Início » Brasil » Conhecendo Itacaré, na Bahia
Turismo

Conhecendo Itacaré, na Bahia

Lugar super tranquilo, praias com muito verde, ideal para quem quer tranquilidade conjugado com ecoturismo

Conhecendo Itacaré, na Bahia
Itacaré é muito famosa pela beleza de suas praias, bastante atraídas por surfistas (Reprodução/FabianeTeixeira/ViagemeVivencias)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

 

Aproveitamos o feriado da Semana Santa para dar uma esticadinha em Itacaré, na Bahia, e a vontade foi de permanecer por lá! Lugar super tranquilo, não vimos nada de furtos e roubos a turistas (como foi relatado há um tempo pela mídia), praias com muito verde, ideal para quem quer tranquilidade conjugado com ecoturismo. Conheça um pouquinho da cidade com o Viagens e Vivências:

Quando ir:

A melhor época para visitar Itacaré é de setembro a abril, período não chuvoso. E apesar de irmos em Abril, tivemos um único dia chuvoso. O período de chuvas se estende de maio a agosto.
Quanto tempo ficar:

Ficamos cinco dias em Itacaré, e confesso que foi pouco. O ideal é de cinco a sete dias, para conseguir fazer tudo que a cidade e regiões oferecem.

Como chegar:

Itacaré está localizada entre Porto Seguro e Salvador, sendo que as distâncias principais são:

– Porto Seguro: 370 km

– Salvador: 397 km

– Ilhéus: 70 km

O aeroporto mais próximo é em Ilhéus, que está a 70 km de Itacaré. E você pode fazer o translado de ônibus (Águia Branca e Cidade do Sol). Estas empresas são indicadas no próprio site da cidade.

O valor do translado em uma Doblô, já que éramos cinco adultos e uma criança, foi de R$ 180,00 por trecho (valor do serviço em abril/2014). O pagamento é feito no local, em moeda corrente. Você não precisa pagar nenhum valor no ato da reserva, e depois de confirmado o serviço, eles te recepcionam no Aeroporto de Ilhéus, impreterivelmente no horário de chegado do seu voo.

A estrada de Ilhéus a Itacaré é asfaltada e sem buracos, o que permite um trajeto tranquilo e com mais segurança. Durante o percurso, uma parada no Mirante da Serra é imperdível! Trata-se de uma visão panorâmica onde a maioria dos motoristas faz um parada para uma bela foto, e uma deliciosa água de coco gelada!

 

É necessário o aluguel de carro?

Não achamos necessário, já que existem inúmeras empresas que fazem os translados para os passeios em praias mais distantes, por um preço acessível.
As ruas de Itacaré

Itacaré tem a rua principal com calçamento e todas as demais são de terra. Então, para mulheres, impossível locomover-se de saltos. Sempre sapatos confortáveis e baixos.
Onde se Hospedar:
Escolhemos a Praia da Concha para nos hospedar na Pousada Porto dos Casais Guest House Itacaré, que tem nota 8,4 no Booking.com. Além da excelente localização, de frente para o mar, na Praia da Concha, a Pousada é bem confortável, limpa e equipe é excepcional! Todos nos trataram bem, e quase todos os dias tínhamos um mimo no quarto (bombons e chocolates locais). Só um ponto que é bom esclarecer da Pousada é que os banheiros são de vidro. Então, para o quarto de família, que suporta até 4 pessoas, pode ficar um pouco constrangedor. Mas mesmo assim, caso você sinta incomodado com isso, eles colocam uma cortina nos vidros. Um ponto negativo da nossa hospedagem, é que no primeiro dia a água estava mais escura (mais barrenta), já que a maioria das instalações da cidade, utilizam a água do próprio rio ou de poço artesiano. Mas a partir do segundo dia, essa situação melhorou. O café da manhã é delicioso, com frutas, bolos, pães e até pães-de-queijo. Gentilmente eles também oferecem panquecas doce e salgada. A piscina é de frente para uma espécie de bangalô (ou varanda), com colchões e almofadas que possibilitam um delicioso descanso pós praia. A pousada conta ainda com WiFi e estacionamento gratuito para hóspedes.
As Praias

Praia da Concha: é a que possui maior infra-estrutura, com várias barracas e restaurantes (ouvimos um boato de que em breve todos as barracas serão retirados da praia). A praia da Concha é o encontro do mar com o Rio de Contas, que faz das águas bem calmas, ideais para a prática de Stand Up. Uma parte da praia conta com água mais movimentada, próxima a Ponta do Xaréu (inclusive há uma área mais perigosa onde é o encontro do rio com o mar, então a corrente fica mais forte). E a outra parte, mais próxima do Farol Quadrado, é mais barrenta.
Praia da Engenhoca:

Praia linda, deserta, sem infra-estrutura, de muito verde, ideal para surfistas, já que as ondas são bem fortes. Conforme se percebe da foto, há um riacho que desemboca no mar, e acaba fazendo uma paisagem diferente neste local.
Praia do Havaizinho:
Da própria Engenhoca, segue-se para a Praia do Havaizinho, que fica em uma trilha de mais 15 minutos de caminhada. A trilha é bem diferente da trilha para a Engenhoca, mas não foi nada difícil, mesmo para nós que não éramos, até então, praticantes de Ecoturismo.
A praia é também deserta, com ondas fortes, mas menos frequentada por surfistas. Paisagem com muitos coqueiros, muito verde, e o que separa da Praia de Camboa, ao lado, é uma área de pedras que forma muitas piscininhas naturais. Mais uma vez vimos a necessidade do guia, já que ele sabe o momento exato de atravessarmos para a outra praia, preservando a segurança do grupo (há pedras no local, cuidado!!!!).
Praia Camboa ou Camboinhas:

Logo a partir da pedra onde se formam as piscininhas, está Camboinha. Ela realmente é muito pequena, mas tem todo o seu charme! Sem qualquer infra-estrutura, e quase não se vê alguém turistando por lá!

 

Praia de Itacarezinho:
Pelo que percebemos, só o nome é em diminutivo. A praia é enorme, a orla extensa, e tem uma infra-estrutura de cair o queixo. Diferente das demais praias, essa é a única que você pode chegar de carro, com uma caminhada de apenas alguns metros até chegar a estrutura do Restaurante Itacarezinho (no local, há estacionamento). Mas para quem escolher o Ecoturismo, vale a pena fazer o que optamos: uma trilha “meio puxada”, de 20 a 30 minutos, que sai de Camboa a Itacarezinho, com subidas e descidas fortes, caminho estreitos, e em um determinado ponto é necessário o auxílio de cordas para descer. Para a gente que não está acostumado, foi uma aventura e tanto! E serviu de incentivo para outras trilhas e trekkings (Circuito W, por que não?).

Outras praias que você pode conhecer e que valem a pena é a Praia de Resende, que fica a uns 15 minutos a pé da Praia da Concha. A praia não tem infra-estrutura, somente uma senhora que vende cocos, mas a visão é imperdível, além de que se trata de uma praia de mar aberto, onde os surfistas também fazem a festa! Mas o mar é mais forte, e se deve ter cuidado com crianças.

 

 

*Fabiane Teixeira  e Fábio Almeida escrevem para o blog Viagens e Vivências, parceiro do Opinião e Notícia

 

 

 

Fontes:
Viagem e Vivências-Conhecendo Itacaré, na Bahia

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Harlei Cursino Vieira disse:

    Ainda irei conhecer Itacaré, essa cidade linda e essas praias maravilhosas, se Deus quiser!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *