Início » Brasil » Celebrado curso de políticos tem aulas de ‘liderança adaptativa’ e ‘construção de narrativas’
FORMANDO POLÍTICOS

Celebrado curso de políticos tem aulas de ‘liderança adaptativa’ e ‘construção de narrativas’

RenovaBr forma turma de 1.400 candidatos a candidatos nas eleições municipais de 2020

Celebrado curso de políticos tem aulas de ‘liderança adaptativa’ e ‘construção de narrativas’
Curso forma lideranças comprometidas com uma espécie de 'tríade do bem' (Foto: RenovaBr/Facebook)

“Às vezes parece que a política brasileira não tem jeito. Que os candidatos são todos iguais, que as coisas nunca vão mudar. Isso é mais que uma mentira. É uma armadilha. Eles querem que você pense assim”.

“Eles”, bem, não se sabe exatamente quem “eles” são. Talvez sejam os representantes da “velha política”, essa categoria turva, imprecisa, chavão cavalgado pelo atual presidente da República Federativa do Brasil durante a campanha eleitoral de 2018, não obstante ser Jair Bolsonaro um carreirista legislativo de longa data e de estreita produção, nos dois sentidos. De frutos, as carreiras políticas dos seus três filhos mais velhos. Coisas da “velha política”.

Quem fala em “eles”, porém, apresenta-se claramente, ou quase. Trata-se do RenovaBr, uma espécie de cursinho intensivão que tem o objetivo de preparar novas lideranças para entrar na política partidária brasileira; lideranças comprometidas com uma espécie de “tríade do bem”: honestidade, diálogo e dedicação.

Que honestidade, diálogo e dedicação sejam, desde sempre, junto com “bandido bom é bandido morto!” e “meu nome é Enéas!”, que sejam clássicos das aparições relâmpago de candidatos mil na propaganda eleitoral na TV, que sejam as promessas da “velha política”, bem, passemos à aula de Olga Curada, “gestora de imagem”, “desenvolvedora da comunicação de líderes” e professora de Media Training do RenovaBr.

Terão aula com Olga, à distância, os 1.400 candidatos a candidatos selecionados pela banca do RenovaBr para fazer o curso RenovaBr Cidades, passando, inclusive, por “teste de honestidade” e visando as eleições municipais do ano que vem. O número é mais de 10 vezes maior do que o da última turma do RenovaBr, formada visando as eleições do ano passado.

Em 2018, 133 pessoas de todo o Brasil fizeram o curso, que é dividido em módulos de “Ética e Liderança”, “Temas de Brasil”, “Dinâmica Institucional” e “Comunicação Política”, com aulas, além de Media Training, de “liderança adaptativa”, “estruturação de time”, “das ruas à rede” e “construção de narrativa”, disciplina ministrada pelo argentino Guillermo Raffo, “experto em discurso político e criativo” que já “coordenou campanhas presidenciais, estaduais e municipais” – aparentemente da “velha política”.

CoachingBr

O RenovaBr, fundado em 2017, já pode fazer um outdoor como os dos cursinhos pré-vestibular que emplacam futuros doutores nos primeiros lugares do Direito, Medicina e Engenharia. Daqueles 133 alunos, 17 se elegeram para o Congresso Nacional e assembleias estaduais, por diversos partidos. Diversos mesmo: do PSL ao PDT, passando pela Rede, partido de Joênia Wapichana, primeira mulher indígena eleita para a Câmara dos Deputados, caso único da “bancada RenovaBr” de voto contrário à reforma da Previdência.

Pelo PDT, elegeu-se em 2018 para a Câmara dos Deputados a formada pelo RenovaBr Tabata Amaral, que ganhou notoriedade no início do ano ao confrontar duramente, mas sem perder a ternura, o ex-ministro da Educação Ricardo Vélez Rodríguez – que, desconcertado por Tabata, começou ali a virar “ex”, abrindo ala para Abraham “Chocolatinhos” Weintraub.

Há poucas semanas, Tabata voltou à ribalta após contrariar a orientação do seu partido votando a favor da reforma da Previdência. Ciro Gomes e Carlos Lupi, presidente do PDT, classificaram a filiação de Tabata ao partido como um “erro”. Ciro chegou mesmo a dizer que Tabata precisava se decidir entre o compromisso com o partido ou com o cursinho intensivão.

O RenovaBr, segundo o RevonaBr, não é nem partido, nem “apenas” um movimento, mas “uma iniciativa que nasceu na sociedade civil”. A iniciativa, porém, não partiu de alguma entidade de representação da sociedade civil, mas de Eduardo Mufarej. Fundador do RenovaBr, Mufarej é um conhecido carreirista do mercado financeiro, ex-BRF, atual presidente do Conselho da Confederação Brasileira de… Rugby.

A sociedade civil brasileira está representada nos parceiros oficiais do RenovaBr pela consultoria americana Kroll, pela consultoria britânica PwC, pela Kallas, empresa de “Mídia Out Of Home”; e nos parceiros extraoficiais, como Luciano Huck, que foi votar nas eleições 2018 vestindo uma t-shirt da iniciativa de Eduardo Mufarej.

Entre os parceiros do RenovaBr está lá também, dando o maior apoio, a Sociedade Brasileira de Coaching, que, por sua vez, ensina a “desenvolver competências de peak performer”. Porque é a isso, a coaching, que “eles” querem reduzir a sociedade civil, a política e a democracia brasileiras, ou o que hoje ainda resta de todas elas.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *