Início » Brasil » Cinquenta anos do golpe militar
NESTA DATA

Cinquenta anos do golpe militar

Em 31 de março de 1964, golpe militar derruba João Goulart, dando início ao mais longo período de interrupção da democracia no Brasil

Cinquenta anos do golpe militar
Apesar da consolidação do golpe em 1964, a história começa três anos antes (Reprodução/Internet)

No dia 31 de março de 1964 o general Olímpio Mourão Filho deslocou 3 mil soldados do Destacamento Tiradentes, de Belo Horizonte, em direção ao Rio de Janeiro. Assim se iniciou o golpe militar que tirou o então presidente João Goulart do poder, dando início ao mais longo período de interrupção da democracia no Brasil: 21 anos.

Apesar da consolidação do golpe em 1964, a história começa três anos antes, quando Jânio Quadros renuncia à presidência por motivos que até hoje geram polêmica. A hipótese mais plausível é que, devido ao apoio popular que recebeu quando foi eleito, Quadros achou que seria chamado novamente ao governo pelo povo. O que não aconteceu.

Quando Quadros renunciou, foi necessário uma campanha popular, a Campanha da Legalidade, liderada pelo então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, para que Jango pudesse assumir o cargo.

Jango tentou implementar diversas reformas de base consideradas essenciais, como a reforma agrária, o que levou os setores mais influentes do país a temer uma “reviravolta comunista”. Com o decorrer do tempo,  greves constantes e pouco apoio da imprensa a Jango tornavam uma tomada de poder pelos militares cada vez mais provável. Foi o que aconteceu.

No dia seguinte à tomada de poder, no dia 1º de abril, João Goulart viaja do Rio para Brasília, e depois para Porto Alegre, onde Brizola tentava organizar a resistência ao golpe. Jango, porém, embarca para o Uruguai, exilando-se. Voltou ao Brasil apenas para ser sepultado, em 1976.

Fontes:
EBC-O golpe militar no dia 31 de março de 1964 fez o Brasil mergulhar em 21 anos de ditadura

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. Joaquim Caldas disse:

    Eu lutei pela democracia brasileira! Criei a Comissão da Verdade! Construiremos um Estado que por décadas não existia de fato e nem de Direito! Lula ,Dilma e seu bando de apátridos,utilizaram-se das chamadas brechas na Lei e na constituição´que o legislador não observou,nem o Congresso Nacional O Fracasso deste governo foi escondido pelos mensalões ocultos e outros transparentes,onde a propina correu frouxo nas mãos dos corruptos do governo e a espiral sucessivas de escândalos massificados da Petrobrás impossibilitam os governantes de reverter a situação de controle da Nação.E ainda fala-se em reeleger Dilma Rousseff,uma referência do mundo do crime organizado.Será que temos oposição?

  2. Samuel disse:

    Tenho 80 anos, sou testemunha ocular desses episódios. Realmente Jânio achava que apresentava a renúncia e seria reconduzido ao Poder pelos braços do Povo, o que não aconteceu.
    O Brasil estava uma bagunça entre direita (Carlos Lacerda etc) e esquerda (Jango, Brisola no Sul, Francisco Julião no Nordeste etc). No dia 30 ou 31 de março de 1964, não me lembro bem, o governador de Minas Gerais, Magalhães Pinto, declarou à Nação que Minas não obedeceria mais ao governo central e mobilizou sua polícia para enfrentar o Exército, mas este aderiu e marcharam para o Rio. Por onde as tropas passavam, os quarteis aderiam. Também o 2º Exército, de S. Paulo, comandado por Amaury Kruel, aderiu e marcharam igualmente em direção ao 1º Exército, no Rio, mas este também aderiu. Em seguida, o 4º Exército, do Nordeste, também aderiu. Por último, o 3º Exército, no Rio Grande do Sul, que havia acolhido Jango, aconselhou-o a fugir para o Uruguai e também aderiu. O Comando Militar do Planalto também aderiu. Assim todas as tropas do Exercito, e posteriormente da Aeronáutica e Marinha, aderiram, de modo que, pelo que me consta, não houve um só tiro.
    No dia 30 de março, eu ouvia as notícias do rádio do carro, que transmitia uma reunião do Clube dos Sargentos das Forças Armadas e Auxiliares do Rio, e ouvi um discurso tremendamente indisciplinado de um sargento do Exército. Pensei e comentei com um amigo que deveria estar para estourar uma revolta, pois as Forças Armadas se baseiam na hierarquia e disciplina e estas estavam sendo quebradas. Não deu outra…
    Espero que possamos viver em paz.
    Samuel

  3. Luis Barati Silva disse:

    Um dos motivos da Revolução de 1964, talvez o principal, foi a quebra da hierarquia e disciplina militar, insuflada por Jango e Brizola, que eram cunhados. O 19 Regimento de Infantaria de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, tomou a Base Aérea de Canoas, cujos sargentos se rebelaram a aprisionaram oficiais. Lá houve tiros sim, e mortes.

  4. Sebastian Sulu Akamada disse:

    Jango perdeu porque não tinha aquilo que mantém todos os ditadores, o apoio militar. Os únicos generais que o apoiavam, foram convencidos pela CIA a não o fazer. Mas essa história ainda será contada.

  5. Fernando Blikstein disse:

    Excelente matéria. Acho que é bastante importante colocar questões como estas em pauta. Como sabemos, um povo que não conhece o próprio passado está condenado a repeti-lo. Por isso, é fundamental que o brasileiro conheça seu passado e o que realmente foi o golpe militar, ou como chamam alguns, um golpe contra a democracia. O governo populista de Jânio Quadros incomodou não apenas a corrente política conservadora brasileira, mas também o governo estadunidense. O golpe militar estava sendo esculpido aos poucos, até que se sucedeu, acabando com a chances de um iminente ‘comunismo’, como achavam os políticos conservadores da época.

  6. luiz alberto franco disse:

    O argumento dos apoiadores do golpe era de que Jango levaria o país ao comunismo, se não fosse impedido. É equivalente a prender alguém porque “tudo leva a crer” que ele/ela cometerá um crime, como no filme “Minority Report”. A questão é que no filme havia os paranormais que faziam as previsões com certeza total, coisa que os nossos militares, mesmo que a média tenha melhorado de 64 até hoje, ainda não conseguem fazer (alguns ate regrediram…)

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *