Início » Brasil » Centrão condiciona votos à reforma ministerial
COLUNA ESPLANADA

Centrão condiciona votos à reforma ministerial

Líderes do grupo negociam votos à Reforma da Previdência a uma minirreforma ministerial para ocupar pastas atualmente sob o comando do PSDB

Centrão condiciona votos à reforma ministerial
Além do Centrão, o PMDB também cobrou cargos de Temer esta semana (Foto: EBC)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Líderes dos partidos do grupo chamado “Centrão” – formado pelo PR, PP, PRB, PTB, PSD, entre outros – condicionam os votos favoráveis à versão enxuta da Reforma da Previdência a uma minirreforma ministerial para ocupar pastas e cargos que atualmente estão sob o comando do PSDB. O presidente Michel Temer, por ora, resiste à pressão dos aliados e aguarda a decisão do tucanato antes de dezembro – pela permanência ou desembarque do Governo – para iniciar as mudanças na  Esplanada dos Ministérios.

Infiéis

Além do Centrão, o PMDB também cobrou de Temer esta semana os cargos ocupados por apadrinhados de deputados que votaram a favor da segunda denúncia.

Populista

O presidente Michel Temer até cogitou, mas repreendido pela equipe econômica desistiu do anúncio do reajuste de Bolsa Família.

Agora, vai?

O Governo vai lançar o programa ‘Agora é Avançar’ , com verbas liberadas para Minha Casa, Saúde, Educação e mais creches em mais de 3 mil municípios.

Contramão

A venda de carteiras de cigarros com menos de 20 unidades é proibida no Brasil. Mas nada justifica a proibição de exportação de maços com 10 unidades, para países que permitem este comércio. Esta medida contribuiria para atenuar o impacto do mercado ilegal que somente nos últimos dois anos fechou uma fábrica de cigarros, demitiu milhares no setor, viu evaporar R$ 10 bilhões em impostos e fomentou a criminalidade.

Fundo

Deputados da bancada nordestina pressionam o relator-geral do orçamento de 2018, deputado Cacá Leão (PP-BA), por mais recursos para Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).

Cortes

O orçamento do Fundo – ligado à Sudene e operado pelo Banco do Brasil, Caixa Econômica e Banco do Nordeste – despencou de R$ 1,5 bilhão para R$ 440 milhões entre 2016 e 2017.

Vaquinha

Em 13 dias, a “vaquinha virtual” organizada pelo PT arrecadou R$ 101.116,01 para pagar as contas da caravana do ex-presidente Lula por Minas Gerais.

10 x 1

Com a aprovação de seu décimo projeto, sobre busca de desaparecidos, deputada Maria do Rosário (PT-RS) abre nove de vantagem do seu principal detrator, Jair Bolsonaro.

Oito por hora

Em média, 190 pessoas desapareceram por dia nos últimos dez anos, oito por hora, de acordo com Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Congelamento

A Medida Provisória 805, que prevê o adiamento do reajuste do funcionalismo, recebeu 255 emendas de deputados e senadores contrários à decisão do Governo de congelar o aumento salarial de várias categorias – como policiais federais, professores e auditores da Receita Federal – para ajustar as contas.

Aliados

O PT lidera o ranking de emendas à MP do congelamento de salários. O partido apresentou 128 requerimentos de alteração à medida em discussão em comissão especial no Congresso. O PMDB, partido de Temer, apresentou apenas uma, e o PSDB, principal legenda da base aliada, protocolou quatro emendas à proposta.

Mentiroso

Senador José Medeiros (Pode-MT) chama de “mentiroso” o discurso da oposição contra as privatizações ao lembrar que o Brasil perdeu R$ 5 bilhões com a estatização de toda a cadeia da Petrobras na Bolívia “sem providências de ressarcimento pelo Governo Lula”.

Precoces

O Brasil é 3º colocado em ranking de casamentos precoces na América Latina. Fica atrás apenas de Nicarágua e República Dominicana. O dado é da ONG Promundo. Estudo da entidade mostra que, no Maranhão e Pará, em geral, as meninas se casam com homens em média 9 anos mais velhos e chegam aos 15 anos de idade já com o primeiro filho.

Ponto Final

“Nomes temos; propostas, o Brasil não conhece”

Da senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), sobre a antecipação da disputa à Presidência.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *