Início » Brasil » Cartel da Lava Jato detém 90% dos projetos olímpicos
EMPREITEIRAS

Cartel da Lava Jato detém 90% dos projetos olímpicos

Levantamento mostra que as mesmas empreiteiras investigadas na Lava Jato detém R$ 28,5 bilhões dos R$ 31,2 bilhões em contratos para obras das Olimpíadas do Rio

Cartel da Lava Jato detém 90% dos projetos olímpicos
Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS e Queiroz Galvão se revezam em vários consórcios (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um levantamento feito pela Agência Pública listou as empreiteiras responsáveis por cada empreendimento relacionado às Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Os dados foram levantados a partir de informações da Autoridade Pública Olímpica (APO).

Os dados mostram que as empreiteiras Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS, Queiroz Galvão e a Carioca Christiani Nielsen revezam-se em vários consórcios que totalizam R$ 28,5 bilhões dos R$ 31,2 bilhões em contratos calculados pela APO. Trata-se do mesmo grupo de empreiteiras investigado por cartel em obras da Petrobras na Operação Lava Jato.

O prefeito Eduardo Paes (PMDB) afirma com veemência que boa parte dos projetos está sendo bancada pelo setor privado. No entanto, o levantamento da Agência Pública cita o exemplo da Parceria Público-Privada (PPP) feita para as obras do Parque Olímpico. Dos R$ 1,5 bilhão do suposto investimento privado, R$ 850 milhões correspondem a terras públicas que foram privatizadas e R$ 300 milhões a um aumento de gabarito para construção de prédios no terreno da região, também cedido pela prefeitura.

“Também na Vila dos Atletas, a APO calcula o valor da terra privada e o empréstimo da Caixa como recursos privados. Não há coerência na metodologia. Por que isso? Porque, se os recursos são privados, não é necessário realizar o debate público sobre o investimento”, diz Renato Cosentino, do Comitê Popular Rio Copa e Olimpíadas.

Pesquisadora da PPP do Porto Maravilha, Mariana Werneck também criticou a atuação da prefeitura. Segundo ela, “além de tratar dinheiro do FGTS como investimento privado, eles continuam colocando o Porto Maravilha – que nada mais tem a ver com os Jogos – dentro do cálculo, para aumentar a conta da iniciativa privada”.

Fontes:
Congresso em foco-Cartel da Lava Jato participa de mais de 90% dos investimentos na Olimpíada

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *