Início » Brasil » Consumo de cocaína no Brasil é quatro vezes maior que a média mundial
relatório da onu

Consumo de cocaína no Brasil é quatro vezes maior que a média mundial

Segundo ONU, país se tornou o maior centro de distribuição da droga

Consumo de cocaína no Brasil é quatro vezes maior que a média mundial
O informe apresenta uma contração nos mercados dos Estados Unidos e da Europa (Foto: Wikimedia)

Superando os Estados Unidos, o Brasil se transformou em um dos maiores mercados para a cocaína, e atinge mais de quatro vezes a média mundial. Os dados foram publicados nesta sexta-feira, 26, pelo Escritório de Drogas e Crimes da Organização das Nações Unidas (UNODC, na sigla em inglês), que também revelou que o Brasil passou a ser o maior centro de distribuição de cocaína no mundo da última década.

Apesar disso, a produção de coca no mundo parece ter atingido seu ponto mais baixo desde 1990, segundo a ONU. O informe apresenta uma contração nos mercados dos Estados Unidos e da Europa.

Enquanto isso, o consumo de cocaína na América do Sul é o que mais preocupa. “Mas o aumento do uso de cocaína na região é liderada pelo aumento do uso no Brasil, que é o maior mercado de cocaína na América do Sul. Apesar de não haver uma pesquisa recente no Brasil, extrapolando dados a partir de pesquisas com estudantes universitários, a UNODC estima que a prevalência do uso da cocaína seja de 1,75% da população adulta do país”, alertou a ONU.

Neste ano, o informe revela uma queda do cultivo da coca, chegando a seus menores níveis desde 1990. Mesmo com um cultivo mundial equivalente a 170 mil campos de futebol, a destruição de áereas levou a uma redução de plantação em 10% entre 2012 e 2013. Para a ONU, a queda do cultivo pode ter tido um impacto na queda do consumo, com menor acesso ao produto nos Estados Unidos e no Canadá. Além disso, ações coordenadas entre vários países e uma guerra entre grupos criminosos também ajudaram na redução do consumo.

Fontes:
O Estado de S. Paulo-Consumo de cocaína no Brasil é 4 vezes superior à média mundial

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *