem as transparências, das instituições, com independências políticas da presidência da república e correlacionadas com a nação, não conseguiremos separar o joio do trigo. Para isso o juiz precisa ser juiz para comba-
    ter os crimies políticos(praticados por políticos)para moralizá-lo,
    O jurista não pode ser juiz,sem os seus devidos preparos morais; o direito juridico é imoral e o direito de fato.moral. O direito
    jurídico,no Estado Demoráco de Direito, é reclamante ao direito de fato. A defesa e a acusação tem toda independência
    para reclamar ao juizo os reclamos de seus clientes e o juizo tem toda indepenpendência para julgar os seus recla-
    mos de acordo com os lícitos e os ilícitos dos seus clientes praticados, sejam meliantes comuns ou ministros de
    estado, ou simplesmentes, políticos..

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *