Início » Brasil » Cármen Lúcia nega boatos sobre presidência da República
PRESIDENTE DO STF

Cármen Lúcia nega boatos sobre presidência da República

'Estou no lugar que eu tenho a obrigação constitucional de estar e estarei com muito gosto', afirmou presidente do STF

Cármen Lúcia nega boatos sobre presidência da República
Presidente do Supremo ressaltou que 'as instituições estão funcionando' e que 'o Brasil está dando uma demonstração de maturidade democrática' (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta sexta-feira, 19, em uma conversa informal com jornalistas, que pretende permanecer na magistratura “até o último dia”, negando boatos de que poderia eventualmente assumir a presidência da República.

Leia também: Boatos atiçam o movimento pró-intervenção militar
Leia também: Antes de escândalo, Temer queria se lançar à presidência

“Estou no lugar que eu tenho a obrigação constitucional de estar e estarei com muito gosto”, ressaltou Cármen Lúcia durante a conversa que durou poucos minutos. A presidente do Supremo disse ainda que foi “muito honrada de ter tido oportunidade de ser juíza, me sinto muito bem na magistratura e, se Deus quiser, até o último dia que eu estiver aqui, que eu tiver saúde, condições de estar aqui, eu vou estar cumprindo a minha função com o mesmo gosto que eu cumpro hoje. Ser juiz não é fácil, não é alegre, mas é a função que a gente exerce”.

Desde o escândalo envolvendo as gravações feitas pelo dono da JBS contra o presidente Michel Temer tem circulado nos bastidores a possibilidade de Cármen Lúcia assumir a presidência da República em uma eventual eleição indireta.

Questionada pelos jornalistas sobre a atual crise política no país, Cármen Lúcia afirmou que “preocupada com o Brasil nós estamos o tempo todo. O papel do poder Judiciário, no que a democracia ajudar, nós estamos fazendo. As instituições estão funcionando, o Brasil está dando uma demonstração de maturidade democrática. Os percalços fazem parte das intempéries”.

A presidente do Supremo disse ainda que a pauta de julgamentos de junho deve ser elaborada na próxima semana e que serão priorizados processos de repercussão geral. “Estamos julgando normalmente. Está tudo andando porque tem de andar mesmo”, concluiu Cármen Lúcia.

Fontes:
Uol - Cármen Lúcia rebate rumores sobre Presidência: na magistratura 'até o último dia'

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. laercio disse:

    … As instituições brasileiras estão funcionando…
    … Estamos dando uma aula de democracia…

    Eu não consigo entender tais afirmações! Eu até me esforço mas não consigo!

    As instituições estão cegas, mudas e surdas! As maracutaias só aparecem porque seus participantes erram na divisão do bolo…
    Estamos vivendo os últimos 30 anos com muitas misérias ocasionadas por política! As instituições nada fizeram ou falaram;
    … Maturidade democrática?
    Nossa democracia está sustentada em leis com brechas que propiciam advogados com boa formação explora-las, aumentando sua receita em detrimento da nação!
    Não vejo nenhuma aula de democracia mas sim um jogo covarde de concentração de renda que nunca permite sossego para o miserável tentar seu lugar ao sol…

  2. Lucinda Telles disse:

    “‘Estou no lugar que eu tenho a obrigação constitucional de estar e estarei com muito gosto’, afirmou presidente do STF”.

    Como dizia o Coronel Odorico, prefeito de Sucupira, “palavras são palavras, nada mais do que palavras”. A ministra tem estudo, ela sabe que suas palavras valem inclusive se ela ocupar a presidência da república.

  3. Beraldoee pessosl disse:

    Rainha da Inglaterra.

    Mais uma vez acabou de dizer qur não vai fazer nada.

    Nenhuma novidade.

  4. Maurício Saraiva disse:

    A mesma Constituição a coloca na linha sucessória e, além disso, ela tem o prestígio necessário para esse momento de crise. Cármen Lúcia deveria assumir provisoriamente e depois ser eleita pelo Congresso. As restrições da lei eleitoral não se referem a esta eleição e sim às eleições diretas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *