Início » Brasil » Crise hídrica de São Paulo ameaça chegar ao Rio de Janeiro
estiagem

Crise hídrica de São Paulo ameaça chegar ao Rio de Janeiro

Nível de água nos quatro reservatórios do Rio Paraíba do Sul, principal abastecedor do estado, está em 6% da sua capacidade. É o menor nível já registrado desde 1978

Crise hídrica de São Paulo ameaça chegar ao Rio de Janeiro
Dos quatro reservatórios que abastecem o Rio de Janeiro, três ficam em São Paulo (Reprodução/Reuters)

A seca que há meses afeta São Paulo ameaça chegar ao Rio de Janeiro. Dados da Agência Nacional das Águas (ANA) mostram que o nível de água nos quatro reservatórios do Rio Paraíba do Sul, principal abastecedor do estado, está em 6% da sua capacidade. É o menor nível já registrado desde 1978, quando os quatro reservatórios começaram a operar juntos.

Em entrevista ao jornal Globo, Jorge Teron, representante da Firjan para o Comitê de Integração da Bacia do Rio Paraíba do Sul (Ceivap), alertou que até o final deste mês a situação pode piorar, com o nível descendo a 4,5%.

“Estamos num momento de exceção. A quantidade de chuva no último verão foi a pior dos últimos 80 anos. Se chover a média histórica de novembro, teremos 4,5%. Mas pode chover mais ou menos. Não sabemos o que nos espera”, disse Teron.

Dos quatro reservatórios que abastecem o estado, três ficam em São Paulo (Paraibuna, Santa Branca e Jaguari) e um no Rio de Janeiro (Funil).

A situação se tornou ainda mais preocupante após o governo de São Paulo apresentar à ANA uma proposta para desviar cinco metros cúbicos de água por segundo do reservatório de Jaguari para abastecer a região metropolitana paulista, que atravessa um grave período de seca. Na última quinta-feira, 6, o governo de São Paulo anunciou que vai começar a usar esgoto tratado para consumo.

Segundo Vera Lúcia Teixeira, vice-presidente do Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (CEIVAP), o desvio, sem medidas de compensação, “afetaria muito” o abastecimento na região, além de favorecer a proliferação de bactérias nocivas no rio.

“Hoje, no Funil, já temos uma concentração de cianobactérias preocupante, por conta da estiagem. Elas não desceram o rio. Mas, com a chegada do verão, a tendência é o problema avançar. Além disso, se o nível da represa descer mais três metros, já poderá comprometer a geração de energia na Barragem de Santa Cecília, em Barra do Piraí, que atende o Estado do Rio”, disse Vera.

Fontes:
O Globo-Quatro reservatórios do Rio Paraíba do Sul estão com o nível mais baixo da sua história
G1-Estado de São Paulo vai tratar esgoto para consumo, anuncia governo

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *