Início » Brasil » Da modéstia a ostentação: a religião no Brasil
IGREJA

Da modéstia a ostentação: a religião no Brasil

O bairro do Brás, em São Paulo, é uma amostra da fé brasileira

Da modéstia a ostentação: a religião no Brasil
O Templo de Salomão foi inaugurado em 2014 (Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O bairro do Brás, em São Paulo, é uma amostra da fé brasileira, o que inclui vários tipos de igrejas pentecostais. Os dados sobre religiões no país não é exato. Segundo o censo, entre 1980 e 2010, o número de pentecostais subiu de 3,9 milhões para 25,4 milhões. Enquanto isso o número de católicos caiu de 89% para 65%.

Apesar de serem, em sua maioria, mais pobres, os pentecostais são os fiéis mais generosos. Um estudo de 2002-03 reveleou que quando eles eram apenas 13% dos brasileiros, eles representavam 44% dos que pagam dízimo às igrejas no Brasil.

A igreja pentecostal mais conhecida do Brasil é a Assembleia de Deus, que conta com cerca de 70 milhões de fiéis ao redor do mundo. O grupo da Igreja Universal do Reino de Deus também se destaca. Iniciada em 1977 por Edir Macedo, um antigo funcionário de lotérica, que foi preso em 1992 sob acusação de charlatanismo, agora exibe um grande prédio, o Templo de Salomão, que abriu em 2014.

Nem todo mundo no Brás é Pentecostal. A modesta Igreja Católica de São João Batista, por exemplo, fica à sombra do templo.

 

Fontes:
The Economist-From modesty to ostentation

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Em Malaquias 3:8-10 temos uma alegoria que indica o que as escrituras realmente ensinam sobre a pobreza. A “opção preferencial pelos pobres” da igreja católica definida no “Concílio Vaticano II” é mais uma opção política do que teológica.

  2. Rogerio Faria disse:

    A obra de deu$ tem que ser grandio$a…

  3. Joseh Milthon disse:

    O ETERNO não se Compraz em Obras Grandiosas, e sim com Obediencias as suas Leis e Estatutos, principalmente, quando são feitas em benefícios própios.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *