Início » Brasil » Ceará transfere chefes de facção para presídio federal
ONDA DE VIOLÊNCIA

Ceará transfere chefes de facção para presídio federal

Por questão de segurança, identidades e o destino dos detentos não foram revelados. Estado sofre com onda de ataques desde a última quarta-feira, 2

Ceará transfere chefes de facção para presídio federal
Força Nacional chegou ao estado no último sábado, 5 (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A onda de violência no Ceará parece longe de chegar ao fim. Como forma de tentar combater a criminalidade, a Secretaria de Administração Penitenciária do estado anunciou que encaminhou um chefe de facção para um presídio federal de segurança máxima, e outros 19 detentos também serão transferidos.

Apesar das identidades e destino dos detentos não serem revelados, sabe-se que, entre os presos, estão líderes de facções que atuam no estado, como o Comando Vermelho (CV) e Guardiões do Estado (GDE). Mais detentos podem ser transferidos nos próximos dias.

Diante da grande onda de violência, que já totalizou 125 ataques em menos de uma semana, o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) disponibilizou 60 vagas em presídios federais para detentos do Ceará. O estado tem sofrido com ataques organizados por criminosos, com destruição de veículos, agências bancárias, comércio, órgãos públicos, entre outros.

As ações seriam uma represália de facções criminosas às ações anunciadas pelo governo do estado. O governador do Ceará, Camilo Santana (PT-CE), afirmou que vai endurecer as regras no sistema carcerário estadual. O secretário de Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque, prometeu fiscalizar com mais rigor a entrada de celulares em presídio.

Nos últimos dias, mais de 400 celulares e aparelhos de televisão foram apreendidos nos presídios, de onde os crimes teriam sido ordenados. Diante da violência, as visitas foram suspensas em duas unidades prisionais.

Ao todo, o estado conta com mais de 29,5 mil detentos, incluindo prisões provisórias e regime semiaberto. A quantidade, porém, ultrapassa o número de vagas estaduais, que somam 13 mil em todo o estado, uma superlotação de quase 60%. Até o último domingo, 6, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) do Ceará confirmou 110 prisões de suspeitos envolvidos nos ataques. Pelo menos três pessoas já morreram, em confronto com forças de segurança.

Pela extensão dos ataques, a Força Nacional de Segurança foi mobilizada para o estado no último sábado, 5. Os agentes federais, que permanecerão no Ceará por 30 dias, estão atuando em pontos-chave do estado, dando suporte à segurança local. Desde a chegada dos agentes, segundo o MJSP, as ações criminosas caíram.

Segundo os dados, foram 45 ataques na última quinta-feira, 3, e 38 no último sábado, 5. Enquanto isso, as ações foram reduzidas para 23 no último domingo, 6.

Novos ataques

Mais um dia de onda de violência foi iniciado na madrugada desta segunda-feira, 7. Bandidos incendiaram ambulâncias, enquanto uma loja de móveis foi atacada em Fortaleza, capital do estado, e uma rádio e a Câmara dos Vereadores da cidade de Icó (CE) foram alvos de tiros.

 

Leia mais: Ceará registra mais sete ataques após chegada da Força Nacional

Fontes:
Agência Brasil-Ceará transfere 20 chefes de facções para presídios federais
G1-Ceará transfere chefe de facção para presídio federal em meio à onda de ataques
G1-Criminosos atacam estação ambiental, rádio e Câmara dos Vereadores no 6º dia de violência no Ceará

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *