Início » Brasil » Cai a tese do impeachment
Coluna Esplanada

Cai a tese do impeachment

Denúncia do Procurador Geral da República contra o presidente da Câmara derrubou a tese do impeachment da presidente Dilma

Cai a tese do impeachment
Para Cunha, palavra é o que segura sua credibilidade (Fonte: Reprodução/Antonio Cruz/Agencia Brasil)

A denúncia do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), derrubou a tese do impeachment da presidente Dilma Rousseff, defendida pelos mais vorazes aliados eduardianos na Câmara. Até ontem, oito pedidos possíveis de validade estavam na gaveta de Cunha prontos para a CCJ. Mas o próprio presidente desistirá. Para Cunha, palavra é o que segura sua credibilidade. Ele deu garantias de que, a despeito da denúncia, não atuaria no cargo com retaliação. Cunha, porém, convocou os líderes aliados para o blindarem.

Na defensiva

O discurso dos aliados está pronto: desqualificar o delator, cravar que o STF derruba a denúncia, citar que não há prova, embora delação seja acompanhada de documentos.

Tomou Doril…

‘Estou com Júlio Camargo, você enlouqueceu?’, disse Lobão na escuta da PF, para Eduardo Cunha. A gravação sugere que o senador, que sumiu de Brasília, sabe de tudo.

Devassa no altar

Os repasses de Fernando Baiano de R$ 250 mil em nome de Cunha para a Assembleia de Deus no Rio complicam o bispo Manoel Ferreira, líder nacional da Igreja.

Curto-circuito

A Federação Nacional dos Engenheiros prepara manifesto contra o risco iminente de privatizações no setor de energia. A mobilização se volta às distribuidoras de energia, estaduais e federais, que correm o risco de não terem renovadas suas concessões.

Celg, primeiro desafio

A FNE é contra a privatização das distribuidoras e favorável à renovação das concessões. Parte da mobilização prevê audiências com o Ministério de Minas e Energia, Aneel, Eletrobras e TCU. Mas como ação emergencial, a FNE foca na defesa da CELG, em Goiás, cujo processo de privatização já está em curso.

Tensão na carteira

Pedro Paulo Leoni, ex-ministro do agora senador Collor denunciado na lista do PGR Janot, cuida de um milionário fundo de investimentos de empresários paulistas.

Aquele abraço

O voto do ministro Gilmar Mendes do STF a favor da descriminalização do porte de drogas foi visto entre juristas como afago ao ex-presidente FHC, defensor da proposta.

Tititi no café

Repercutiu na sala do cafezinho dos ministros do STF o discurso do advogado Paulo Fernando Melo como amicus curiae no julgamento da ação sobre a descriminalização do porte de drogas. Fez pelo menos dois ministros levarem a sério os seus tópicos.

Cenários

No ponto alto, que surpreendeu advogados — um deles disse ‘você pegou pesado!’ –, Melo questionou: ‘Vossas Excelências deixariam seus netos com uma babá usuária de crack?, Nomeariam assessor de gabinete que durante o expediente cheirasse cocaína?’.

Faltou o cardápio

Os defensores de Eduardo Cunha vão começar a colocar sob suspeita o jantar que Rodrigo Janot e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, tiveram em Buenos Aires meses atrás. Por que lá e por que não divulgado na agenda?

Voldemort

Alguns membros da CPI dos Fundos de Pensão estudam fazer devassa nos investimentos nos shoppings. O Refer, por ex., dos funcionários da Rede Ferroviária Federal, já teve forte ingerência do apenado Valdemar da Costa, dono do PR.

Crise erudita

A presidente Dilma está com o inglês afinado. Foi na língua de Obama que recebeu a chanceler Angela Merkel. Nas poucas distrações, Dilma estuda e ouve música clássica.

Coincidência

A denúncia contra Cunha, o maior adversário hoje de Dilma, saiu no mesmo dia em que o PT se manifestou contra ‘golpe’ em várias praças do País. Mas… é só coincidência.

Ponto Final

A ABI criou em seu site o link SOS Jornalistas, para publicação de ameaças e casos de violência contra jornalistas no exercício da profissão. Para a Repórteres Sem Fronteiras, ao lado do México e países africanos ditatoriais, o Brasil figura na triste lista de mortes.

Com Equipe DF, SP e Nordeste

5 Opiniões

  1. Áureo Ramos de Souza disse:

    Sinceramente eu não entendo nosso país, nossos políticos de lutarem pela melhoria lutam por suas melhorias e de seus companheiros, é o caso Lula Dilma que se encontram em um mar de lama e ainda tem brasileiros que odefendam. Sou a favor Almanakut intervenção constitucional, que não ´pe golpe militar. Sei lá sabe, onde vai parar o Brasil, quero entender i fico no Sei lá sabe!!!

  2. Joaquim Caldas disse:

    Edu Cunhão murchou?

    O Impeachment já caiu,porem, Dilma voltou.
    O ato de impeachment foi praticado nas ruas,com certeza Dilma nunca foi legalmente eleita.Quem elegeu Dilma foi Cuba! Dá pra entender onde estamos?

  3. Ludwig Von Drake disse:

    Descriminalizando o porte de drogas, pelo princípio constitucional da isonomia, a receptação para outras atividades criminosas também teria que ser descriminalizada.

  4. Almanakut Brasil disse:

    Impeachment trouxe mais prosperidade para o Collor!

    É como o DDT da mosca na sopa, só que a mesma volta!

    Se o corrupto não sair e a impunidade insistir em imperar, só resta a Intervenção Constitucional, que não é golpe militar!

    Caso contrário, rumo ao caos!

  5. Honorio Tonial disse:

    ASSASSINAR UM JOSRNALISTA DEVERIA SER CRIME HEDIONDO

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *