Início » Brasil » Risco do zika vírus na Olimpíada: realidade ou paranoia?
SAÚDE

Risco do zika vírus na Olimpíada: realidade ou paranoia?

Para a OMS, adiar ou mudar os Jogos de cidade não vai alterar muita coisa

Risco do zika vírus na Olimpíada: realidade ou paranoia?
Mosquitos transmissores de dengue e zika vírus (Foto: YouTube)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Quando mais de 200 acadêmicos e especialistas em saúde assinam uma carta aberta dizendo que manter a Olimpíada no Rio de Janeiro não é ético, já que, segundo eles, isso iria acelerar a propagação do zika vírus, a população poderia ficar preocupada. A proposta de adiar ou de mudar a competição de lugar teve, no entanto, uma repercussão bastante controversa. A informação é da revista Economist.

Leia mais: Americanos podem estar mais vulneráveis ao zika do que deveriam
Leia mais: Agência de saúde dos EUA afirma que zika causa microcefalia

O contágio pode ser silencioso e assintomático. O maior perigo é para as grávidas, já que o vírus pode causar microcefalia em fetos. Por isso, é aconselhável que estas mulheres evitem locais onde o zika vírus é transmitido, como o Rio de Janeiro. No entanto, a preocupação daqueles que assinaram a carta não é a microcefalia em si. Mas, um dano em maior escala. A preocupação é que os turistas, que vêm para os Jogos, espalhem o vírus em seus países de origem, acelerando uma possível epidemia global. Afinal de contas, é esperado que 500 mil turistas venham para as Olimpíadas. Entretanto, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), adiar ou mudar os Jogos de lugar não vai alterar muita coisa. Afinal de contas, o vírus já está presente em 60 países.

Até agora, o número de casos de dengue, que é transmitida pelo mesmo mosquito que o zika vírus, foi quase o dobro do que o mesmo período do ano passado. No entanto, isto não revela exatamente que as medidas de precaução são ineficientes. Afinal, a taxa de transmissão de dengue depende muito da quantidade de chuvas daquele período. Para o coordenador de Vigilância e Respostas às Emergências do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira, a quantidade de mosquitos vai cair bastante na época dos Jogos, porque agosto é um mês tipicamente seco.

Os autores da carta questionam a imparcialidade da OMS, suspeitando certa ligação da instituição com os organizadores das Olimpíadas. Segundo a revista, talvez, isto já seja paranoia demais.

 

Fontes:
Economist-Should I stay or should I go?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *