Início » Brasil » Chacina em Campinas abre debate sobre machismo
TRAGÉDIA NO RÉVEILLON

Chacina em Campinas abre debate sobre machismo

Declarações a favor do atirador que matou a ex-mulher, o filho e mais 10 pessoas no réveillon acirram debate sobre violência de gênero

Chacina em Campinas abre debate sobre machismo
Em 10 anos, Isamara registrou cinco boletins de ocorrência contra Sidnei (Foto: Facebook)

Um crime trágico chocou o país em pleno réveillon. No momento da virada, um homem invadiu uma casa em Campinas, interior de São Paulo, matando 12 pessoas da mesma família que celebravam a chegada do ano novo.

A chacina foi promovida pelo ex-marido de uma das vítimas, Sidnei Ramis de Araújo, de 46 anos, que se matou logo após o ataque. Sidnei matou Isamara Filier, de 41 anos, e mais 11 de seus familiares. Entre eles o filho do casal, João Victor, de apenas oito anos.

O atirador deixou uma carta onde diz que a chacina é uma vingança contra a perda da guarda de João Victor. No texto, ele não esconde a ira arraigada contra mulheres, se refere a todas como “vadias” e à Lei Maria da Penha como “Lei Vadia da Penha”. Ele fala em “sistema feminista”, reclama que Isamara “inspirou outras vadias” e diz que agora “são os pais que irão se inspirar”.

A tragédia ocorreu no réveillon, mas começou a tomar forma anos antes. Ao longo de 10 anos, Isamara registrou cinco boletins de ocorrência contra Sidnei. O primeiro, em 2005, por ameaça e injúria. Em 2012, outro registro por ameaça. Em 2013, por agressão. Em 2014, por se aproximar do filho em um dia não programado para visita. Em 2015, por agressão e violência.

A chacina iniciou um intenso debate sobre machismo e violência de gênero. Na internet, muitos usuários causaram polêmica ao legitimar a ação de Sidnei como uma resposta à Justiça, que prioriza as mulheres nas disputas pela guarda dos filhos. Um dos internautas alertou: “Nunca teste um homem!”. Outro chamou o Judiciário de órgão feminista que trata as mulheres como divindades. “Algumas leis devem ser revistas a fim de dar aos homens os mesmos direitos das mulheres. Chega de sermos tratados como cidadãos de segunda classe”, disse o internauta.

As reações a favor do atirador despertaram indignação e acirraram o debate sobre a violência de gênero e a tendência de culpar vítimas pelos crimes sofridos. Em entrevista ao jornal El País, a socióloga Wânia Pasinato explicou que ainda há incômodo por conta das “mulheres terem se tornado mais conscientes de seus direitos”.

“A carta deixada por ele é uma justificativa de seu ato. Como costuma ocorrer nos casos de violência contra as mulheres, há sempre uma tentativa de responsabilizar a mulher pela violência que ela sofre. Mas os trechos que foram publicados revelam o que está permeando o imaginário social, e que gera incômodo, é o fato das mulheres terem se tornado mais conscientes de seus direitos. Alguém tem que ser responsável por isso, e nesse caso, para ele, é o ‘feminismo'”.

Segundo Wânia, ainda levará tempo até que as políticas públicas voltadas para a questão comecem a surtir efeito contra a violência, seja ela de qualquer natureza. “Nossa sociedade é desigual em sua raiz, e continuará a ser assim porque as mudanças sociais levam tempo para acontecer e se consolidar. Mudamos muito o nosso discurso. E essas mudanças de discurso são, na verdade, muitas vezes apenas politicamente corretas”.

Fontes:
Estadão-Mulher acusou 6 vezes autor de chacina
El País-“Criamos o discurso politicamente correto, mas nossa sociedade continua violenta”

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

7 Opiniões

  1. DINARTE DA COSTA PASSOS disse:

    O conflito entre gêneros as vezes se escondem, cegamente, em uma relação harmoniosa onde homens e mulheres se amam e se respeitam. Mas esse mal necessário que é o conflito, digo necessário por que homens e mulheres não conseguem perpetuar a espécie sem essa relação afetiva e conflituosa.

    O grande mal está na raiz da sociedade, as religiões pregam desde a fundação do mundo que o homem é superior a mulher. Ela segundo a Bíblia foi feita da costela do homem, pecou e induziu o homem a pecar, segundo os evangelhos cristãos “ela” deve ser preparada para ser donas de casas, submissas aos homens e não ousar de autoridade na igreja (Cristo é a cabeça da igreja, a igreja é a cabeça do homem e o homem é a cabeça da mulher).

    Enfim é o velho discurso babilônico de que MARDUK matou TIAMAT e ai somada a todas essas bobagens religiosas faz a mulher vítima de um sistema milenar que se amplia e se ampara nos costumes e tradições religiosas judaico-cristão. Romper essa barreira e quebrar paradigmas milenar não é tarefa fácil.

    Seria necessário reescrever a história da humanidade com nova visão cultural e religiosas, tá na hora de abandonarmos as antigas “fés” e escritura arcaicas para modelarmos uma nova religião da humanidade onde homens e mulheres sejam tratados em pé de igualdade. Abandonar os fanatismos religiosos e abraçarmos os novos deuses do século XXI, afim de que em um contexto moderno haja igualdade de gênero.

    Fabricar Leis não vai adiantar em nada. É o velho contraste entre o Brasil Legal e o Brasil Real” que está em jogo. Criam-se “Leis” não para se ajustar as necessidades do povo, mas legislação para mudar os costumes do povo e é ai que que está o grande disparate.

    Sonhamos com um mundo melhor, um Brasil melhor, uma sociedade melhor e igualitária, mas o capitalismo é o maior vetor do mal dessa igualdade. Em um Brasil que uma mulher (presidente) foi arrancada abruptamente do “Poder” para entregar a um homem corrupto é a mesma analogia com a queda de TIAMAT e a vitória de MARDUK.

    Após o “Golpe de Maio/Agosto de 2016” com o fim do governo das mulheres muitos homens acham que até a “Lei Maria da Penha deva ser revogada”. Um absurdo que não podemos conceber em pleno século XXI.

  2. ANTUNES BRANCO disse:

    O leitor Dinarte ia bem em seu comentario ate misturar um assunto serio com sua posicao radical petista/comunista . Que pena ….Defender a Dilma e comparar o impeachement da mais incompetente Presidente brasileira , que quebrou o pais e foi chefe do governo mais corrupto de nossa historia com uma tragedia domestica e’ ate uma afronta para a familia atingida. O caso em quastao deve ser tratado como um problema freudiano que requer terapia em vez de querer dizer que esse tipo que coisa so acontece nos paises capitalistas. Alias, os comentarios mais uma vez demonstram a incapacidade dos esquedopatas de separar realidade de ficcao ideologica.

  3. Luz Passos disse:

    O texto acima está totalmente deturpado e falso, utilizando-se falsamente de passagens biblicas com pequenas variaçoes que modificam todo o contexto, e para quem não conhece a Biblia de verdade e só ouviu falar de passagens por longe, facilmente irá acreditar e concordar. Porém está errado.
    Não interessa se estamos no século XXI ou XXX, as escrituras nunca poderão ser alteradas, nem uma vírgula jamais. Possa que até um insano tente reescrever como tem tentando validar tanta coisa hoje simplesmente para satisfazer seu bel prazer ou de um grupo, mas de que vale? as verdadeiras Escrituras nunca poderão ser modificadas, elas estão escritas dentro do coração daqueles que realmente acreditam e podem vive-la independente do que aconteça no mundo hoje. Chegará o momento que tudo terá seu fim!
    Em nenhum lugar da Bíblia está escrito o que foi mencionado acima: “segundo os evangelhos cristãos “ela”(a mulher) deve ser preparada para ser donas de casas.” A Bíblia nunca fala isso em lugar nenhum, isso é fala intencionada a suscitar revolta, e ódio contra as escrituras, mas se vc realmente lê a Bíblia não encontrará tal passagem. Então chega de misturar pensamentos próprios medíocres com as Escrituras Sagradas, chega de pensar que em determinado momento ela poderá ser alterada, adaptada ou o que quer que queiram, para justificar suas maldades, desejos imundos e contrários a natureza divina. Não concordo jamais com o que tenha acontecido sobre o texto acima, nao defendo A nem B. minha questão aqui e com comentários do tipo: “Seria necessário reescrever a história da humanidade com nova visão cultural e religiosas.” que loucura, quanta insanidade, quanta falta de sabedoria, e sobriedade.
    Não adianta pensar num mundo melhor, sonhar com um mundo melhor, se o mundo está cheio de pessoas desse tipo como a qual escreveu o texto acima. Como poderemos ter um mundo melhor, se ao passar dos anos as pessoas se tornam mais e mais egocêntricas, sábias em si mesmo, e se achando superiores a Deus, como? como? é profecia e está nas Escrituras, tudo o que está acontecendo estava previsto, quem lê sabe, e nao se espanta, apenas se prepara!

  4. Júlio Cardoso disse:

    Não se trata de machismo, mas sim de impulso desmedido de um desequilíbrio emocional, característico de determinados indivíduos. E isso existe em todas as sociedades: Nepal, Arábia Saudita, Paquistão, Afeganistão, China, Mali, Iraque, Índia, Somália, Republica Democrática do Congo etc.

  5. Rubens Annibale disse:

    Eu concordo Dinarte.

    E esse Sidnei, que matou a ex-mulher, era doente mental.

  6. Carlos Valoir simões disse:

    A ditadura do “politicamente correto” está acabando com as poucas inteligências que ainda existem: tentar aplicar a uma mente doentia, testada à exaustão nos últimos dez anos, o diagnóstico de machista, por simplista demais, beira a raia da estupidez.

  7. Elza Alves disse:

    Esses internaltas estão totalmente equivocados,a casos e casos … Nunca o judiciário traram as mulheres como divindade. Isto e sempre fato que querem transformar as vitimas em culpadas,mas como o atirar destila ódio pelo judiciário nesto caso estou com ele… A CULPA E DO JUDICIARIO, que ouve os dois lados, mas sempre favorece o lado errado. Não se faz acareações, não existe debates, para sabem quem esta mentindo, manipulando, induzindo o proprio judiciário ao erro. Não tem interesse em descobrir a verdade. Não existe justiça sem verdade.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *