Início » Brasil » Delatores dizem que Odebrecht pagou imóvel para Instituto Lula
OPERAÇÃO LAVA JATO

Delatores dizem que Odebrecht pagou imóvel para Instituto Lula

Apesar da nova sede não ter saído do papel, o juiz federal Sérgio Moro aceitou a denúncia contra o ex-presidente

Delatores dizem que Odebrecht pagou imóvel para Instituto Lula
A assessoria de imprensa do Instituto Lula emitiu uma nota dizendo que o ex-presidente não solicitou nenhuma vantagem indevida e sempre agiu dentro da lei (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Na semana passada, três delatores da Odebrecht confirmaram que a empresa comprou, em 2010, um imóvel em São Paulo que seria destinado à construção de uma nova sede do Instituto Lula. Os depoimentos foram do ex-presidente do grupo, Marcelo Odebrecht; do ex-diretor de Relações Institucionais, Alexandrino Alencar; e do ex-diretor-superintendente da Odebrecht Realizações Internacionais, Paulo Melo. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

Leia mais: Sérgio Moro aceita outra denúncia contra Lula na Lava Jato
Leia mais: Medidas aprovadas no Congresso renderam R$ 8,4 bilhões à Odebrecht

O imóvel em questão fica na rua Dr. Haberbeck Brandão, n° 178, na cidade de São Paulo. A aceitação da denúncia pelo juiz Sérgio Moro tornou Lula réu pela quinta vez, sendo três ações penais na Operação Lava Jato, uma na Zelotes e outra na Operação Janus. Desta vez, Lula é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Os procuradores acreditam que parte das propinas pagas pela Odebrecht em contratos da Petrobras foi usada na aquisição de um terreno onde seria construída a sede do Instituto Lula. Os delatores confirmaram que o imóvel, que teoricamente foi adquirido pela DAG Construtora, na verdade, foi pago pela Odebrecht para ser a nova sede do instituto. Eles explicaram que após a compra do imóvel pela  Odebrecht, outras grandes empresas ajudariam a construir o prédio do Instituto Lula.

Os delatores disseram ainda que Lula e a ex-primeira-dama Marisa Letícia foram conhecer o terreno, mas que não gostaram do local. Por isso, Marcelo Odebrecht pediu que Paulo Melo procurasse outros imóveis. Porém, o projeto não foi para frente. Apesar da nova sede não ter saído do papel, isso não impediu que Moro aceitasse a denúncia contra Lula.

A partir da quebra de sigilos fiscais e bancários dos investigados, os procuradores descobriram que a Odebrecht pagou, em 2010, R$ 7,6 milhões para a empresa DAG Construtora, que adquiriu o imóvel investigado. Além disso, segundo a ação, foram encontrados papéis no sítio em Atibaia, frequentado pelo ex-presidente, com um projeto de construção no terreno do endereço investigado.

Ainda segundo a denúncia, um apartamento vizinho à cobertura onde mora o ex-presidente, em São Bernardo do Campo (SP), foi adquirido. O imóvel está no nome de Glaucos da Costa Marques, que, segundo a acusação, atuou como “testa de ferro” de Lula, em transação concebida por Roberto Teixeira, advogado do ex-presidente. Apesar de o imóvel ter sido alugado por Marisa, a denúncia aponta que não houve pagamento de aluguel. O juiz federal determinou, então,  o sequestro do apartamento. Ou seja, o bem pode ser usado, mas sua propriedade fica “congelada”. Sendo assim, caso haja condenação, o imóvel será leiloado e o dinheiro, revertido à vítima do crime.

Na última segunda-feira, 19, Marisa, Marcelo Odebrecht e mais seis pessoas viraram réus junto com Lula.

Defesas

A assessoria de imprensa do Instituto Lula emitiu uma nota dizendo que o ex-presidente não solicitou nenhuma vantagem indevida e sempre agiu dentro da lei. “O terreno nunca foi do Instituto Lula e tampouco foi colocado à sua disposição. O imóvel pertence à empresa particular que lá constrói uma revenda de automóveis. Tem dono e uso conhecido. Ou seja, a Lava Jato acusa como se fosse vantagem particular de Lula um terreno que ele nunca recebeu, nem o instituto – que não é propriedade de Lula, nem pode ser tratado como tal, porque o Instituto Lula tem uma personalidade jurídica própria.”

O advogado Cristiano Zanin, defensor de Lula e sócio de Roberto Teixeira, vem dizendo que a força-tarefa da Lava-Jato tem agido por “retaliação e vingança”. A defesa questiona a imparcialidade do juiz e já pediu seu afastamento da causa.

A DAG Construções, por sua vez, informou que não iria se pronunciar. Já a Odebrecht disse, em nota, que não se manifesta sobre o tema, mas reafirma seu compromisso de colaborar com a Justiça.

 

Fontes:
Folha de S.Paulo-Odebrecht pagou imóvel para Instituto Lula, dizem delatores
Congresso em Foco-Delatores da Odebrecht afirmam que empresa comprou imóvel para o Instituto Lula, diz Jornal

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Jane Souza disse:

    Quero esse verme na cadeia

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    Eu nunca vi em toda minha existência após os 18 anos quando comecei a votar, um presidente com tantas falcatruas e ainda diz ser o homem mais honesto do país e porque os outros presidente: Castelo Branco, Ernesto Geisel e outros da ditadura morreram pobres? Os possíveis candidatos são todos réus votar em quem nas próximas eleições se o país tornou-se um circo vamos votar em TIRIRICA.

  3. laercio disse:

    Queremos ver todos presos sim, entretanto não será uma cadeia em moldes comuns!
    certamente terá serviços e produtos diversos e ou natureza domiciliar; isto mostra a desproporcionalidade no trato com as ditas autoridades, algo que não deveria existir, ou melhor, deveria as autoridades proporcionalmente pagar por seus erros.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *