Início » Brasil » Crise nas universidades federais piora após corte de verba
Educação

Crise nas universidades federais piora após corte de verba

Os funcionários das federais decidiram parar em todo o país por tempo indeterminado

Crise nas universidades federais piora após corte de verba
As entidades, por sua vez, temem que o corte de R$ 9,4 bilhões na educação, anunciado pelo governo, aprofunde a crise (Foto: Flickr/ UnB Agência)

Nas próximas semanas, as universidades federais vão ter que enfrentar greves de servidores e docentes. A situação ocorre por conta da dificuldade para fechar as contas devido aos cortes de repasses da União.

A partir desta quinta-feira, 28, os funcionários das federais decidiram parar em todo o país por tempo indeterminado. Eles pedem reposição de 27% de perdas salariais durante o governo Dilma Rousseff.

As entidades, por sua vez, temem que o corte de R$ 9,4 bilhões na educação, anunciado pelo governo, aprofunde a crise. Afinal de contas, a redução das verbas já tem afetado o funcionamento das instituições, causado demissões e suspensão de contratos.

Apesar do Ministério de Educação informar que tem atuado para garantir os recursos necessários ao funcionamento das universidades e que os repasses têm sido normalizados desde março, ele diz que as universidades têm autonomia administrativa e que, “após a liberação financeira, não possui qualquer ingerência sobre os processos de pagamento”.

Fontes:
Folha de S. Paulo-Greve nas universidades federais agrava crise após corte de verba

2 Opiniões

  1. Niza Nogueira disse:

    Nunca haverá melhora nessa área da educação, pela simples razão que educação é direito de todos e nunca houve coisa boa que de para todo mundo. Quem trabalha nisso, saia se puder. Quem estuda, pegue o seu canudo e vá cuidar da vida.

  2. helo disse:

    É o efeito Dilma. O professor tem que lutar para que a universidade funcione, o problema é de emprego e educação, não só de salário. As universidades estaduais não recebem repasse. Sorte tem os paulistas, o estado paga o maior salário. Entretanto seus professores estão em greve há 75 dias. As vezes fica difícil entender a CUT.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *