Início » Brasil » Copa do Mundo 2014 em números
Curiosidades e Recordes

Copa do Mundo 2014 em números

Descubra números curiosos da Copa do Mundo no Brasil

Copa do Mundo 2014 em números
A seleção alemã, que conquistou a taça, levará para casa US$ 35 milhões pela vitória contra a Argentina (Foto:Reprodução/internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Copa do Mundo no Brasil acabou neste domingo, 13, e deixou como saldo alguns números interessantes. A seleção alemã, que conquistou a taça, por exemplo, levará para casa US$ 35 milhões pela vitória contra a Argentina, que ficou 24 anos sem disputar uma final na Copa do Mundo.

Durante o mundial, que ocorreu de 12 de junho a 13 de julho, foram distribuídos dez cartões vermelhos na competição, contra 28 da Copa de 2006. Enquanto os amarelos foram 187 cartões, o que representa uma média de 2,9 por jogo. Na África do Sul, a média foi de 3,8 cartões por jogo, em 2010.

Para realizar o mundial, o Brasil investiu US$ 11 bilhões, o que consagrou o evento como o mais caro da história das Copas.

Recordes e marcos históricos

O jogo entre Argentina e Holanda, disputado na última quarta-feira (9), foi a primeira semifinal da história do mundial sem gols com mais de 120 minutos de jogo. A Argentina venceu nos pênaltis.  Ao todo,  foram 171 gols marcados no mundial do Brasil, igualando-se a marca recorde de gols em um torneio de 32 equipes, alcançada na Copa da França em 1998.

O jogador alemão Miroslav Klose marcou 16 gols nesta Copa, superando Ronaldo Fenômeno ( com 15) e se consagrando como maior artilheiro da história das Copas. O goleiro norte-americano Tim Howard bateu recorde de defesas, impedindo 16 gols da Bélgica, no jogo das oitavas de final.

O jogador americano Clint Dempsey levou 30 segundos para marcar contra Gana, em 16 de junho em Natal, o que foi o quinto gol mais rápido da história da competição.

A cotação de uma vitória da Alemanha sobre o Brasil por 7 a 1 na semifinal é de mil para uma. Durante o jogo histórico, foram enviadas 580.166 mensagens pelo Twitter por minuto, o que foi um recorde, depois que o jogador Sami Khedira marcou o quinto gol sobre o Brasil.

Ao todo, foram enviadas 35,6 milhões de mensagens durante o jogo Brasil e Alemanha, o que foi considerada a maior quantidade de mensagens postadas durante um evento esportivo. O recorde anterior foi 24,9 milhões durante o SuperBowl de 2014 nos EUA.

Fontes:
Exame - Os grandes números da Copa no Brasil

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

7 Opiniões

  1. eunápio ramos disse:

    “ELOGIO A MEDIOCRIDADE”

    É deveras típico desse nosso país a hipocrisia gratuita, e que por essa época ficou bem mais visível.Ora, ontem após o jogo Alemanha x Argentina, brasileiros que atacavam a Alemanha com mensagens no face (como se os germanos tivessem tido alguma culpa da bilionária e vergonhosa campanha da seleção brasileira que sofreu uma humilhante derrota de 7 a 1), após a derrota da Argentina, cairam de amores e paixões pela equipe alemã, só faltaram pedir ao papa emérito Bento XVI que os canonizasse em vida e imedietamente, porque os elogios eram tantos que aqui no Brasil eles superaram a marca dos maiores heróis da humanidade, da mesma forma que tentaram atribuir glórias retumbantes e vultosas ao “herói ferido no ataque boliviano , o POBRE Neymar”.
    Se considerarmos que esses destrambelhados elegios ufanistas partiram em sua maioria de pessoas da clásse média alta, é possivel avaliar então o desastroso quadro da “intelectualidade” brasileira.
    Pergunto eu, que heróis? e Por que heróis? Por acaso não ganham eles milhões para exercerem sua profissão, não transitam por hotel de luxo, em transporte de luxo, com assistência médica de luxo, com roupas(se bem que muitos de extremo mau gosto) de luxo, com entretenimento de luxo, em estádios de luxo(bem típico da seleção tupiniquim), e tantos outros excessivos requintes.
    Claro que estou falando de Brasil sim. E por que por aqui, Professores que educam em escolas precárias, com salários de fome, Médicos que salvam vidas em hospitais mais precários ainda, Militares desaparatados que perdem e arriscam vida a toda hora em luta contra uma constante insegurança, que milhares de Pais trabalhadores que acordam com a madrugada e retornam em noite alta para casa e seustentam honestamente a família com nosso ridículo salário mínimo, nunca são lembrados ou celebrados como heróis. Entendi, esses profissionais tem “por obrigação” fazer o que fazem , tem por obrigação mesmo no plano de humilhação nacional que vivemos, nas desestruturas cínicas que nos apertam, a marcar “gols” a todos instantes em favor da vida, muitas vezes em troca de um pouco de café amargo, e um punhado de feijão com arroz.
    E o que vocês esperam que eu faça, que chame a seleção brasileira de coitadinha, o Neymar de herói, a Seleção Campeã de heróis da humanidade e junte-me a cordilheira de medíocres desse país que só falta querer a canonização dos campeões da Copa?
    Não, não sou frustrado para praticar um absurdo desse, mantenho minha opinião do antes para o depois, para o hoje, para o resto dos meus dias.Jamais desmerecerei o esporte, mas descer a tal ponto da mediocridade opinativa jamais. querer justificar o ódio da derrota da seleção brasileira encima dos argentinos, idolatrando os alemães, como sinônimo de vingança sórdida e barata, nunca. Não que pactue com determinadas atitudes de torcedores argentinos, mas justificar a derrota brasileira os culpando já é demais. Será mesmo que se após bater o Brasil, se os adversário final da Alemanha não fosse a Argentina, os brasileiros estariam aplaudindo tanto os “deuses germânicos”? Ou estão de fato querendo justificar suas enormes frustrações com esses elogios desencontrados? Penso sim, que por isso seja tão fácil administrar o poder pensante deste charmoso pais tropical.
    Eunápio Ramos.

  2. Honorio Tonial disse:

    BALANÇO DA COPA.
    Como poderia ter sido o balanço da copa se:
    1 – Todos os preparativos tivessem sido concluídos?
    2 – Se tivéssemos boa educação?
    3 – Se houvesse segurança?
    4 – Se a saúde fosse cuidada

    5 – Se houvesse estradas em número e condições suficientes.
    Qual seria a impressão dos visitantes se;
    a) Fossem visitar os nossos presídios, que o próprio Ministro da Justiça classificou de “infernos”
    b) As UTI da maioria dos nossos hospitais?.
    c) As favelas brasileiras?
    d) As estradas, na sua maioria?
    e) As cracolandias brasileiras?
    f) As nossas escolas, em grande número.
    g) O saneamento básico urbano e rural.

    O ex-presidente Lula foi o maior responsável pela realização da copa no Brasil.
    No governo do PT foram feitos os diferentes ajustes com a FIFA.
    Que é feito do Lula? Por que atribuem todos os “bem-feitos” à candidata à reeleição?
    A dispensa do recolhimento dos impostos legais da FIFA por quem foi autorizada?
    O Povo brasileiro sempre se mostrou hospitaleiro. Tome-se como exemplo o Encontro da Juventude no ano passado.
    Alguém comparou o fracasso da Seleção Brasileira com o desempnho do atual Governo
    Com a nossa economia. Está na hora de mudar tudo!

  3. evelyn sá disse:

    Caro Eunapio

    Concordo com vc. Faço apenas uma consideração: elogiar a vitoria alemã é interessante apenas do ponto de vista esportivo, ou seja, é “” apenas um jogo”. Só que por ter muiiiito dinheiro em jogo bancado pelo governo e com altissimo poder de marketing vindo da “dona FIFA”, as coisas tomam uma dimensão absurda, constroe-se no imaginario das pessoas uma situação que beira o nonsense, quase um delirio coletivo.

    Durante a copa Cesar Cielo ganhou uma competição importante. Alguem se interessou? A midia
    mostrou alguma coisa?

    Vende-se a ideia, o desejo, a “alegria” do pais do futebol. Pergunto, que futebol?
    Porque não amamos, respeitamos e torcemos por todos os nossos atletas, de todas as modalidades, incluindo os paralimpicos?
    Porque ninguem veste a camisa amarela, enfeita casas, lojas, shoppings, ruas, para darmos força e mostrarmos nosso orgulho nacional em todas as outras representações esportivas?Simples:
    porque a midia não “fabrica” esse sentimento em outras datas, nem mesmo o governo, nem as pessoas em geral se interessam espontaneamente por esportes outros, nem outras competições.
    Todo o pais parece ficar “esperando” por um “comando”.
    Temos tantos atletas de ponta, que não ganham milhoes, que “suam a camisa” para conseguir algum titulo. E quase sempre sem apoio, sem patrocinios milionarios.
    Acho tudo isso uma lastima.
    Uma inversão de valores.
    .Sera que estou só nessa avaliação?

  4. evelyn sá disse:

    AH! Esqueci:

    E só agora bem no finzinho da copa é que ficamos sabendo tudo de maravilhoso que a equipe alema fez na Bahia.
    Se ela tivesse perdido, se tivesse saído logo da copa, talvez nunca soubessemos o legado que deixou em termos materiais e imateriais em terras brasileiras.
    Além de competentes como atletas, são elegantes em atitudes, generosos e compassivos.
    Não é pouca coisa, não!!!!

  5. Francisco Marinho de Suza disse:

    O pesadelo Verde e Amarelo

    O Brasil procura o responsável pela medíocre atuação na Copa de 2014. O técnico Felipão assumiu total responsabilidade pelo fiasco. Acredito que a função de um técnico além de convocar os melhores atletas, é prepará-los tecnicamente para a competição.
    No momento crítico do torneio aconteceu o chamado “apagão”, o que na realidade, revelou a falta de coragem e personalidade que deveriam ser características, não só de jogadores, mas principalmente, de homens. Abateram-se pela ausência, em campo, de Neymar, que mesmo sendo craque, não foi tão brilhante. Esqueceram-se que a vitória seria fruto do trabalho dos 23 membros do grupo. Tomemos como exemplo a seleção Argentina: mesmo perdendo o seu “melhor atleta”, Di Maria, todos uniram-se e conquistaram heroicamente o direito de disputar o título mundial. E a Alemanha???? O espírito coletivo prevaleceu sobre os valores individuais.
    As desculpas são as mais diversificadas: Pouca idade, inexperiência, falta de entrosamento, etc. Não podemos esquecer, no entanto, que seus salários são de “gente grande” e atuam em grandes competições pelo mundo.
    A “filosofia Família Scolari” foi duramente criticada e ridicularizada no mundial de 2002, realizado na Ásia, pois não cedeu às pressões da mídia, dos torcedores e até do, então presidente, Fernando Henrique Cardoso, pedindo a convocação do indisciplinado Romário. Em resposta, os nossos valentes guerreiros, sob a liderança do gigante zagueiro Lúcio, trouxeram o Penta-campeonato.
    Na Granja Comary, que deveria ser chamada “Casa da Mãe Joana”, via-se muita badalação, pouco trabalho e mandos e desmandos dos “cartolas do futebol”.
    Desde o anúncio do seu nome até a humilhante eliminação diante da Alemanha, o técnico Luiz Felipe contava com o apoio incondicional de todos, principalmente da imprensa, que hoje pede sua “cabeça”.
    Diante do exposto acima, ficam algumas indagações:
    1) Ao contrário desta, por que a “Família Felipão” de 2002, mesmo desacreditada, deu tão certo?????
    2) O excesso de interferências nas decisões, não teria atrapalhado????
    3) É justo pedir a cabeça de uma única pessoa????

    “O treinador não pode ser crucificado sozinho numa cruz que pertence a muitos”

  6. Áureo Ramos de Souza disse:

    Perdemos a COPA DAS COPAS da presidente Dilma que nos levou R$ 11 milhões. Todas as equipes de policia estavam na rua inclusive exercito, marinha e aeronáutica e agora já começou a aparecer noticias policiais em todo o Brasil, pois voltamos aos que éramos, sem segurança, sem saúde e sem educação com nós mesmos.

  7. Honorio Tonial disse:

    Ideologizar a Copa de Futebol é temerário.
    Gostaria que alguém expusesse os números de ingressos vendidos e o montante de dinheiro arrecadado. Por outro lado desejaria saber qual foi o destino dado a esta “grana”.
    O povo brasileiro é hospitaleiro por índole.
    Haja vista o Encontro da Juventude que não teve nenhuma relação com eleições.
    A Presidente Dilma querer apoderar-se dos méritos da Copa incorre numa indecente demagogia
    que os 7×1 contra a Alemanha compensam.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *